Clique aqui para conhecer mais

Artigos e Notícias sobre Pequenos Grupos.

União Sul Brasileira

Site com as notícias da Igreja Adventista.

Estudos Bíblicos

São 8 estudos bíblicos com assuntos diversos para computadores e smartphones.

Ministério Pessoal da DSA

História, Notícias, Materiais e outros.

SITE TEMPLOS DE ESPERANÇA

Conheça o projeto para implantar novas Igrejas no Sul do Brasil.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Cresce número de divórcios no Brasil e de casais que optam por apenas "morar junto"

Nos últimos dez anos, o número de divórcios no Brasil quase dobrou, passando de 1,7%, em 2000, para 3,1% em 2010. Os números fazem parte de novos dados do Censo 2010, divulgados nesta sexta-feira (27) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ao mesmo tempo, o número de uniões consensuais, aquelas em que não há cerimônia no civil nem no religioso, também aumentou no país.

 Segundo análise do instituto, no caso dos divórcios, a flexibilização da legislação colaborou para o aumento, o que já havia sido registrado anteriormente na pesquisa do Registro Civil, feita em 2011. Foi o que aconteceu, por exemplo, a partir de 2007, quando os divórcios puderam ser requeridos por vias administrativas, nos tabelionatos de notas, havendo consenso e inexistindo filhos menores de idade ou incapazes. Além disso, desde 2010 é possível requerer a dissolução do casamento a qualquer tempo, seja o divórcio de natureza consensual ou litigiosa.
 

 Pelo Censo, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Distrito Federal são os Estados onde há mais divórcios no país: 4,1%, 4,1% e 4,2%, respectivamente. Por outro lado, o Maranhão é o Estado com menor indicador de pessoas divorciadas --1,2%.

Se por um lado os divórcios aumentaram, houve um crescimento significativo das uniões consensuais entre 2000 e 2010. Essas uniões são aquelas em que a pessoa vive em companhia de cônjuge sem ter casado no civil ou no religioso. A união estável com contrato registrado em cartório também é considerada consensual.

Em todo o país, 36,4% das pessoas declararam viver em união consensual em 2010, número superior ao registrado em 2000, que foi de 28,6%. Os números mostram uma redução no número de casais unidos através do casamento civil e religioso e daquelas unidas apenas no religioso, de 49,2% para 42,9%.

O Estado campeão quando o assunto é a proporção de pessoas vivendo em união consensual é o Amapá, na região Norte: em 2010, 63,5% das pessoas entrevistadas afirmaram viver dessa forma com seus parceiros.

Outros números da pesquisa mostram que, em 2010, houve redução na proporção de pessoas que nunca viveram em união --de 38,6% para 35,4%--, e aumento do número de pessoas que passaram pela dissolução de um casamento --de 11,9% em 2000 para 14,6% em 2010.

Censo 2010

Participaram do Censo 2010 cerca de 190 mil recenseadores, que visitaram os mais de 5.565 municípios brasileiros entre 1º de agosto a 31 de outubro de 2010. Os primeiros dados da pesquisa, que identificou uma população de 190 milhões de brasileiros, foram revelados em abril de 2011. Ao longo de 2012, serão produzidos novos resultados, apresentados em volumes temáticos.
(Fonte: UOL Notícias)

Nota:  Jesus assegurou que o casamento deveria ser para toda a vida. '“Eu odeio o divórcio”, diz o Senhor, o Deus de Israel, “e também odeio homem que se cobre de violência como se cobre de roupas”, diz o Senhor dos Exércitos. Por isso, tenham bom senso; não sejam infiéis.'(Malaquias 2:16 - NVI) e 'Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. De modo que já oo mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou o o separe o homem.' Mateus 19:5,6

Deus está disposto a ajudar o casal que, unidos, buscam a Deus através da leitura da Bíblia, oração e freqüência a igreja (Mateus 6:33).

Por outro lado, a banalização do casamento é também um dos sinais da volta de Jesus. "Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem." (Mateus 24:37, 38).


Por isso, cuide do seu casamento. Ore com e pelo seu conjuge  "porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade ... Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade." (Malaquias 2:14,15). Pense nisto!


Pr. Evandro Fávero

domingo, 29 de abril de 2012

Resumo da lição número 5 da Escola Sabatina

 
CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: Evangelismo e Testemunho Sequenciais 

Texto-chave 

“Dei-lhes leite, e não alimento sólido, pois vocês não estavam em condições de recebê-lo. De fato, vocês ainda não estão em condições”. I Coríntios 3:2

Objetivos 

1. Saber a importância de apresentar o evangelho de maneira sequencial: 1º. Apresentar um evangelho simples baseado no relacionamento e 2º. Prosseguir no conhecimento que leva ao comprometimento.

2. Sentir empatia pelas necessidades físicas e espirituais das pessoas.

3. Promover um ambiente de estímulo e proteção para o crescimento da semente do evangelho naqueles a quem ministramos.

Verdade Central 

No evangelismo e testemunho, é importante que primeiramente apresentemos a verdade simples do evangelho.

Domingo: Evangelismo Sequencial e Necessidades Sentidas 

Antes de pregar o evangelho, devemos saber do que as pessoas sentem necessidade. Veja o que Jesus fazia às pessoas antes de chama-las ao Reino de Deus.

O que Jesus fazia quando era solicitado pelas pessoas? Lucas 9:11

 1º. Curava as pessoas (supria sua necessidade física).

 2º. Falava-lhes do Reino de Deus (supria sua necessidade espiritual, mesmo que elas mesmas não percebessem que tinham esta necessidade).

Afirmações:

 Seguindo o modelo de Cristo, com certeza teremos êxito ao pregar o evangelho às pessoas.

 Procurar saber quais são as necessidades das pessoas e, na medida do possível supri-las, é a primeira coisa a fazer.

 Após demonstrarmos nosso amor por elas ajudando-as em suas necessidades físicas ou materiais, teremos um coração aberto para receber o evangelho.

Segunda-feira: Leite e Alimento Sólido 

Por que Paulo fala em “leite e alimento sólido” para a igreja em Coríntios 3:1 a 3?

 Porque a Igreja de Corinto não se desenvolveu o suficiente a ponto de receber verdades mais profundas por parte de Paulo.

 Paulo não pregaria sobre os temas mais profundos enquanto as pessoas não tivessem maturidade espiritual suficiente para entendê-los e responder a eles.

 De igual forma, hoje, devemos levar as pessoas a se entregarem a Cristo apresentando-lhes um evangelho simples (leite) e, depois, à medida que vão recebendo verdades mais profundas (alimento sólido), suas vidas vão sendo transformadas.

Jesus não apresentava toda a verdade de uma só vez porque nem todos estavam preparados para receberem aquelas verdades.

Você já ouviu estas frases: “Ah! Eu falo a verdade doa a quem doer!” ou “A verdade foi feita pra ser dita!”?

Muito cuidado: Não era assim que Jesus fazia ou agia. É mais seguro seguir o exemplo dEle. Tudo a seu tempo. Uma verdade dita fora de tempo pode causar mais mal do que bem.

Terça-feira: Verdades Decisivas 

Uma Verdade Decisiva é um ensino bíblico que, uma vez compreendido, desafia a pessoa a fazer mudanças significativas em suas crenças pessoais ou em seu estilo de vida.

Na sua opinião, o que deveríamos desafiar as pessoas a fazer: aceitar a Cristo como Senhor de suas vidas ou santificar o dia de Sábado como dia de Descanso?

 Antes de levar as pessoas a fazerem coisas por Cristo, elas precisam, primeiro, conhecer e amar a Cristo.

 Uma vez que conhecemos a história bíblica e entendemos o que realmente Cristo fez por nós, passamos a amá-Lo.

 Uma vez que O amamos, a obediência à Sua vontade será automática, natural e voluntária. Portanto, a primeira verdade decisiva que uma pessoa tem de aceitar é a de que existe Alguém que a ama e fez de tudo para que ela tenha uma vida melhor, tanto aqui como no futuro (eternidade).

Quarta-feira: Medindo o Crescimento Espiritual 

Como medir o crescimento espiritual de uma pessoa?

 Uma verdade transmitida não significa mudança de vida. Há pessoas que podem receber muita informação a respeito de uma verdade de Deus e não serem influenciadas por esta verdade. E o problema não está com esta verdade apresentada.

 Fazer perguntas é uma forma importante e eficaz para avaliar a compreensão e o crescimento espiritual das pessoas. Ex: Em sua opinião, o que você acha que Deus está querendo dizer a você neste verso? Você acha que Deus quer que nós abandonemos isto que Ele diz ser maléfico à nossa saúde? Diante do que aprendemos hoje, que mudanças você acha que precisa fazer em sua maneira de viver? Você gostaria de pedir a Deus que o(a) ajude a pôr em prática o que aprendeu hoje?

 Perguntas ajudam as pessoas a repensar seus pontos de vista em comparação às verdades da Palavra de Deus e a tomarem a decisão pela verdade.

Quinta-feira: Preparando uma Colheita 

Como uma horta, assim também são as pessoas que estamos levando ao conhecimento das verdades de Deus. Para que se tenha uma colheita é preciso:

• Preparar o solo
• Lançar a semente
• Regar a semente
• Tirar as ervas daninhas
• Proteger das aves e pragas do jardim

Em outras palavras:

• Aproximar-se dos(as) nossos(as) amigos(as) que queremos levar a Cristo
• Convidá-los a lanchar conosco, passearmos juntos, envolver-nos com eles
• Interessar-se por ele(a) e por seus problemas
• Orar por ele(a) e dizer que estamos orando por ele(a)
• Começar a falar algo de Jesus, dizer-lhes o que Jesus fez por nós
• Oferecer-lhes um DVD, um livro, um estudo bíblico para juntos estudarmos
• Convidá-los a irem conosco à igreja em uma programação especial
• Manter uma sequencia de estudo e visitação ao(a) nosso(a) amigo(a)
• Alimentá-la até que se torne madura (batismo) e frutífera (discipulado)

A alegria e a satisfação de conduzir uma pessoa em seu aprendizado e crescimento da Palavra de Deus é algo que só os que já fizeram ou fazem isto sabem o que é.

Só quem já escalou uma montanha sabe o que é poder ver o que tem do outro lado: um oceano, uma cordilheira, uma selva ou o horizonte.

Conclusão 

Pregar o evangelho é um dos maiores privilégios que Deus nos deu.

Ele poderia mandar os anjos fazerem isso e teria um ótimo resultado, mas delegou a Seus filhos esta tarefa.

Um médico voltava para casa depois de um dia de muito trabalho. No caminho viu um cachorro “pesteado”. Dava para contar os pelos e as costelas no pobre coitado.

Colocou o cachorro em seu carro e ao chegar em casa a esposa pergunta: “Você não tinha algo melhor pra trazer para seus filhos? Podia ter trazido um Lhasa Apso ou algo parecido”.

O médico liga para um amigo veterinário que lhe diz o que fazer e que medicamentos comprar para o “pesteadinho”. Em pouco tempo aquele cachorrinho “pesteadinho” era uma bolinha de pelos, a coisa mais linda do mundo.

Era a diversão dos 3 filhos daquele médico. Até que um dia as crianças deixaram o portão aberto e o “ex-pesteadinho” fugiu.

O médico chega em casa e vê o choro e a tristeza estampada no rosto de cada um dos filhos. “O que aconteceu?” – pergunta ele.

O cachorrinho foi embora. “O que?” - diz o médico. “Depois de tudo o que eu fiz por ele? Tirei ele das ruas, dei comida, curei suas feridas, dei remédio, gastei dinheiro e é assim que ele retribui?”

Horas depois ouviram um barulho de arranhões no portão. Todos correm e quando abrem o portão, quem está lá diante deles? O cachorrinho “ex-pesteadinho”. E atrás dele mais 3 cachorrinhos “pesteadinhos”.

Aquele cachorrinho sabia onde tinha um médico que ajudava cachorrinhos “pesteados” e foi atrás de seus amigos “pesteadinhos”.

Lição: Você e eu somos o cachorrinho pesteadinho que um dia estava jogado nas ruas da vida e do pecado. O grande médico Jesus nos acolheu, curou nossas feridas e nos deu um novo sentido na vida. Agora ele espera que você e eu possamos ir atrás dos outros “pesteadinhos” pelo pecado e o tragamos ao Grande Médico Jesus.

Ao pensar em evangelizar alguém devemos considerar:

1. Dê preferência aos amigos. É mais fácil. Você já os conhece

2. Siga a sequência: do evangelho simples às verdades mais profundas.

Pr. Sandro Santos 
Pastor do Distrito de Cianorte/PR, pertencente à Associação Norte Paranaense

sábado, 28 de abril de 2012

Tudo o que falou o Senhor

Tomou o Livro da Aliança e o leu ao povo; e eles disseram: Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos. Êxodo 24:7

A ocasião era solene, Moisés escreveu em um livro todas as palavras que Deus havia dito e as leu ao povo, conforme o pedido dos israelitas: “Fala-nos tu, e te ouviremos; porém não fale Deus conosco, para que não morramos” (Êxodo 20:19). Deus Se havia pronunciado e esse era o momento de fazer o Compromisso com Ele. Qual seria a resposta do povo? O que iriam determinar? Imagine estar diante dessa cena, sabendo diante de quem você está nesse momento tão solene.

 Estavam diante dAquele que enviara as terríveis pragas para salvá-los de um faraó caprichoso; diante dAquele que fizera tantos milagres em benefício deles, como abrir o Mar Vermelho para que pudessem cruzá-lo a seco, salvando-os de seus inimigos que, por fim, viram “mortos na praia do mar” (Êxodo 14:30); dAquele que transformara a água amarga de Mara em água doce e que os sustentou no deserto fazendo cair comida do céu e sair água de uma rocha...

Sem duvida que reconheciam diante de quem estavam e reconheciam tudo o que Deus já lhes havia feito. Agora Deus ordena obediência a Seus preceitos, mas essa exigência não era outra coisa que a expressão do cuidado por Seu povo. Chegou o momento de responder diante de tantas mostras de salvação e proteção. Havia somente uma coisa no coração deles para ser pronunciada, e então disseram: “Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos”. Eles decidiram obedecer não uma parte do que Deus dissera, não a parte preferida ou a que mais lhes agradava, mas tudo o que Jeová havia dito.

O problema da existência de tantas religiões e, às vezes, de tantas divisões dentro de nossa própria igreja se deve especialmente ao fato de se querer obedecer apenas uma parte da Palavra de Deus. Mas uma ou duas verdades não é toda a verdade; não é esse o compromisso exigido por Deus. Isto não é salvação pelas obras, mas um compromisso de amor expressado em obediência e resposta à imensa bondade que Deus nos tem manifestado desde a eternidade. Lamentavelmente, Israel honrou o Senhor apenas de lábios (Isaías 29:13) e esse é o grande perigo no qual podemos cair como povo de Deus.

Convido-o a conhecer e obedecer a tudo o que Deus pede a Seu povo. A igreja vive o que conhece e conhece o que nós, como líderes, lhe ensinamos. Portanto, é importante que cumpramos fielmente nosso labor.

Missionário Samuel Obispo Saavedra 
Misión Peruana del Norte - UPN

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Lição 4 da Escola Sabatina - vídeo do auxiliar

Assista ao vídeo que ensina como aplicar as orientações do Auxiliar do Professor da Escola Sabatina:

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Dores de cabeça em crianças?

É comum encontrar por aí pais que entendem essa queixa como uma desculpa dos filhos para se livrar das aulas. Mas a verdade é que a reclamação, na maioria das vezes, tem fundamento. Uma análise da Sociedade Brasileira de Cefaleia, a SBCe, concluiu que mais de 5 milhões de crianças e adolescentes do país sofrem com dores de cabeça e, pior, 409 mil experimentam, no mínimo, uma sensação de estourar os miolos a cada dois dias. "Esse problema com as crianças não é de hoje, mas sempre foi menosprezado", lamenta o neurologista Marco Antonio Arruda, da SBCe.

Com uma incidência tão alta assim, não é de espantar que várias instituições tenham passado a investir em pesquisas sobre o tema. A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) acompanhou 60 crianças entre 8 e 12 anos de idade durante 24 meses. Elas foram divididas em dois grupos. Um deles reunia quem nunca havia reclamado da chateação. No outro, ficaram os meninos e as meninas que padeciam de enxaqueca, um tipo de cefaleia que vem acompanhado de náuseas e sensibilidade à luz e ao barulho. "Analisamos a performance de todos na sala de aula", conta a neuropediatra e autora do trabalho, Thaís Rodrigues Villa. No segundo grupo, era preciso esperar pelo menos três dias após a última crise para que a pesquisadora pudesse observar a real repercussão do incômodo. "Descobrimos que esses pequenos, até mesmo naqueles dias sem dor nenhuma, apresentavam dificuldades de atenção visual, retenção de memória e velocidade no processamento das informações", completa Thaís.

Estudiosos da Itália, ao saberem dos resultados do trabalho da Unifesp, resolveram replicá-lo e encontraram evidências semelhantes. "O resultado mostra que não se trata de uma característica apenas das crianças brasileiras. As cefaleias prejudicam o desempenho escolar de jovens do mundo todo", revela Thaís. Os italianos chegaram à conclusão de que a garotada que vive com esse peso na cabeça rende 10% menos diante do quadro-negro. Uma possível explicação é que a enxaqueca prejudicaria o padrão de sono e o comportamento infantil. Em tese, ela poderia até favorecer o surgimento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. E, aí, as lições e provas ficam perdidas em meio a esse fogo cruzado.

Se todas essas informações ainda não o convenceram de que dor de cabeça infantil é um problema sério, talvez a estimativa da SBCe mude sua opinião: somadas todas as faltas, são mais de 2,4 milhões de dias letivos perdidos todo ano por causa desse tormento. E, se não bastasse, a intensidade e a frequência do distúrbio aumentam com a idade. Esse fenômeno é pior no grupo das meninas, principalmente entre as adolescentes. "Isso por causa das alterações hormonais que ocorrem nelas", justifica o neurocirurgião Eduardo Barreto, da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia Funcional.

O pai e a mãe geralmente demonstram uma preocupação maior quando o pequeno apresenta crises tão fortes que precisa ser levado ao hospital. Mas não devemos esquecer que qualquer lamento, por mínimo que seja, já é um sinal de encrenca. Em um segundo momento, o estudo da Unifesp mostrou que a maioria dos pais se surpreendeu ao ver que o motivo do queixume não era brincadeira. "Achavam que só adultos podiam sofrer de enxaqueca", explica Thaís. Passado o choque inicial, eles aceitavam o tratamento sem empecilhos, realizado com medicações preventivas para corrigir as alterações químicas do cérebro responsáveis pelos sintomas dolorosos.

E a pesquisa ainda foi além. Os cientistas perceberam que, após sanar as crises que acometiam a meninada, o desempenho escolar se igualava ao dos colegas sem as dores, reforçando a importância de diagnóstico e terapia corretos. Manter um diário de episódios ajuda a identificar o tipo de cefaleia e, assim, auxilia o profissional a decidir a abordagem mais apropriada.

Para um alívio imediato durante os picos de dor na infância, é recomendado que a criança se deite em um ambiente silencioso, escuro e bem ventilado. Caso a cefaleia persista, indicam-se remédios como o ibuprofeno e o paracetamol, sempre com acompanhamento médico.

Mais do que uma sensação dolorosa uma dor intensa que surge de uma hora para outra muitas vezes pode indicar algo mais grave. Quando acompanhada de outros sintomas, como febre, os pais devem entrar em contato com o pediatra e levar a criança para uma boa avaliação. "Pode ser um caso de meningite ou até de hemorragia cerebral", alerta Eduardo Barreto. O mesmo vale para dores frequentes que não vão embora, mesmo após o jovem ter sido medicado. O neurologista é capaz de auxiliar, mas lembre-se de dividir todas as informações com o pediatra. Nessas horas, ambos são fundamentais.

O que evitar:

Frutas cítricas
Chocolates
Leites e derivados
Ovos

O que dá alívio: 

Abóbora
Cerejas
Peras
Brócolis

Incidência do problema:

75,5% reclamam de dores pelo menos 4 vezes por mês
17,9% nunca se queixaram de dor de cabeça
4,1% Sofrem com o problema entre 5 e 9 dias por mês
1,5% Têm dores uma vez a cada dois dias
1% Convive com o distúrbio quase que diariamente

(por Caroline Randmer em Saúde é Vital)

Nota: "Não raro esta intemperança é sentida para logo na forma de dor de cabeça, indigestão e cólica. Sobre o estômago fora posta uma carga da qual ele não pode dar conta, sobrevindo um senso de opressão. A cabeça está pesada, o estômago em rebelião. Mas esses resultados nem sempre se seguem ao comer demasiado. Em alguns casos o estômago fica paralisado. Nenhuma sensação de dor é sentida, mas os órgãos digestivos perdem sua força vital." Ellen White, Conselhos Sobre Regime Alimentar, 101

quarta-feira, 25 de abril de 2012

"Recapitulando com Sucesso" - Lição 4 - Evangelismo e testemunho

Abaixo o vídeo da semana do "Recapitulando com Sucesso". Uma ferramenta para auxiliar o professor da Escola Sabatina:

terça-feira, 24 de abril de 2012

Por que a breve volta de Jesus não é breve?

“No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século?” Mateus 24:3

O capítulo 24 de Mateus relata o diálogo entre Jesus e os discípulos, onde estes lhe perguntam sobre os sinais que antecederiam Sua vinda. Os versos que se seguem relatam os sinais que indicam a proximidade deste evento, e no verso 33 lemos as palavras do próprio Jesus acerca de Sua breve volta: “Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas”.

O apóstolo Paulo, em sua carta aos Filipenses, escreveu: “Sejam amáveis com todos. O Senhor virá logo” (Fp 4:5 - NTLH - Nova Tradução na Linguagem de Hoje). Na carta aos Hebreus, também encontramos outra declaração: “Um pouco mais de tempo, um pouco mesmo, e virá aquele que tem de vir; ele não vai demorar” (10: 37). E ainda em Apocalipse 22, versos 7,12 e 20: “Escutem! — diz Jesus — Eu venho logo! Felizes os que obedecem às palavras proféticas deste livro! Escutem! — diz Jesus — Eu venho logo! Vou trazer comigo as minhas recompensas, para dá-las a cada um de acordo com o que tem feito”. Aquele que dá testemunho de tudo isso diz: — “Certamente venho logo! Amém! Vem, Senhor Jesus!”

Alguns perguntam o porquê de Jesus ainda não ter vindo, se a promessa é de que Ele voltará em breve. 2 Pedro 3:8, 9 responde: “Meus queridos amigos, não esqueçam isto: para o Senhor um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia. O Senhor não demora a fazer o que prometeu, como alguns pensam. Pelo contrário, ele tem paciência com vocês porque não quer que ninguém seja destruído, mas deseja que todos se arrependam dos seus pecados”.

O tempo divino é diferente do nosso, e o desejo de Deus é que todos sejam salvos. Por isso, Ele dá a oportunidade de salvação a todos e espera com amor e paciência por aqueles que ainda não O aceitaram. Este é um dos motivos pelos quais Jesus ainda não voltou. É por causa do amor que Ele sente por você e por mim que está a esperar. Se Ele voltasse hoje, quantos seriam salvos? Estaríamos nós preparados? Hoje é um dia a menos para o Seu breve retorno e uma oportunidade a mais para nos prepararmos!

Que possamos expressar nossa gratidão a Deus, hoje, pelo dom da salvação demonstrando em nosso viver o quanto O amamos! E que o amor de Jesus seja a grande motivação da nossa vida.

Pr. Jair Góes 
Ministerial - UCOB

Esperando o Pai

“Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus.” Apocalipse 22:20


Ainda me lembro da casa pastoral em que morávamos, na cidade de Coaraci, no interior do sul da Bahia. Nas minhas lembranças, ainda me vejo correndo pelos amplos corredores daquela casa, me lembro das cenouras plantadas na horta e do pé de abacateiro que só produziu depois que fomos transferidos.

A casa pastoral de Coaraci ficava em frente a um campo de futebol de terra vermelha batida. Na verdade todas as ruas ao redor da casa eram de terra vermelha (barro). Por isso, após as chuvas, vários pontos de atoleiro se formavam, criando dificuldade de locomoção ao “fusca bala”, nome carinhoso do Volkswagen amarelo. Tivemos o privilégio de tê-lo como o primeiro carro da família. Eu amei muito aquele lugar e tudo o que lhe cercava, como, por exemplo, o rio que ficava próximo. Lembro-me dos banhos ali tomados, muitas vezes pela faltava de água. Lembro-me também do parque florestal onde fazíamos os cultos de pôr-do-sol e dos muitos quintais, com seus pomares e vizinhos queridos.

No distrito de meu pai, havia algumas fazendas de cacau com presença adventista. Sempre que podia, ele nos levava junto. Era um prazer sem igual. Quantas frutas, quanto carinho demonstrado por aqueles irmãos! E a viagem era sempre marcada por muitas brincadeiras, conversas e uma ótima oportunidade de estar com nosso pai.

Meu ânimo sempre diminuía ao saber que no itinerário daquele mês, eu não iria para as fazendas. Mas logo meu ânimo voltava ao lembrar-me das frutas e doces que aqueles amáveis irmãos com certeza nos enviariam e, lógico, do desejo de ter nosso pai conosco. Nosso pai sempre nos curtiu muito, sempre tinha um sorriso no rosto, sempre dava um passeio ou uma caminhada para se aproximar mais da gente e sempre tinha conselhos retirados de suas conversas com Deus. Ele sempre foi um exemplo de homem e pastor que desejo continuar imitando.

Ao viajar para as fazendas, ele não nos informava quando ou a que horas retornaria. Por isso, ficávamos na expectativa. Agora, imagine nosso coração ao esperar o pai. Sabendo de onde ele estava retornando, pensando nos presentes que ele estava trazendo e no amor que ele tinha por nós e nós, por ele. Que esperança! O nosso reencontro era muito aguardado. Nosso desejo era sempre que o tempo fosse veloz e nos trouxesse logo o nosso pai para casa.

Ao recordar daquele tempo, me pego pensando a respeito desse tempo presente e da esperança do retorno do nosso Pai celeste. Sabemos o que o Senhor nos tem preparado por meio do Seu retorno. Sabemos que no Seu itinerário Ele tem a data de retorno e pressa, pois o Seu amor por nós é imenso. Ele virá com inúmeros presentes. Conversaremos face a face com Ele, mataremos nossa saudade e Ele, a dEle. Seremos muito felizes, pois finalmente, estaremos com toda a família reunida.

“[...] Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus” (Ap 22:20).

Pr. Ebenézer do Vale Oliveira –
Distrital em Aquidauana – MAS – UCOB

domingo, 22 de abril de 2012

Resumo da lição número 4 da Escola Sabatina

 
CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT


Título: Evangelismo e Testemunho como Estilo de Vida 

Texto-chave 

“Em Jope havia uma discípula chamada Tabita, que em grego é Dorcas, que se dedicava a praticar boas obras e dar esmolas.” Atos 9:36

Objetivos 

1. Saber que a nossa maneira de viver pode demonstrar aos nossos amigos, familiares, vizinhos e colegas de trabalho o poder de Deus na transformação de vidas.

2. Sentir o desejo de viver em sua vida, a beleza e a bondade de Deus.

3. Demonstrar o amor e a compaixão de Deus pela humanidade no trato com os outros.

Verdade Central 

A obra que o Espírito Santo realiza em nossa vida é compartilhada em nossa maneira de viver, no serviço amoroso e compassivo pelos outros.

Domingo: Sermões silenciosos 

Qual é a importância do amor de Deus na vida do cristão?

 O amor de Deus agindo na vida do ser humano determina o modo pelo qual ele responde a vontade de Deus e afeta a maneira de tratar com os outros.

 A vida do cristão deve ser como uma carta enviada por Jesus Cristo ao mundo. De um coração renovado pela graça divina, essa carta demonstrará o poder do evangelho para transformar vidas e, assim, testemunhará para o Senhor.

Segunda-feira: Compaixão pelas pessoas

Como podemos demonstrar compaixão pelos nossos semelhantes?

 Embora não seja possível ter um contato pessoal com todas as pessoas que vemos diariamente, o desejo de Deus é que todas O recebam em sua vida. Podemos ser parte do plano de Deus para salvar alguém, em algum lugar demonstrando atos de compaixão para com essa pessoa.

 Quando sentimos compaixão pelas pessoas que vivem em torno de nossas igrejas e lares, que em alguns casos chegam aos milhares, mais uma vez sentiremos a necessidade de orar para que o Senhor da seara mande trabalhadores e, possivelmente, também perceberemos nosso potencial como obreiros para o Senhor.

Terça-feira: Calçando os sapatos das pessoas 

Como podemos identificar as necessidades humanas?

 Jesus se identificava com aqueles a quem viera salvar. Ele pode entender nossas lutas e dores, porque Ele também as experimentou (Heb. 4:14,15).

 Ao lermos os evangelhos descobrimos que Jesus não tinha apenas um método de evangelismo e testemunho. Ele alcançava as pessoas no contexto da própria vida delas.

Quarta-feira: Uma vida acolhedora 

Quais as maneiras pelas quais podemos desenvolver mais hospitalidade?

 A ideia da hospitalidade inclui aspectos da aceitação, acolhimento, sinceridade, atenção, generosidade, bondade e amizade.

 O evangelismo da hospitalidade não é ocasional, mas é a nossa maneira de viver.

Quinta-feira: Ampliando seu círculo de amigos 

Qual é a função do cristão no mundo? Como deve ser sua postura e condição espiritual?

 Todos nascemos no mundo. Enquanto estamos aqui, Deus tem um trabalho para fazermos neste lugar. Assim como ocorreu com os seus discípulos, Jesus nos enviou ao mundo para que apresentemos sua promessa de salvação a todos que estiverem ao nosso alcance.

 O desafio para cada um de nós é ampliar de modo planejado o nosso campo pessoal de missão.

Conclusão 

 O estilo de vida que vivemos influenciará as pessoas que vivem ao nosso redor.

 A nossa relação com Deus está relacionada com o tipo de relacionamento que terei com meu próximo.

 Devemos trabalhar e orar em prol dos nossos semelhantes para que conheçam o amor de Deus.

Pr. Luiz Damasceno 
Departamental de Escola Sabatina na Associação Norte Catarinense

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Lição 3 da Escola Sabatina - Vídeo do Auxiliar

A lição da Escola Sabatina da Igreja Adventista é estudada todos os dias e no sábado, no templo, faz-se a recapitulação. Abaixo o vídeo a condução do estudo baseado no auxiliar do professor.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Saudades do pai

“Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros.” João 14:18

Mais do que ninguém, Jesus sabia o que significava ser um órfão. As Suas palavras são simples, porém, de um grande significado, em razão das duas promessas contidas nelas: a primeira consiste em não deixar seus filhos à mercê da própria sorte, mas sob os cuidados do Consolador (João 16:7), e a segunda é que Ele voltaria para os Seus. Exceções à regra, ser órfão significa ser desprovido das necessidades básicas afetivas; significa ser explorado, manipulado e sem direitos. Dentro da normalidade, o maior e mais profundo desejo de um órfão é poder ter de volta o aconchego de seu lar e o afeto dos seus progenitores.

Certa criança, órfã de mãe, ficava sob os cuidados, ou maus tratos, de sua madrasta, enquanto o seu pai se ausentava quinzenalmente para onde trabalhava. Aquela ausência causava-lhe tristeza, pois a presença do seu pai consistia na única garantia de segurança e afeto que ela possuía. Ao se aproximar o dia do retorno do seu pai, a tristeza dava lugar à alegria, e aquela criança, então, postava-se à porta com os seus olhos fitos na direção onde ela sabia que apareceriam os primeiros vultos de seu querido pai. Seu infante coração parecia bater mais forte na expectativa de logo poder abraçar e beijar o seu grande herói.

Ellen G. White declara: “A vinda do Senhor tem sido em todos os séculos a esperança de seus verdadeiros seguidores. A última promessa do Salvador no monte das Oliveiras, de que Ele viria outra vez, iluminou o futuro a seus discípulos encheu-lhes o coração de alegria e esperança que a tristeza não poderiam apagar nem as provações empanar” (O Grande Conflito, p. 302).

Certa vez, Jesus declarou para os discípulos, referindo-se à Sua morte e ressurreição: "Um pouco, e não mais me vereis, outra vez um pouco, e ver-me-eis” (João 16:16). Essas palavras de Jesus podem ser estendidas a nós hoje também. Como diz a estrofe do hino: “... eu já não pude suportar, senti saudades do meu lar... É só um pouco mais, um pouquinho mais, logo irei aí te buscar [...]” (Arautos do Rei, DVD “Escolhido por Jesus”).

O meu desejo é que, durante este dia, essas promessas permaneçam vivas em nosso coração, e que a nossa vida possa destilar esperança na breve volta de Jesus. Amém! “Ora vem, Senhor Jesus!” (Ap 22:20).

Pr. Elison Pereira da Silva
Distrito de Juara- AMT - UCOB

terça-feira, 17 de abril de 2012

Recapitulando com sucesso - Lição 3 - Dons Espirituais

Recapitulando com Sucesso tem o objetivo de ajudar os professores com técnicas de ensino para tornar o estudo nas classes mais dinâmico. Abaixo o vídeo da Líção 3:

A cafeína durante gravidez e amamentação e o sono do Bebê

Um estudo conduzido na Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, concluiu que o consumo de cafeína por gestantes ou mulheres que estão amamentando não interfere no sono dos bebês. Porém, de acordo com os pesquisadores, o consumo deve moderado — em quantidade equivalente a pouco mais de uma xícara de café ao dia. O trabalho foi publicado na edição deste mês da revista Pediatrics.

Estudos menores feitos anteriormente tiveram resultados conflitantes, e alguns sugeriram uma relação entre a cafeína e o aumento do risco de partos prematuros ou abortos. No entanto, segundo os pesquisadores, trabalhos mais extensos não indicaram essa associação e mostraram que cerca de 200 miligramas de cafeína ao dia — aproximadamente de 300 gramas de café, ou pouco mais de uma xícara da bebida — é uma quantidade segura de ser ingerida por grávidas.

Durante esta nova pesquisa, a equipe entrevistou 855 mulheres que haviam acabado de dar à luz e que responderam a perguntas sobre ingestão de cafeína e hábitos de sono de seus bebês de até três meses de vida. Exceto uma participante, todas as demais disseram ter bebido cafeína durante a gravidez, sendo que 20% delas consumiam em grande quantidade (ao menos 300 miligramas ao dia). Pouco mais de 14% dessas mulheres relataram problemas de sono em seus bebês (acordavam ao menos três vezes durante a noite).

Os pesquisadores, no entanto, não encontraram relação significativa entre maior consumo de cafeína e relatos de problemas de sono dos bebês. Para eles, esses resultados acrescentam informações a outros estudos que afirmam que a cafeína, em consumo moderado, é segura durante a gravidez. Eles lembram, no entanto, que isso vale para gestações normais e saudáveis, já que bebês prematuros, por exemplo, podem ser mais sensíveis aos efeitos da cafeína consumida por mulheres que estão amamentando.

CONHEÇA A PESQUISA:

Título original: Maternal Caffeine Consumption and Infant Nighttime Waking: Prospective Cohort Study

Onde foi divulgada: revista Pediatrics

Quem fez: Iná S. Santos, Alicia Matijasevich e Marlos R. Domingues

Instituição: Universidade Federal de Pelotas, Rio Grande do Sul

Dados de amostragem: 855 mulheres que haviam dado à luz há três meses

Resultado: O consumo de cafeína por grávidas ou mulheres que estão amamentando não tem relação significativa com aumento de problemas de sono do bebê. O consumo, no entanto, deve ser moderado e é seguro apenas para uma gravidez normal. (Veja)

Nota: Prefiro ficar com a orientação profética e não ingerir nenhuma quantidade de cafeína. Por isso há muito tempo não faço uso do café, nem tampouco dos refrigerantes de maneira geral. O que antes não era conhecido agora está aparecendo. Deus revelou o que é melhor para a saúde do ser humano em 08 remédios naturais. Um deles é a abstinência de tudo o que faz mal: álcool, drogas, gorduras, alimentos nocivos, cafeína, etc.

"A ação do café, e de muitas outras bebidas populares, é idêntica. O primeiro efeito é estimulante. São excitados os nervos do estômago; estes comunicam irritação ao cérebro, o qual, por sua vez, desperta para transmitir aumento de atividade ao coração, e uma fugaz energia a todo o organismo. Esquece-se a fadiga; parece aumentar a força. Desperta o intelecto, torna-se mais viva a imaginação. Em virtude desses resultados, muitos julgam que seu chá ou café lhes faz grande benefício. Mas é um engano. Chá e café não nutrem o organismo. Seu efeito produz-se antes de haver tempo para ser digerido ou assimilado, e o que parece força não passa de excitação nervosa. Uma vez dissipada a influência do estimulante, abate-se a força não natural, sendo o resultado um grau correspondente de abatimento e fraqueza.

O uso continuado desses irritantes nervosos é seguido de dores de cabeça, insônia, palpitação, indigestão, tremores e muitos outros males, pois eles gastam a força vital. Os nervos fatigados necessitam repouso e sossego em lugar de estimulantes e hiperatividade. A natureza necessita de tempo para recuperar as exaustas energias. Quando suas forças são aguilhoadas pelo uso de estimulantes, conseguir-se-á mais durante algum tempo; mas, à medida que o organismo se enfraquece mediante o uso contínuo, torna-se gradualmente mais difícil erguer as energias ao desejado nível. A exigência de estimulantes se torna cada vez mais difícil de controlar, até que a vontade é vencida, parecendo não haver poder capaz de negar a satisfação do forte apetite contrário à natureza. São exigidos estimulantes mais fortes e ainda mais fortes, até que a natureza exausta já não pode corresponder. "A Ciência do Bom Viver, 326. Pense nisto!

Pr. Evandro Fávero

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Bíblia Sagrada chega a 2539 idiomas

"Para cumprir a missão de ampliar o acesso ao texto bíblico, as sociedades bíblicas de todos os países, bem como outras organizações dedicadas à tradução bíblica, trabalham em parceria com instituições missionárias e tradutores para produzir, a cada ano, Escrituras em idiomas de todos os continentes. Nos dois últimos anos, houve um expressivo avanço nesse trabalho, com a publicação de 30 edições inéditas do texto bíblico, entre as quais sete edições do Novo Testamento e dez da Bíblia completa.

"De acordo com o relatório mundial de tradução de Escrituras, publicado pelas Sociedades Bíblicas Unidas (SBU) a partir de informações coletadas pelo Museu da Bíblia da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) e pelo setor de Bíblias das SBU na Biblioteca da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, até 31 de dezembro de 2011, já foram registradas publicações do texto bíblico em 2.539 diferentes línguas: 1.241 Novos Testamentos, 823 porções bíblicas e 475 Bíblias completas.

“'Esses esforços em traduzir a Palavra de Deus para todos os povos devem ser motivos de agradecimento a Deus. No entanto, é preciso ter em mente que existem mais de 6,9 mil línguas no mundo e, portanto, há ainda inúmeras pessoas que não têm acesso à mensagem e aos valores bíblicos na língua que lhes fala ao coração', avalia Erní Seibert, secretário de Comunicação e Ação Social da SBB e responsável pela elaboração do documento.

"Ranking – O continente africano lidera o número de traduções, com 743 idiomas, seguido pelo asiático, com 618. Nas Américas, já foram realizadas 515 traduções. Os países da Oceania somam 449 traduções e dos da Europa têm 210. Existem ainda três publicações em idiomas construídos, como, por exemplo, o esperanto. O relatório não apresenta apenas registros de traduções realizadas pelas Sociedades Bíblicas Unidas. Ele inclui Escrituras traduzidas e publicadas por diversas organizações. O objetivo é apresentar um panorama mundial do trabalho que tem sido realizado pela difusão da mensagem bíblica. Além das publicações em primeira edição, o relatório mostra também o crescimento, ano a ano, das revisões e novas edições, o que denota o esforço empreendido pelas organizações envolvidas de constante atualização da linguagem e melhoria das publicações.

"No biênio 2010/2011, entre as 30 publicações em línguas que ainda não haviam recebido traduções da Bíblia, destacam-se as seis publicações realizadas em idiomas da Índia, incluindo quatro Novos Testamentos e uma Bíblia completa. O Brasil também obteve resultados expressivos com o registro de três novas publicações. Ainda na América do Sul, foram lançadas novas obras na Colômbia e no Equador.

"No Brasil, onde são falados mais de 185 idiomas por cerca de 200 diferentes grupos étnicos, entre indígenas e descendentes de imigrantes, a SBB apoia as iniciativas de organizações cristãs especializadas em tradução do texto bíblico e, nos últimos dez anos, esse trabalho se intensificou, gerando vários lançamentos. Entre 2010 e 2011, foram publicadas obras em três idiomas pela primeira vez: Nadëb, Parakanã e Tembé. (UCB - com Informações da Assessoria de Imprensa da SCB)

Nota: Publicar a Bíblia em todos os idiomas é um grande projeto. Ler a Bíblia todos os dias é uma grande necessidade. Estudá-la profundamente é essencial. (João 8:32; 17:17: 5:39: Salmo 119:105: II Tim. 3:14-17). Pergunto: Você já leu sua Bíblia hoje?

Pr. Evandro Fávero

domingo, 15 de abril de 2012

Resumo da lição número 3 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: Dons Espirituais para Evangelizar e Testemunhar

Texto-chave

“E Ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado.” Efésios 4:11,12

Objetivos

1. Demonstrar que o Cristão é capacitado pelo Espírito Santo para o serviço.

2. Ajudar os alunos da Escola Sabatina a descobrirem os seus dons.

3. Lembrar que ao receber um dom também estamos recebendo uma responsabilidade.

Verdade Central

“Os dons espirituais são atributos especiais concedidos a cada membro da igreja e devem ser usados para a glória de Deus e a salvação das pessoas”

Domingo: Cristãos habilitados

O Espírito Santo não converte ninguém para viver de maneira isolada. Somos levados a fazer parte de uma famíla, a qual damos o nome de Igreja. Nela, existem pessoas com as mais variadas histórias de vida, bagagem cultural, conhecimento e áreas de interesse. Porém, todos devem ter o mesmo foco: ajudar a obra de Deus a expandir.

 O texto de 1 Coríntios 12:11 revela que a concessão dos dons espirituais aos crentes é uma parte da obra do Espírito Santo de habilitar os santos para toda boa obra (ver também Ef. 2:10).

 Em Efésios 4:12 é nos dito que os dons foram dados para o aperfeiçoamento (gr. Katartismos). Tal palavra só aparece aqui no Novo Testamento, mas na literatura grega antiga, esse termo era usado constantemente na medicina para se referir ao conserto de um osso quebrado. Ou seja, nós, o corpo de Cristo, estamos sendo consertados para alcançarmos o ideal proposto por Deus.

 No mesmo texto encontramos uma segunda motivação para o oferecimento dos dons: a edificação, que tem a ideia da construção de um edifício. Os dons foram dados para o desenvolvimento dos santos. Deus não tem interesse numa igreja que não se desenvolve, onde todos estão apáticos pela dor de um osso quebrado. Ele quer consertá-la e desenvolve-la e por isso concedeu dons a ela.

Segunda-feira: O Espírito e Seus dons

Dou o devido valor a todos os dons concedidos pelo Espírito, ou exalto alguns e desprezo outros?

 Há um grande risco de valorizarmos cada vez mais pastores e evangelistas de renome televisivo e esquecermos que o diretor de ministério pessoal daquela pequenina igreja com pouco mais de 15 membros tem um dom tão importante quanto daquele. Embora tais pregadores tenham um alcance maior em sua mensagem, é o mesmo Espírito que opera nele e no outro.

 Ser convidado para participar de um departamento não é o mesmo que ser chamado pelo Espírito de Deus para desempenhar uma função. Muitas vezes, esse tipo de convite vem mais de um coração aflito para preencher uma vaga na igreja do que uma mensagem direta do Espírito Santo para usar a tal pessoal. Nenhum convite – e eu repito – nenhum convite deve ser aceito sem a prévia aprovação do Espírito Santo através de uma fervorosa oração e meditação na Palavra de Deus.

Terça-feira: Descobrindo nossos dons

O Novo Testamento apresenta quatro listas de dons espirituais: Rm. 12:6-8; I Co. 12:8-10, 28-30; Ef. 4:11-12. 1 Coríntios 12 é um dos principais capítulos, senão o principal, a tratar sobre o assunto.

 Um detalhe importante que pode ser percebido na leitura de todo capítulo 12 é que nos versos 1-11, vemos uma constante ênfase na expressão “um Espírito”, e a partir dos versos 12-31 uma repetição da idéia de “um só corpo”. Ou seja, há uma íntima relação entre o Espírito Santo e a Sua comunidade! Nas palavras de Ellen White: “Estes dons já são nossos em Cristo, mas a posse real depende de nossa recepção do Espírito de Deus” (Parábolas de Jesus, p. 397).

 Além disto, há outro que nos chama a atenção nesta seção da epístola. No verso 7 lemos que o crente recebe o seu dom não para uso pessoal, mas “para utilidade de todos”. Nenhum dom é dado apenas para desenvolvimento particular, pelo contrário, coletivo.

 Quando foi a última vez que você orou a Deus pedindo para que Ele lhe mostrasse em qual ministério Ele deseja que você atue na igreja?

Quarta-feira: Outros dons

Vivemos em uma sociedade marcada pela competitividade no mercado de trabalho. Homens e mulheres vivem em busca do sucesso e estão dispostos a fazer qualquer coisa, às vezes tudo, para alcançar o topo da escada do sucesso. Esse tipo de comportamento não combina com a igreja de Cristo. Não há espaço para exaltação e muito menos para estratégias que manipulem os responsáveis pela nomeação de líderes na igreja. Ao contrário do que o mundo ensina, no Corpo de Cristo, muitas vezes somos chamados para um trabalho anônimo.

 Algumas atividades na igreja são muitas vezes feitas nos bastidores. O trabalho dos diáconos e diaconisas, por exemplo, é um deles. A instituição deste ministério (At. 6) visava deixar os apóstolos livres de determinadas preocupações para se dedicarem totalmente a pregação do evangelho. Apesar de ser uma função discreta, ninguém seria ousado o bastante para sugerir que tratava-se de uma função desnecessária para a igreja daquela época.

 Martinho Lutero começou as suas 95 teses da justificação pela fé com a frase: “Por amor e preocupação com a verdade as seguintes teses serão debatidas...”. Lutero não as escreveu com o objetivo de exaltação própria, mas única e exclusivamente para a Glória de Deus. Johann Sebatian Bach, o famoso compositor, costumava escrever no alto de cada uma de suas composições: Soli Deo Gloria, que em latim significa, Somente para a Glória de Deus.

 Essa deve ser nossa maior motivação. Independente do ministério, independente dos aplausos humanos, a glória de Deus deve ser sempre nossa principal motivação.

Quinta-feira: Dons e responsabilidade cristã

A parábola dos talentos de Mateus 25 ilustra muito bem a responsabilidade cristã quanto aos dons. Enquanto os dois primeiros funcionários usaram o talento – uma medida de peso na Palestina do 1º século d.C. – o terceiro achou que apenas um talento não teria importância e por isso não fez nada com ele. Quem sabe este também seja o erro de muitos cristãos hoje. Achar que suas habilidades são tão simples que serão insignificantes para o corpo de Cristo. Nada mais falso do que isto!

 É comum para o apóstolo Paulo comparar a igreja ao corpo de Cristo. Em um corpo, como ele mesmo argumenta em 1 Coríntios 12, existem várias partes com diferentes funções. Todos os órgãos e membros tem suas funções e se alguns deles não exercê-las, a complicações médicas são inevitáveis. Por muitos anos falava-se a respeito dos orgãos vestigiais, supostamente aqueles que não tinham valor nenhum em nosso corpo. Hoje esta ideia já esta abandonada. O mesmo é verdade para a igreja. Todos tem um papel a desempenhar.

 I Timóteo 4:14, Paulo pede para Timóteo não ser negligente ou descuidado com o dom que foi dado a ele. Será que isto também não é uma advertência a nós?

Conclusão

1. Os dons foram concedidos para que a obra de Deus seja levada adiante.

2. Devo aceitar funções na igreja após a aprovação do Espírito Santo através da oração e da reflexão na Palavra de Deus.

3. Qualquer atividade que você vier a desempenhar na igreja, faça para a Glória de Deus.

4. “Não despreze o dom que está em ti”, 1 Tm. 4:14.

Pr. Luiz Gustavo Assis
Pastor do Distrito de Sarandi/RS, pertencente à Associação Central Sul Rio-grandense

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Esperança em meio ao sofrimento

“O Senhor perdoa todos os meus pecados e cura todas as minhas doenças.” Salmo 103:3 (NTLH)

O início do ano 2009 parecia ser mais um ano no qual a vida transcorreria normalmente, sem surpresas. No período de férias, levei minha família para fazer alguns exames de rotina. O endocrinologista detectou em minha filha Cristiane algo que lhe chamou a atenção e nos pediu que realizássemos exames mais detalhados em sua tireoide. Ficamos preocupados e procuramos fazer imediatamente tudo o que era possível, pois logo ela retornaria para a faculdade - UNASP. Não foi possível fazer todos os exames, e alguns ficaram para ser realizados em São Paulo.

Agora, à distância, nós em Rio Verde–GO, e ela com sua irmã em São Paulo capital, aprenderíamos mês a mês a conviver com esse nódulo estranho que se infiltrava em nossa família sem pedir licença ou permissão. Após todos os exames realizados, verificou-se a presença de um nódulo cístico medindo 2,4 cm e volume de 4,47 cm³. Numa punção a que ela foi submetida, constatou-se que havia células atípicas e suspeitou-se ser um nódulo maligno. Portanto, uma intervenção cirúrgica seria necessária.

Aguardamos as férias de julho para realizar o procedimento, mas aquele primeiro semestre do ano parecia querer não passar, e as preocupações aumentavam dia a dia.

Marcou-se o dia da cirurgia, e o médico disse que não seria removida toda a tireoide, mas, sim cerca de um terço para que outros exames pudessem lhe dar condições do que fazer posteriormente. A nossa preocupação aumentou. Porém, procurávamos ser o mais confiantes possível para encorajá-la e fortalecê-la nesse momento difícil. Pedimos orações dos parentes, irmãos da igreja, pastores e amigos. Recebemos muito apoio, e a esperança de que Deus estava no controle nos fortalecia. Quando a deixamos na porta do centro cirúrgico, ela disse para sua irmã Patrícia: “Não precisa chorar, maninha. Eu volto logo”. Eu e minha esposa pudemos ver naquele momento o quanto Deus havia preparado nossa filha para a cirurgia.

A operação foi um sucesso. Durante a cirurgia, quando o médico visualizou a tireóide, pôde ver que o nódulo não era maligno e retirou somente a parte direita afetada. Mesmo assim, por precaução, o material foi enviado para análise. Ela teve uma excelente recuperação. No dia de retirar os pontos, dentre os pacientes operados no mesmo período, ela era a que estava melhor. Foi tudo um milagre. Mas agora faltava a última notícia para tranquilizar nossos corações: era saber se realmente o nódulo era benigno. Quando o médico nos apresentou o laudo, sentimos naquele momento que podem, sim, ocorrer milagres para aumentar ou diminuir a nossa fé. Depende de como temos esperança em nosso Deus. Não somente nas respostas favoráveis, mas, ainda em respostas nas quais não entendemos o seu propósito. O laudo foi positivo. O tumor era benigno, e nossa filha estava bem.

Querido leitor, ao sair para suas atividades deste dia, lembre-se: “Breve Jesus voltará”. No novo Céu e na Nova Terra, “não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor...” (Ap 21:4). O nosso Deus é o Deus da Esperança. Em Seu Filho Jesus, temos vida e salvação, e sempre podemos confiar nEle.

Pr. Luis Alberto P. Loli
Associação Brasil Central - UCOB

Lição 2 da Escola Sabatina - vídeo do Auxiliar

Assista ao vídeo que ensina como aplicar as orientações do Auxiliar do Professor da Escola Sabatina:

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Deus se inclina?

“Esperei confiantemente pelo Senhor; ele Se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro.” Salmo 40:1

Era meu primeiro distrito. Cheio de entusiasmo, eu não negava uma boa resposta, não importando a idade de quem perguntasse, ou mesmo o assunto. Numa tarde, um idoso senhor me parou e disse: “Pastor, vocês deveriam tirar aquele hino da liturgia da igreja. Quem disse que Deus Se inclina perante o homem? Isso é um absurdo!”

Ele estava preocupado. Não concebia a ideia de que Deus pudesse se inclinar. O hino ao qual ele se referia é uma pós-oração que pede para que Deus Se incline para nos ouvir (Hinário Adventista, nº 594).

Rapidamente lhe respondi, perguntando se nunca lera a Bíblia. Por aqueles dias eu havia lido o texto de hoje, então estava com a resposta na ponta da língua. Cheio de razão, disse ao irmão que o hino estava correto, pois era bíblico. Mas não soube como lhe responder adequadamente naquele momento.

Sua indagação me fez meditar sobre o assunto. Enquanto lia sobre a maneira ideal de conversar com crianças, pude compreender o texto e a música. Para que você consiga o respeito e a atenção de uma criança, precisa abaixar-se à altura dela.

Quando você conversa olhando de cima, está dando ordens em um nível superior, e a criança obedece por medo, e não por respeito. Quando olha de baixo, acaba dando autoridade à criança. Mas, quando se abaixa e fala olhando em seus olhos, ela se sente compreendida. Por isso, Deus se inclina, para olhar você nos olhos, para que você entenda que Ele o compreende.

Quando Jesus entrou neste planeta para salvá-lo, tornou esse verso real. Deus Se inclinou à forma humana, para que nós tivéssemos certeza de que Ele nos compreende. Seus pés ficaram empoeirados. Sua garganta secou. Seu coração sentiu a dor da traição e da incerteza.

Por tudo isso, Ele é o mais interessado em regressar a este mundo. Também sabe o quanto você precisa experimentar a felicidade junto ao Pai. Está ansioso para buscá-lo deste mundo, pois conheceu as mazelas humanas e não pretende deixá-lo sozinho aqui. Todas as vezes que você cantar pedindo para que Deus Se incline para ouvi-lo, lembre-se: Ele sabe o que você está passando e quer livrá-lo deste mundo. Como diz o hino do Hinário Adventista:

Ouve-nos, Senhor,
Santo Salvador;
Inclina-Te a ouvir
E dá-nos Tua paz. Amém.

Pr. Denison Silva Cavalcante
Associação Brasil Central - UCOB

Recapitulando com sucesso - Lição 2

Recapitulando com Sucesso tem o objetivo de ajudar os professores com Técnicas de Ensino para tornar dinâmico o estudo nas classes. Assista ao vídeo da Líção 2:

terça-feira, 10 de abril de 2012

Uma foto especial

“Porque assim como o relâmpago sai do oriente se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do filho do homem.” Mateus 24:27

Como é bom quando conseguimos tirar uma foto em que conseguimos ver uma imagem limpa, bonita e com detalhes tão intensos, que palavras não são necessárias para descrever sua beleza e significado. Algum tempo atrás, um rapaz fascinado por fotografias decidiu tirar a foto de um relâmpago. Imagine que tarefa difícil! Como saber exatamente o momento certo? Então, em um dia que as características indicavam um momento propício para a foto, ele pegou sua máquina, um tripé e foi para o alto de um morro, onde estava concentrado e ansioso só de pensar como ficaria a foto.

Acredito que nesse momento você que está lendo essa meditação deve ter lembrado de uma foto que marcou sua vida, assim como tenho bem claro em minha mente o dia em que consegui fotografar um arco-íris enorme que cruzava o céu e o tornava um espetáculo da natureza.

Quando a Bíblia descreve o retorno de Jesus se referindo a um relâmpago traz consigo a noção de que realmente, assim como nesse efeito da natureza, todas as pessoas verão a volta de Jesus. Sem contar, é claro, com o fator inesperado, já que não se sabe exatamente quando vai aparecer. Tudo o que sabemos da volta Jesus é que será um acontecimento marcante, inesquecível para a humanidade.

Embora fique uma foto impressionante, o relâmpago chega a ser assustador quando não estamos em local seguro. Temos medo do que pode acontecer caso um raio venha em seguida e cause um transtorno irreparável. Com a volta de Jesus, talvez aconteça a mesma coisa, pois começamos a ver os sinais que antecedem seu retorno e isso pode nos amedrontar se estivermos em local inseguro, ou seja, fazendo o que é contrário aos planos de Deus.

Como é bom imaginar que a 2ª vinda de Jesus será a imagem mais marcante que nossos olhos poderão contemplar! Que maravilha saber que o que virá depois é “a eternidade”. Ah! Está lembrado do rapaz que almejava tirar a foto de um relâmpago? Pois bem, depois de várias tentativas, ele conseguiu alcançar seu objetivo: a foto ficou espetacular. O que tenho a lhe dizer hoje é que pra que esse moço conseguisse tirar a foto, ele teve que se preparar para aquela tarefa. Ele foi ao lugar certo e finalmente esperou alerta, até o momento adequado.

Vamos nos preparar para o retorno de Jesus. Nesse momento, vamos nos colocar aos pés de Cristo e aguardar vigilantes até a gloriosa vinda de Jesus.

Pr. Deivis Teixeira
Associação Mato-Grossense - UCOB

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Os perigos do açúcar

"Robert Lustig é um médico americano da Universidade da Califórnia (San Francisco, EUA), especialista em obesidade. Recentemente, ele tem promovido uma campanha para que haja leis restritivas de consumo de açúcar semelhantes às existentes para o álcool e tabaco, o que limitaria especialmente o acesso das crianças a produtos açucarados. Será que existe motivo para tanta preocupação?

"O endocrinologista, que lançou um vídeo no Youtube no qual fala sobre o assunto (que já ultrapassou 2 milhões de visualizações), cita como exemplo uma série de doenças. Ele defende que o número de problemas de saúde como pressão alta, doenças do coração e vícios alimentares eram muito menores há 30 anos, e o responsável pelo salto nos índices foi o açúcar.

"Como exemplo, o médico cita diabetes. Em 2011, havia 366 milhões de diabéticos no mundo (o equivalente a 5% da população), mais do que o dobro em 1980. Mais ou menos nessa época, o mundo começou a se preocupar e eliminar a quantidade excessiva de gordura na alimentação. Mas ninguém sabia que alguns lipídios são bons para o organismo: a ordem era cortar o máximo de gordura possível.

"De lá para cá, fomos substituindo a gordura por açúcar. No Reino Unido, por exemplo, os índices são alarmantes: desde 1990, o consumo de açúcar cresceu 35%. Entre as crianças, a ingestão de glicose representa 17% do total de calorias diárias. Como é que chegamos a esse ponto?

"A resposta do médico americano está nos produtos industrializados. Nos últimos anos, conforme ele explica, todos já sabem que açúcar em excesso pode fazer mal. Por isso, substituímos o açucareiro pelo adoçante, por exemplo, e tentamos cortar o açúcar dos alimentos que nós mesmos preparamos.

"O problema é que o “açúcar invisível”, já embutido no alimento que vem da fábrica, atinge uma quantidade cada vez maior de produtos. Se você examinar o rótulo dos produtos que colocou em seu carrinho de supermercado, vai descobrir que existe açúcar em coisas que você nem imaginava.

"Muitas pessoas engordam, por exemplo, porque o açúcar é um inibidor natural da leptina, o hormônio através do qual o estômago diz ao corpo que “já está bom, pode parar de comer”. Algo como uma trava natural. Este e outros efeitos nocivos indiretos à saúde por parte do açúcar também são objeto de estudo do endocrinologista americano.

"O caminho para a restrição de tais produtos, conforme o próprio Robert Lustig afirma, é complicado. A indústria alimentícia resiste às tentativas de baixar os índices de açúcar nos produtos por que acreditam – provavelmente com razão – que o consumo vai cair significativamente se os alimentos nas formas em que as pessoas estão acostumadas mudarem. A vontade de mudar, dessa forma, deve partir primeiramente do consumidor. (HypeScience)

Nota: Já que a vontade de mudar deve partir do consumidor, experimente alimentar-se mais de alimentos saudáveis e ingerir, assim, menos alimentos industrializados e, também, menos açúcar. "Em geral, usa-se demasiado açúcar no alimento. Bolos, pudins, massas folhadas, geléias e doces são causa ativa de má digestão. Especialmente nocivos são os cremes e pudins em que o leite, ovos e açúcar são os principais elementos. Deve-se evitar o uso abundante de leite e açúcar juntos." (Ellen White, A Ciência do Bom Viver, 391) além disso o "açúcar não é bom para o estômago. Causa fermentação, e isto obscurece o cérebro e ocasiona mau humor." (Idem, Mente Caráter e Personalidade, v. 2, 618). Pense nisto! - Pr. Evandro Fávero

domingo, 8 de abril de 2012

Resumo da lição número 2 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: O Ministério de Cada Cristão

Texto-chave

“Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz.” I Pedro 2:9

Objetivos

1. Saber o que é preciso para ter um relacionamento crescente e pessoal com Deus e como podemos compartilhar essa experiência.

2. Sentir o encorajamento e alegria que surgem do ato de colaborar com o Espírito Santo e com o corpo da igreja, demonstrando vontade de servir.

3. Motivar o aluno a trabalhar para alcançar os objetivos comuns do corpo de Cristo, sendo companheiro de trabalho nos campos da seara.

Verdade Central

Como membros do corpo de Cristo, cada um tem um ministério pessoal em partilhar o que Ele fez por nós, bem como a responsabilidade diante de todo o corpo da igreja de cooperar com a obra local e mundial.

Domingo: O ministério de cada cristão

Muitos pensam que o ministério é somente “coisa pra pastor”. Que evidências bíblicas há de que não é assim?
 Paulo diz claramente que a pessoa que foi reconciliada com Deus tem, a partir da reconciliação, a missão de ser um embaixador em nome de Cristo, levando essa mensagem a outros (2Co 5:15-20).

 Nos tempos apostólicos, onde quer que fossem e em quaisquer circunstâncias, os cristãos pregavam sobre o Senhor Jesus (At 8:1-4).

 Jesus disse que seu ministério consistia em servir (Mt 20:28, Lc 22:27) e que seus seguidores também devem ser servos (Mt 23:11 20:26,27). Isso nada mais é que um ministério.

Segunda-feira: A necessidade de trabalhadores

Por que há tanta necessidade de pessoas que trabalhem na obra do Senhor?

 No reino espiritual, diferente do mundo agrícola, não existe um tempo certo de colher. Todo dia é tempo para colher. Sempre haverá pessoas prontas para aceitar a Jesus (Jo 4:35-41).

 II Pe 3:9 diz que Deus não quer que ninguém se perca. Por isso é preciso mais trabalhadores na missão de proclamar a mensagem a todos.

Terça-feira: Individualidade e unidade

Embora Deus se relacione conosco como indivíduos, qual a importância do trabalho coletivo e da unidade da igreja?

 Paulo usa a metáfora do corpo para mostrar que a igreja cresce e se desenvolve quando todos fazem sua parte (Ef 4:16).

 A igreja em Tessalônica é um exemplo de cristãos que receberam o Evangelho e o transmitiram. A fim de que a mensagem avance, são precisos esforços individuais, de cada crente, mas também são necessários objetivos e estratégias comuns. Precisamos caminhar juntos na mesma direção. Deve haver trabalho em equipe.

Quarta-feira: Juntos no trabalho, unidos com Deus

Qual a importância de se trabalhar “de mãos dadas” com Deus, ou seja, numa parceria divino-humana?

 Deus é o maior interessado na salvação das pessoas. Ao trabalharmos pela salvação dos outros, não podemos esperar sucesso sem Deus. Os resultados dependem dEle (At 2.41, 47). Assim, quem evangeliza precisa de uma comunhão íntima com Deus.

 É a graça e o amor de Deus que nos motivam, “nos constrangem” a cooperar com Ele na pregação do Evangelho.

 A fim de que nosso trabalho tenha êxito, precisamos do auxílio indispensável e do poder do Espírito Santo.

Quinta-feira: Relatando à igreja

Por que um “relatório” sobre o que tem sido feito na pregação do Evangelho é tão importante?

 Apresentar à igreja um relatório sobre as atividades de testemunho e evangelismo cria uma atmosfera de encorajamento e bênção. Os que relatam podem receber o incentivo dos membros da igreja e os que ouvem os relatos são abençoados ao perceber o que Deus está realizando por meio de Seu povo.

 O evangelismo não deve, via de regra, acontecer de maneira casual, mas deve ser produto de uma ação intencional da igreja, de esforços planejados e metas perseguidas. A igreja deve ter um plano de ação para alcançar os perdidos. Feito isso, os relatórios devem ser apresentados para mostrar a glória de Deus e os resultados que, por Seu poder, têm sido alcançados.

Conclusão

1. Muitos pensam que o ministério é privilégio apenas dos pastores e líderes, mas a Bíblia é clara ao estabelecer o “sacerdócio de todos os crentes”.

2. Para o sucesso na proclamação da mensagem precisamos de esforços individuais e, ao mesmo tempo, coletivos, contando, acima de tudo, com a cooperação e supervisão divinas.

3. Devemos fazer nossa parte, trabalhando com metas e propósitos bem definidos e, ao atingí-los, devemos relatar as maravilhas do Senhor para encorajar a outros e a nós mesmos.

Pr. Eduardo Rueda Neto
Capelão do Colégio Adventista de Boa Vista em Curitiba/PR, pertencente à Associação Central Paranaense

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Lição 1 da Escola Sabatina - vídeo do Auxiliar

Abaixo o vídeo que aplica a primeira lição da Escola Sabatina com as orientações do Auxiliar do Professor.

terça-feira, 3 de abril de 2012

A esperança da vitória

“E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória.” 1 Coríntios 15:54

O verso de hoje nos transporta ao cenário do evangelho da salvação, “apoiado inteiramente no que Cristo realizou por nós através de Sua morte e ressurreição”, quebrando o poder do pecado e da morte, libertando-nos do poder do mal, do medo e da escravidão (Lições ES, IV trim. 2011, p. 19).

Quando cursava o segundo ano de teologia, recebi a notícia de que minha mãe estava com um câncer, já em fase terminal. Nas férias do meio do ano não fui colportar (vender livros). Fui para casa para estar com minha família. Era 24 de julho de 1994, um domingo frio, então fui à casa de um amigo. Retornei à minha casa por volta das 17 horas e encontrei-a nas mãos da enfermeira dando seus últimos suspiros.

Costumo dizer que minha mãe não morreu. Apenas descansou nos braços poderosos do Senhor. Ela era uma mulher incansável e fiel, dedicada ao Senhor e exímia professora. Todos os dias, ela iniciava as atividades escolares estudando a Bíblia com os alunos, e, como resultado, muitos se entregaram ao Senhor.

Quando minha mãe morreu e foi sepultada ela estava destruída pelo câncer, mas quando Jesus voltar, vai ressuscitá-la. E em outro verso, a Bíblia nos garante: será ressuscitada incorruptível e imortal, com um corpo glorioso para ver a Jesus. Essa é a esperança. Essa é a vitória garantida por Cristo. Esperar o desfecho da história e no final experimentar a vitória que só os que esperam em Cristo receberão.

“A voz que bradou da cruz: "Está consumado" (João 19:30), foi ouvida entre os mortos. [...] Assim será quando a voz de Cristo for ouvida do céu. Ela penetrará as sepulturas e abrirá os túmulos, e os mortos em Cristo ressurgirão. [...] todos os queridos mortos Lhe ouvirão a voz, saindo para uma vida gloriosa, imortal. O mesmo poder que levantou a Cristo dentre os mortos, erguerá Sua igreja, glorificando-a com Ele” (O Desejado de Todas as Nações, p. 787).

As lutas são grandes, mas o ponto final dessa história já está na mão do nosso Senhor, e Ele dirá: Está consumado! O pecado não mais existirá, a morte será tragada e a Sua vitória será nossa, eternamente!

Pr Evaldino José Almeida Ramos Missão do Tocantins – UCOB

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Introdução da lição da Escola Sabatina - Vídeo do Auxiliar do Professor

O auxiliar da Lição da Escola Sabatina visa ajudar com subsídios práticos para a organização do estudo da lição.

Ele está dividido da seguinte forma

I. MOTIVACAO
- Porque será que os filhos acabam se parecendo muito com seus pais?
- Parecidos na voz, na forma de caminhar, gestos, em fim.
- Por quê?
- Porque vivem juntos, caminham juntos, comem juntos, brincam juntos, é a convivência diária.
- Ao final terminam imitando os pais.

II. COMPREENSÃO
1. O que é evangelismo

Para entender o evangelismo temos primeiro que entender o que é o Evangelho.
• Evangelho é Boas Novas de Salvação, e isto foi encarnado em Jesus. (Mat. 1:21)
• Evangelista é quem tem o Evangelho no coração e o partilha.
• Evangelismo é o processo de tornar discípulo uma pessoa. (Mat. 28:19,20)

2. O que é testemunho
A. É a experiência pessoal partilhada, (Mc 5:19)
B. É parte fundamental do Evangelismo.
C. É espontâneo, pode surgir em qualquer lugar, momento e com qualquer pessoa.
D. Curto prazo

Conclusão: Ambos são componentes vitais no processo geral.

III. APLICAÇÃO

0. O testemunho é resultado de uma vida de íntima comunhão com Deus.
1. O testemunho para nós tem que ser natural espontâneo e permanente.
2. Os métodos de evangelismo que a igreja pratica e promove são conhecidos como as frentes missionárias: Duplas missionárias, classes Bíblicas, Recepção, evangelismo público, oração intercessora, distribuição de literatura, Grupos Pequenos, como base.

IV. CRIATIVIDADE

Ideias Criativas para por em prática a lição:

0. O professor pode mencionar as frentes missionárias e perguntar em quais dessas frentes está participando e em qual frente gostaria de participar.
1. Anotar numa folha e entregar ao diretor missionário

Assista o vídeo sobre o assunto:

domingo, 1 de abril de 2012

Resumo da lição número 1 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: Definindo Evangelismo e Testemunho

Texto chave

“Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos". Mateus 28:19-20

Objetivos

1. Mostrar que, ainda que os dois termos estejam intimamente ligados, há uma sensível diferença entre eles;

2. Motivar cada membro a ser um testemunho vivo, pois muitos lerão a Bíblia em nós;

3. Estimular o conhecimento teórico, para que quando necessário, possamos dar razão daquilo que cremos.

Verdade Central

A razão de existirmos como igreja está na mensagem que pregamos. Não há como dissociar nossa existência da Grande Comissão. Compete ao povo adventista, o privilégio e também a responsabilidade de proclamar o Evangelho Eterno. Vivemos num mundo multicultural, onde os meios de se levar a mensagem devem ser contextualizados, mas a mensagem tem ser mantida a mesma onde quer que ela chegue.

Domingo: O que é evangelismo?

“Um evangelismo, nos moldes que conhecemos hoje, deve ser um evento pontual e realizado apenas pelo pastor da igreja ou por uma equipe designada pelo campo. Pois estes, o pastor e a equipe, têm o conhecimento teórico necessário.” Quais as implicações deste pensamento?

 Este evangelismo deve ser realizado somente por evangelistas “profissionais”?

 O conhecimento teórico da verdade é tão importante a ponto de tornar o conhecimento prático secundário?

 Como pode o membro da igreja ajudar na prática evangelística?

Segunda-feira: O que é testemunho?

“O que me chamou a atenção naquela igreja foi a forma amável dos membros se relacionarem, aquela é realmente uma comunidade de amor” “Como ele vive, soa tão alto que não consigo ouvir o que ele fala”.

 Apesar da importância das nossas ações, quem devemos evidenciar não é nós a mesmos, mas Aquele a quem servimos.

 A promessa que Jesus fez de estar sempre estar conosco, foi feita no contexto da Grande Comissão (Mateus 28: 19 e 20). “Se pensássemos e falássemos mais em Jesus, e menos em nós mesmos teríamos muito mais de Sua presença.” CC, 102

 Não há como ser testemunha de Cristo sem o recebimento do dom do Espírito Santo. Em Atos 1: 8 é-nos dito: “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas...” A conjunção “e” subordina uma frase à outra.

Terça-feira: Evidência bíblica

Quando Paulo esteve em uma sinagoga em Antioquia da Pisídia, num sábado, ele ministrou um verdadeiro e completo estudo bíblico (Atos 13: 16 – 41). Ele partiu do Êxodo até chegar em Jesus crucificado e ressurreto. O próprio Jesus usou esse princípio quando esteve com dois de Seus discípulos no caminho de Emaús (Lucas 24: 27 e 44).

 Paulo deu evidências bíblicas de que aquilo que falava não provinha de sua imaginação ou vontade.

 Em outra ocasião (Atos 17: 16 - 34), Paulo usou a lógica humana para tentar alcançar aos atenienses, mas alcançou pouco resultado. A partir de então, decidiu não mais usar outro artifício, senão pregar sobre a pessoa de Cristo (1 Co 2: 1 e 2).

 Paulo começou seu discurso prendendo a atenção dos judeus. Ele partiu do conhecido para o desconhecido.

Quarta-feira: Contando nossa história

Existem muitas evidências da existência de Deus. A natureza em sua rica variedade de espécies, a complexidade do DNA, o complexo funcionamento dos órgãos de um ser humano, estas e outras mais, são evidências de que há um Ser inteligente por trás de sua concepção. Mas nenhuma evidência é maior do que a de uma vida transforma por Seu amor.

 Paulo seguiu uma sequência lógica quando deu testemunho daquilo que Jesus fez em sua vida. Relatou sua vida antes de conhecer Jesus (Atos 22: 3-5); descreveu a forma como entrou em contato com o Salvador (Atos 22: 6-16) e por fim testemunhou da mudança operada nele (22: 17-21).

 A autoridade que Jesus tinha não estava baseada no fato dEle ser Deus, mesmo porque, aqueles que se espantavam com a Sua autoridade, não sabiam que Ele era Deus (Lucas 4: 36). Está, antes, baseada em Sua vida vivida ao extremo. Certa vez alguém disse: “Palavras comovem, mas vidas transformadas arrastam”.

Quinta-feira: Nossa descrição de trabalho

Não existe uma fórmula patenteada para a prática evangelística. Cada região, com sua cultura exige meios variados de se proclamar a verdade. “Têm de fazer uso de todos os meios que possam ser planejados para fazer com que a verdade sobressaia clara e distintamente.” OE, 345 e 346. (grifo nosso)

 João Batista, no Novo Testamento, foi o primeiro a pregar sobre o arrependimento e o reino dos Céus (Mateus 3: 2); logo depois o próprio Jesus passou a fazer isto (Mateus 4: 17) e em seguida vieram os discípulos que tinham em sua mensagem o mesmo teor da mensagem de João Batista e de Jesus (Mateus 10: 7 e DTN 350).

 Os mensageiros, durante toda a era cristã mudaram. Alguns vieram e passaram; muitos outros com certeza virão. Mas uma coisa é certa, a mensagem nunca mudou.

Conclusão

1. Evangelismo é uma prática necessária nos dias de hoje, nunca deve estar dissociada do testemunho pessoal;

2. Não há uma única pessoa que esteja isenta de participar da pregação do Evangelho. Cada um deve, segundo seus dons e condições, proclamar a mensagem.

3. Devemos sempre aproveitar as oportunidades de testemunhar de Cristo e esse testemunho tem de ser completo, mas breve; racional, mas cativante.

4. Os meios pelos quais a mensagem é pregada podem variar, no entanto, o teor da mensagem tem de ser integral e imutável.

Pr. Rodrigo dos Santos
Pastor do Distrito de Joaçaba/SC - Associação Catarinense

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More