terça-feira, 17 de julho de 2012

Mal de Alzheimer pode ser detectado antes de sintomas aparecerem

Um grupo de cientistas americanos desenvolveu uma técnica para detectar sinais do mal de Alzheimer 25 anos antes da doença apresentar seus primeiros sintomas.

A pesquisa é a porta de entrada para novos tipos de tratamentos precoces que podem se tornar a melhor chande da medicina para combater a enfermidade.

Os cientistas, da Escola de Medicina da Universidade de Washington, selecionaram para o estudo pacientes britânicos, americanos e australianos que possuem risco genético para desenvolver a doença. Dos 128 pacientes examinados, 50% têm chances de herdar uma das três mutações genéticas conhecidas pela ciência que provocam o mal de Alzheimer.

O grupo também tem chance aumentada de começar a sofrer da doença a partir dos 30 ou 40 anos - muito mais cedo que a maioria dos pacientes de Alzheimer, que desenvolvem o mal na casa dos 60 anos.

Os pesquisadores analisaram os pais dos pacientes para descobrir com que idades eles haviam desenvolvido a doença. A partir disso começaram a tentar avaliar quanto tempo antes disso era possível detectar os primeiros sinais da enfermidade. Foram realizados exames de sangue, de líquor (fluído espinhal), de imagens do cérebro e também avaliações de habilidades mentais nos pacientes.

Os pesquisadores descobriram, então, que era possível detectar pequenas mudanças no cérebro de quem possuía alguma das mutações que no futuro levarão ao surgimento do Alzheimer.

Por volta de 15 anos antes do aparecimento da doença, pacientes já apresentavam níveis anormais de uma proteína de células que podem ser encontradas no fluído espinhal. Além disso, imagens do cérebro revelaram encolhimento em algumas regiões do cérebro desses pacientes.

Dez anos antes dos primeiros sintomas foram detectados problemas de memória e um processamento anormal da glicose no cérebro dos estudados. Em pacientes que não possuiam as mutações, não foram detectadas alterações nesses marcadores. Os resultados da pesquisa foram publicados no New England Journal of Medicine.

"Essa importante pesquisa mostra que mudanças-chaves no cérebro, relacionadas à transmissão genética da doença acontecem décadas antes do aparecimento dos sintomas. Isso pode gerar grandes implicações para o diagnóstico e o tratamento no futuro", afirmou Clive Ballard, diretor de pesquisa da Sociedade de Alzheimer.

"Os resultados de pacientes com Alzheimer herdado por fatores genéticos parecem similares às mudanças provocadas em casos não-genéticos, na forma comum da doença", disse Eric Karran, diretor de pesquisa da Sociedade Britânica do Alzheimer.

"É provável que qualquer novo tratamento para Alzheimer deverá ser começado mais cedo para ter a melhor chance de sucesso. A habilidade para detectar os primeiros estágios da doença de Alzheimer não só permite que as pessoas planejem e tenham acesso aos cuidados e tratamentos existentes mais cedo, mas também permitirá que novas drogas sejam testadas nas pessoas certas, na hora certa", acrescentou. (Terra)

Nota: "Deus concede sabedoria aos homens para que os homens possa ser uma bênção a humanidade. "O Senhor é quem dá sabedoria; de sua boca procedem o conhecimento e o discernimento." Provérbios 2:6.

1 comentários:

Olá, bom dia,

Estou buscando apoio para implementa de projeto inovador
para melhorar a vida de portadores de Alzheimer.

Sou escritor de 54 anos que desenvolve um trabalho pioneiro
no país há 31 anos: transformo histórias de vida de pessoas
comuns em livros de apenas um exemplar.

Alguns dos familiares dos meus biografados estavam
com Alzheimer e pude perceber que a atividade da passar
informações para elabração do livro tinha efeito positivo:
gerava ânimo, vigor, alegria e melhora inclusive a autoestima,
entre outros benefícios.

Constatei, também, que os fatos com dificuldade de
recordar poderiam ser desenvolvidos por mim e apresentados
para que fossem corrigidos, complementados ou validados.

Dessa forma, a sua história de vida seria reconstruída integralmente
e o livro poderia ser utilizado futuramente
sempre que ocorrer algum lapso dde memória.

Esse é o Projeto Revivendo, que não tem ainda respaldo
científico, mas que poderá vir a ser uma terapia complementar
para os portadores deste problema,
através de atividade colaborativa que poderá
ter efeitos positivos de longa duração.

Ficaria grato se pudesse enviar seus comentários
ou observações à esta proposta.

Estou à dsposição para maiores esclarecimentos.

Obrigado e até breve!



Oscar Silbiger
Av. José Bonifácio, 1425 - conj. 72
13091-140 Campinas / SP
Tel. (19) 9267-9766
www.vidaescrita.com.br
oscar@vidaescrita.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More