segunda-feira, 11 de junho de 2012

Eleitos para a Missão

Mas vós sois a geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” Pedro 2:9

Neste texto encontramos quatro razões pelas quais devemos nos envolver e comprometermo-nos com a missão de Cristo. A primeira é a eleição. As pessoas prestam vestibular, apresentam currículo, se candidatam, outras até mesmo se corrompem objetivando com isso serem eleitas ou aprovadas. A verdade é que é bom ser escolhido.

O ser humano tem certos critérios para eleição. A mesma decorre de algum mérito, capacidade ou mesmo formação da pessoa escolhida. Há, contudo exceções. Ao contrário da condição humana, Deus nos elegeu apesar de não termos mérito algum. Como diz Ellen White: “Vosso único mérito é a vossa grande necessidade” (CSS, p. 590). Não possuímos nada que nos recomende ao favor de Divino.

A segunda razão encontrada no texto é sacerdócio real. No Antigo Testamento o povo de Deus possuía um sacerdócio, cujo sacerdote era um tipo de Cristo. Na Nova dispensação é concedido a cada crente o privilégio de identificar-se com o sacerdócio de Cristo. Esta identificação ocorre no sentido de que cada crente em Cristo pode “achegar junto ao trono da graça” e apresentar-se diante do Monarca do Universo. A terceira razão para a missão que encontramos neste texto é nação santa. Uma perfeita identificação com Cristo levar-nos-á a santidade. Por fim, a quarta e última razão: povo adquirido. O preço desta aquisição custou à vida do Salvador. Como diz o apóstolo: “resgatados...pelo precioso sangue”.

Estimado a esse ponto não resta ao pecador alternativa se não: “Proclamar as virtudes daquele que o chamou das trevas para Sua Maravilhosa”. O privilégio da eleição deve nos levar ao cumprimento da missão. Ninguém é eleito para nada fazer. Não existe eleição para a indolência. A ociosidade não corresponde ao preço do resgate.

 A identificação com o sacerdócio de Cristo deve nos levar à santidade, mas deve também nos levar a anunciar o reino de Deus como Jesus o fez. Do contrário a identificação não corresponde ao antítipo. Uma correta compreensão desses privilégios certamente nos levará ao cumprimento da missão. Se com tais privilégios não nos comprometermos nada mais nos fará comprometer. Que a compreensão desses privilégios nos leve a sermos fiéis à alta vocação de nossa profissão, bem como de nossa eleição em Cristo. Que nos leve a cumprirmos a missão.

Pr. Eder Alves 
Missão Oeste do Pará - UNB

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More