Clique aqui para conhecer mais

Artigos e Notícias sobre Pequenos Grupos.

União Sul Brasileira

Site com as notícias da Igreja Adventista.

Estudos Bíblicos

São 8 estudos bíblicos com assuntos diversos para computadores e smartphones.

Ministério Pessoal da DSA

História, Notícias, Materiais e outros.

SITE TEMPLOS DE ESPERANÇA

Conheça o projeto para implantar novas Igrejas no Sul do Brasil.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Fiel no pouco, fiel no muito

A família Brandt tem uma loja de confecção e vendas (roupas masculinas, femininas e sapatos) na cidade de Fraiburgo/SC. A empresa, aberta em 1983, hoje é referência no município e obtêm mês a mês ótimos resultados. Sempre foi uma das que mais vendeu. O início foi difícil, mas a matriarca, dona Nair, propôs ao marido [Seu Nadarci] fazer um pacto Deus, apesar dele não ser Adventista (Foi batizado em 1988). "Daria 1% do valor bruto das vendas da empresa. Estávamos apenas começando, era bem pequena. Não queríamos fazer empréstimo, por isso fizemos esse compromisso. E Deus foi maravilhoso conosco e nos abençoou, não precisando fazer o empréstimo. Hoje, pela graça de Deus somos uma das que mais vende na cidade", comenta a irmã.

Além da fidelidade do dízimo, a família e a empresa (Loja Edjú), continuou fiel em todos os aspectos, como no sábado. A loja é a única que não abre aos sábados, somente aos domingos. Apesar de todas as outras lojas da cidade abrirem no sétimo dia da semana, dia de grande movimento, a loja da Brandt permanece fechada, só abrindo no dia seguinte. E este ato é motivo de testemunho para cidade, já que todos sabiam o motivo, a fidelidade aos dez mandamentos.

Neste ano o sindicato dos funcionários exigiu que a empresa não abrisse mais aos domingos, o que foi cumprido imediatamente. Apesar disso, a rentabilidade da empresa não foi afetada.

Infelizmente seu Nadarci faleceu em 1996, e hoje a filha Edina administra a empresa. Eles foram fieis desde o começo, quando vendiam de porta em porta, e hoje, como uma das maiores lojas da região, continuam fiéis, com 1% do valor bruto das vendas, não abrindo no sábado e com cada membro da família tendo seu compromisso particular com Deus. (USB)

Daniel Goncalves
Assessor de Imprensa

Vídeos do Concílio Ministerial de Foz do Iguaçu







segunda-feira, 30 de maio de 2011

Tudo o que falou o Senhor

"Tomou o Livro da Aliança e o leu ao povo; e eles disseram: Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos." Êxodo 24:7

A ocasião era solene, Moisés escreveu em um livro todas as palavras que Deus havia dito e as leu ao povo, conforme o pedido dos israelitas: “Fala-nos tu, e te ouviremos; porém não fale Deus conosco, para que não morramos” (Êxodo 20:19). Deus Se havia pronunciado e esse era o momento de fazer o Compromisso com Ele. Qual seria a resposta do povo? O que iriam determinar? Imagine estar diante dessa cena, sabendo diante de quem você está nesse momento tão solene.

Estavam diante dAquele que enviara as terríveis pragas para salvá-los de um faraó caprichoso; diante dAquele que fizera tantos milagres em benefício deles, como abrir o Mar Vermelho para que pudessem cruzá-lo a seco, salvando-os de seus inimigos que, por fim, viram “mortos na praia do mar” (Êxodo 14:30); dAquele que transformara a água amarga de Mara em água doce e que os sustentou no deserto fazendo cair comida do céu e sair água de uma rocha...

Sem duvida que reconheciam diante de quem estavam e reconheciam tudo o que Deus já lhes havia feito. Agora Deus ordena obediência a Seus preceitos, mas essa exigência não era outra coisa que a expressão do cuidado por Seu povo. Chegou o momento de responder diante de tantas mostras de salvação e proteção. Havia somente uma coisa no coração deles para ser pronunciada, e então disseram: “Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos”. Eles decidiram obedecer não uma parte do que Deus dissera, não a parte preferida ou a que mais lhes agradava, mas tudo o que Jeová havia dito.

O problema da existência de tantas religiões e, às vezes, de divisões dentro de nossa própria igreja se deve especialmente ao fato de se querer obedecer apenas uma parte da Palavra de Deus. Mas uma ou duas verdades não é toda a verdade; não é esse o compromisso exigido por Deus. Isto não é salvação pelas obras, mas um compromisso de amor expressado em obediência e resposta à imensa bondade que Deus nos tem manifestado desde a eternidade. Lamentavelmente, Israel honrou o Senhor apenas de lábios (Isaías 29:13) e esse é o grande perigo no qual podemos cair como povo de Deus.

Convido-o a instruir integralmente a igreja de tal forma que ela possa conhecer e obedecer a tudo o que Deus pede a Seu povo. A igreja vive o que conhece e conhece o que nós, como líderes, lhe ensinamos. Portanto, é importante que cumpramos fielmente nosso labor.

Missionário Samuel Obispo Saavedra
Misión Peruana del Norte - UPN

domingo, 29 de maio de 2011

Alimentação de recém-nascidos influencia o desenvolvimento das crianças

A alimentação nos primeiros dias ou semanas de vida podem ter consequências sobre a saúde das crianças já mais velhas, aponta um estudo que será apresentado nesta segunda-feira no encontro anual da Pediatric Academic Societies (PAS), em Denver, informou a agência EurekAlert.

Os pesquisadores acompanharam 234 crianças por três anos. No estudo, foi comparado o crescimento, a composição corporal e a pressão arterial de três grupos de recém-nascidos no Departamento Neonatal do Hospices Civils de Lyon. Um grupo recebeu apenas leite materno nos primeiros quatro meses de vida. Os outros dois grupos, que não podiam ser amamentados, receberam dois tipos de fórmulas de proteína.

“Aparentemente, a alimentação com fórmula produz diferenças em alguns perfis hormonais, bem como nos padrões de crescimento, em comparação com a amamentação”, disse Guy Putet, um dos autores da pesquisa. “As consequências a longo prazo, porém, ainda não são bem-compreendidas e podem desempenhar um papel na saúde posteriormente. Ainda são necessários estudos bem delineados a longo prazo.”

Putet, porém, afirma que, se a amamentação não é possível, os bebês devem ser alimentados com fórmulas que os permitam atingir um padrão de crescimento e um perfil metabólico semelhante aos das crianças que mamaram no peito das mães.

Diferenças – As diferenças no desenvolvimento das crianças foram observadas já com quinze dias de vida: os níveis de insulina no sangue foi menor em crianças do que em bebês alimentados com a fórmula de proteína. Essas diferenças persistiam aos quatro meses, mas não foram observadas aos nove meses.

Durante o primeiro ano de vida, os padrões de crescimento também foram diferentes entre os grupos. Mas aos três anos de idade já não havia diferença na estatura, no peso ou na composição corporal das crianças. A exceção foi a circunferência da cabeça, um pouco menor num dos grupos alimentados com fórmula, mas ainda dentro da normalidade.

Já a pressão arterial, aos três anos, ainda era maior nas crianças que tinham sido alimentadas com a fórmula de proteína, em comparação com as amamentadas, embora também esses níveis ainda tenham permanecido dentro da normalidade. (Fonte: veja.abril.com.br citado em Enfermagem Atualizada)

Nota: Gosto do texto que menciona que "o trabalho da mãe muitas vezes se afigura, aos seus próprios olhos, sem importância. Raras vezes é apreciado. Pouco sabem os outros de seus muitos cuidados e encargos. Seus dias são ocupados com uma série de pequeninos deveres, exigindo todos paciente esforço, domínio de si mesma, tato, sabedoriae abnegado amor; todavia, ela não pode se vangloriar do que fez como de algum importante feito. Fez apenas com que tudo corresse suavemente no lar; muitas vezes fatigada e perplexa, esforçou-se por falar bondosamente às crianças, mantê-las ocupadas e satisfeitas, guiar os pequeninos pés no caminho reto. Sente que nada fez. Assim não é, entretanto. Anjos do Céu observam a mãe, fatigada de cuidados, notando suas responsabilidades dia a dia. Seu nome pode não ser ouvido no mundo, acha-se, porém, escrito no livro da vida do Cordeiro." Ellen White, A Ciência do Bom Viver, 377

De fato a mão que mexe o berço move o mundo!

Pr. Evandro Fávero

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Resumo da lição 9 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título: “Um tição tirado do fogo”

Texto-chave: “Eis que tenho feito que passe de ti a tua iniquidade e te vestirei de finos trajes”. Zacarias 3:4

Objetivos

1. Descrever os seguintes personagens: Josué, o Acusador, o Anjo do Senhor, Seus assistentes e cada um de seus papéis no decorrer do drama da restauração.

2. Identificar-se com os sentimentos do sumo sacerdote Josué, acusado, com vestes sujas, e como ele se sentiu ao se encontrar vestido com roupas limpas.

3. Aceitar as vestes sacerdotais limpas que o Anjo do Senhor fornece, e andar nos Seus caminhos.

Verdade Central
A purificação dos seres humanos pecaminosos é uma obra que Deus faz por meio de Jesus Cristo e pelo poder do Espírito Santo. Os seres humanos não podem acrescentar coisa alguma a este processo. Podemos apenas aceitar com gratidão e por amor nos submetermos à Sua operação e vontade.

Lição de domingo: Zeloso por Jerusalém

Diante das ruínas que consternavam Jerusalém, a mensagem que Deus enviou através de Zacarias 1 e 2 era só de condenação ou havia encorajamento e esperança?

1. Zacarias começou declarando aos ouvintes que o Senhor tinha ficado ofendido, “indignado” com seus pais. Se a mensagem parasse aí, seria apenas de condenação e miséria.

2. Mas a mensagem não era de condenação. Era sim de misericórdia, encorajamento e esperança. Pois se eles se voltassem para Deus em humildade e arrependimento, Ele Se voltaria para eles (Zc 1:1-3).

3. “Portanto assim diz o Senhor: Voltei-Me para Jerusalém com misericórdia; a Minha casa nela será edificada, diz o Senhor dos Exércitos, e o cordel será estendido sobre Jerusalém (Zc 1:16).

Lição de segunda-feira: O acusador e o acusado

Na visão de Zacarias 3:1, Satanás estava acusando apenas o sumo sacerdote Josué?

1. Descrito, na visão, como um sacerdote diante do Senhor, Josué representava Israel em todas as suas faltas, defeitos e pecados.

2. O povo não era inocente, não era impecável, e não merecia a restauração prometida que o Senhor estava oferecendo e que eles suplicavam pela fé e pelo arrependimento. Deus tinha uma promessa especial para revelar ao Seu povo.

3. O verbo hebraico traduzido como “acusar” dá origem à palavra “Satanás”. Ele é o “acusador de nossos irmãos” e a promessa do Senhor é repreender e expulsar o acusador (Zc. 3 e Ap. 12:10).

Lição de terça-feira: O Anjo do Senhor

Qual seria o personagem central da narrativa de Zacarias 3: o “acusador”, o “acusado” ou o “Anjo do Senhor”?

1. O contexto mostra que sendo os israelitas severamente castigados, “se humilharam perante Deus e a Ele volveram com arrependimento verdadeiro” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, 468). Foi nesse momento que a obra de Satanás, como acusador, foi revelada.

2. Mesmo estando agora o “acusado” no foco da questão, a narrativa torna claro que, apesar do triste passado do povo e de suas falhas, o “Anjo do Senhor” está ali para defendê-los das acusações de Satanás, independente de saber se as acusações são verdadeiras ou não.

3. O “Anjo do Senhor”, Jesus, está ali para salvar e redimir. Essa é, sem exceção, a verdade mais importante em todas as Escrituras e torna evidente que Ele é a figura central dessa narrativa também.

Lição de quarta-feira: Troca de roupas

Antes que as roupas novas fossem colocadas em Josué, as sujas foram removidas. O que essa troca significou para Josué e o que deve significar também na vida da pessoa redimida?

1. O Senhor disse: “Tirei de você o seu pecado”(Zc 3:4). Isso não significava que Josué era agora impecável, perfeito no coração e na mente, sem a possibilidade de cair ou pecar novamente. Em vez disso, o significado é que a culpa e condenação de Josué haviam sido tiradas.

2. “Foram perdoados os seus próprios pecados e os do povo. Israel vestiu ‘vestidos novos’ – a justiça de Cristo imputada a eles” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, 469).

3. A justiça de Cristo foi concedida pela fé, e foi creditada à parte da obediência de Josué e do povo. Se Josué não tivesse sido vestido com esses “finos trajes” (Zc 3:4), todos os seus esforços em obedecer não limpariam suas roupas sujas. Por esse motivo, foi somente depois de ter recebido os trajes especiais que ele foi exortado a obedecer ao Senhor e andar em Seus caminhos (Zc 3:7).

Lição de quinta-feira: “Uma defesa eficaz”

No mundo cristão, muito frequentemente, há uma motivação para fazer o bem para que “possamos ser salvos”. O que a mensagem de Zacarias nos mostra?

1. “Não podemos contestar as acusações de Satanás contra nós. Cristo, unicamente, pode pleitear eficazmente em nosso favor. Ele é capaz de silenciar o acusador com argumentos baseados, não em nossos méritos, mas nos Seus”. (Testemunhos Para a Igreja, v.5, 472 – Negrito acrescentado)

2. Quando se trata de salvação, precisamos aprender a confiar unicamente nos méritos de Cristo, não em nossos méritos ou em nossas boas obras.

3. Mas, não devemos esquecer que após Josué ter sido revestido com as vestes da santidade de Cristo, sua vida deveria refletir essa santidade, obedecendo a Deus e andando nos Seus caminhos.

Conclusão

1. Não existem em nós méritos para que possamos ser salvos. Nem mesmo nossas “boas obras” seriam “meritórias” para nossa salvação.

2. Israel vestiu “vestidos novos” – a justiça de Cristo imputada a eles. Cristo deve ser nosso “fino traje”, nossa justiça imputada.

3. Após sermos revestidos com as vestes da santidade de Cristo, devemos, pela graça de Deus, refletir essa santidade num processo contínuo de santificação, obedecendo a Deus por amor e andando nos Seus caminhos.

4. “A despeito das faltas do povo de Deus, Cristo não abandona o objeto de Seu cuidado. Tem poder para mudar-lhes as vestes. Remove as vestes imundas, envolve com Seu manto de justiça os crentes e arrependidos, e, junto a seus nomes, escreve nos relatórios do Céu o perdão” (Parábolas de Jesus, 169-170).

Pr. Davi Garcia Reinert
Pastor Distrital de Carazinho/RS – MOSR

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Foz do Iguaçú sedia o maior Concílio Ministerial da América do Sul

A cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, sedia um grande encontro de pastores representantes de oito países sul-americanos de 24 a 28 de maio deste ano. O evento chamado Concílio Unidos na Esperança reune 4.200 líderes adventistas com atuação em congregações locais, escolas, colégios, universidades, hospitais, editoras e meios de comunicação. Em pauta, discussões sobre assuntos como família, unidade e identidade corporativa, uso de tecnologias para disseminação dos ensinamentos bíblicos, liberdade religiosa, educação e reavivamento espiritual com enfoque não apenas para os pastores, mas para suas famílias. Além dos participantes de países como Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile, Bolívia, Peru e Equador, está presente o líder mundial da denominação, o pastor Ted Wilson, que representa um grupo de quase 17 milhões de membros em mais de 200 países e outros líderes mundiais da organização.

Segundo o líder adventista sul-americano, pastor Erton Köhler, é a primeira vez que a denominação, com 1 milhão e meio de membros somente no Brasil, reúne toda a sua liderança na região para refletir sobre o papel dos pastores na sociedade em geral. Entre os temas debatidos estarão as estratégias para divulgação da Bíblia a um maior número de pessoas, inclusive com ações voltadas ao público chamado pós-moderno e urbano, através de grupos que se reúnem nas casas, por meio das redes sociais, entre outras abordagens. "O resultado esperado deste grande e inédito encontro é uma liderança motivada e focada a fazer mais pelas pessoas ao redor em suas igrejas, pequenos grupos nos lares, em todos os aspectos desde a questão espiritual à social", comenta Köhler.

Ação prática - No sábado, dia 28, à tarde, todos os participantes mostrarão cristianismo prático. Serão entregues 48 mil exemplares de um livro chamado Ainda Existe Esperança, de autoria de Enrique Chaij, que fala de maneira leve e interessante sobre o ministério de Jesus Cristo desde Seu nascimento até Sua morte. Os livros serão distribuídos aos moradores das cidades de Foz do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu.

Os adventistas do sétimo dia mantêm, no Brasil, dezenas de ações e projeto sociais através da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA), hospitais, clínicas e centros de vida saudável, além de uma rede de escolas, colégios e universidades com mais de 150 mil estudantes. Em oito países da América do Sul, são mais de 21 mil congregações adventistas. (Felipe Lemos)

Leia Mais

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Presidente mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia fala sobre a importância da união

Enquanto aguardamos para breve a segunda vinda de Cristo, temos o grande privilégio, como membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, de implorar pelo reavivamento, reforma e pela última chuva, enquanto proclamamos as mensagens dos três anjos de Apocalipse 14:6-12.

Olhando a Cristo, como fazemos, devemos avançar unidos em nossa mensagem bíblica e missão atribuída pelo Céu. Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 259 nos diz: "O segredo da unidade encontra-se na igualdade entre os crentes em Cristo. A razão de todas as divisões, discórdias e diferenças encontra-se na separação de Cristo. Cristo é o centro para o qual todos devem ser atraídos; pois quanto mais nos aproximarmos do centro, tanto mais nos aproximaremos uns dos outros em sentimento, em simpatia, em amor, crescendo no caráter e imagem de Jesus."

No entanto, alguns grupos ou ministérios independentes, em diversas partes do mundo, parecem reclamar para si mesmos um papel profético ou corretivo que, às vezes, pode criar controvérsias que dividem congregações e a irmandade. Como igreja remanescente dos últimos dias, é muito importante olharmos a Cristo em busca de unidade em nossa comissão doutrinária, dada por Deus para Seu movimento profético, e voltada para a missão.

Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 61 indica: "Deus tem na Terra uma igreja que é Seu povo escolhido, que guarda os Seus mandamentos. Ele está guiando, não ramificações transviadas, não um aqui e outro ali, mas um povo."

Alguns grupos tomaram a iniciativa de destacar questões como a natureza de Cristo, tentando definir cada aspecto desse profundo assunto e procurando ensinar a necessidade de um perfeccionismo impecável. Embora Cristo haja vindo para tomar a natureza humana, devemos também nos lembrar de que, como Filho de Deus, Ele era perfeito. Como seres humanos finitos, simplesmente não entendemos tudo no que se refere à natureza de Cristo, visto que Ele era plenamente divino e plenamente humano. Porém, pelo dom de profecia, nos é dito em Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 256, que "Tomando sobre Si a natureza humana em seu estado decaído, Cristo não participou, no mínimo que fosse, de seu pecado." Como adventistas do sétimo dia, não promovemos nem endossamos nenhum tipo de perfeccionismo que implique que alguém pode ser salvo por qualquer obra ou mérito, a não ser pelos de Jesus Cristo.

Em Reavivamento Verdadeiro, p. 62, 63, a Sra. White nos adverte que "ninguém que pretenda ser santo é realmente santo. Aqueles que estão registrados como santos nos livros do Céu não se apercebem desse fato e são os últimos a proclamar a própria bondade. Nenhum dos profetas ou apóstolos jamais professou santidade, nem mesmo Daniel, Paulo ou João. Os justos não fazem esse tipo de reivindicação. Quanto mais se aproximam de Cristo, mais lamentam suas imperfeições em comparação com Ele, pois sua consciência se torna mais sensível e percebem melhor o pecado, assim como Deus o percebe. Essas pessoas desenvolvem uma visão aguçada de Deus e do grande plano da salvação, seu coração se torna mais humilde, à medida que fica evidente sua indignidade, e seu objetivo é viver de modo a honrar o privilégio de serem contados como membros da família celestial, filhos e filhas do Rei eterno."

Igualmente, lemos em Santificação, p. 8, que "quando as pessoas alegam que estão santificadas, dão suficiente evidência de estar bem longe de ser santas. Deixam de ver a própria fraqueza e desamparo. Olham para si mesmas como se refletissem a imagem de Cristo porque não têm verdadeiro conhecimento dEle. Quanto maior a distância entre elas e o Salvador, tanto mais justas se parecem aos próprios olhos".

Apelo a todos os membros da Igreja a que olhem unicamente a Cristo e Sua justiça, pois Ele oferece justificação e santificação a todos os que se submetem diariamente a Ele.

Recomendo com insistência que todos permitam que Cristo nos una no esforço evangelístico da Igreja e evitem atividades dissidentes. Não apoiamos nem endossamos os grupos que criticam e debilitam o movimento remanescente de Deus criando agitação e controvérsia na igreja local. A igreja tem regulamentos e procedimentos claramente definidos para considerar dissensões metodológicas ou teológicas que surjam dentro da família da igreja. É importante que a igreja remanescente de Deus avance com sua missão divinamente apontada. Apelamos a todos a que não busquem uma religião legalista, perfeccionista, mas que, pela fé, dependam unicamente dos méritos de Cristo e de Sua justiça em busca de justificação e santificação.

Pela graça de Deus e Seu poder, devemos avançar com a grande proclamação das três mensagens angélicas que nos foram confiadas como povo de Deus. Em Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 19, nos é dito: "Em sentido especial, os adventistas do sétimo dia foram postos no mundo como vigias e portadores de luz. A eles foi confiada a última mensagem de advertência a um mundo a perecer. Sobre eles incidiu a maravilhosa luz da Palavra de Deus. Foram incumbidos de uma obra da mais solene importância: a proclamação da primeira, segunda e terceira mensagens angélicas. Nenhuma obra há de tão grande importância. Não devem eles permitir que nenhuma outra coisa lhes absorva a atenção."

Confiando unicamente em Cristo, o autor e consumador de nossa fé, que nos concentremos firmemente na missão que nos foi confiada - proclamar as mensagens dos três anjos pelo poder do Espírito Santo.

Pr. Ted Wilson
Presidente da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia

Resumo da lição 8 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título: “Vestes de Esplendor”


Texto-chave
“É grande o meu prazer no Senhor! Regozija-se a minha alma em meu Deus! Pois Ele me vestiu com as vestes de salvação e sobre mim pôs o manto da justiça, qual noivo que adorna a cabeça como um sacerdote, qual noiva que se enfeita com jóias” (Is. 61:10).

Objetivos:

1. Saber que não somente estamos num mundo mau, mas que também somos impuros e carentes da graça e do perdão divinos.

2. Sentir alegria ao saber que Deus nos escolhe, purifica e nos veste de esplendor, justiça e salvação.

3. Aceitar e vestir diariamente o manto da justiça que Deus nos oferece e, como Seus sacerdotes, testemunhar aos outros sobre a alegria da salvação.

Verdade Central
Habitamos em um mundo impuro, e somos impuros como conseqüência, somente uma visão de nossa contaminação nos habilita a desejar tirar as vestes da justiça humana e vestir as vestes da salvação, oferecidas por Deus, que têm uma glória e esplendor que nunca desaparecerá e nos tornará instrumentos de salvação ao mundo.

Lição de Domingo: Não tragam mais sacrifícios inúteis

O profeta Isaías (“o Senhor é salvação” ou “o Senhor é a ajuda”), foi o profeta do período decadente de Judá, marcado ataques e invasões inimigas. Mas, o maior perigo para Judá não era os inimigos fora, mas o pecado dentro de seus portões. Nos primeiros capítulos de Isaías a situação de Israel é descrita sem retoques em toda a sua malignidade. Que semelhanças existem entre o tempo de Isaías e o nosso?

1. O pecado é uma doença que toma o ser humano por completo e não pode ser apagado por um culto exterior, que não brote de um arrependimento sincero.

2. Na escala descendente do pecado, a princípio ele é visto como errado e vergonhoso, depois, à medida que é praticado o pecado começa a ser visto como algo normal e por fim o que antes era considerado pecado passa a ser chamado de correto e motivo de orgulho.

3. Mesmo na situação mais degradada Deus sempre tem um remanescente. Foi assim ao longo da história e hoje também.

Lição de Segunda-feira: Lábios Impuros

Isaías fazia parte do remanescente de Israel, mesmo assim ao ter uma visão da santidade de Deus, percebeu que na verdade era um homem de “lábios impuros”.


1. Toda visão de Deus faz-nos enxergar nossa condição de miseráveis pecadores. Antes de recebermos a salvação precisamos sentir necessidade dela.

2. Deus é quem purifica o ser humano. O perdão, a graça e a salvação, são iniciativas divinas que podemos aceitar, mas, nunca merecer.

3. O fruto da conversão de Isaías foi a disposição de servir ao Senhor. O mesmo fruto deve ser produzido em nós hoje.

Lição de terça-feira: Vestes que não duram

Um menino recebeu uma camisa nova para ir a um casamento. Ele gostou muito da camisa, mas como criança logo se envolveu nas brincadeiras e num momento de descuido rasgou sua camisa nova enquanto brincava de pega-pega. Assim é a vida humana, num momento estamos felizes com a camisa nova, no outro a tristeza toma conta, ao perceber que ela se foi.

1. Tudo que vemos nesse mundo se desgasta, assim como qualquer roupa, as soluções humanas têm prazo de validade vencido por mais duráveis que possam parecer.

2. A vestimenta da justiça de Cristo é a única que traz salvação e a única dura para sempre.

3. O único obstáculo para aceitar a justiça de Cristo é que ela implica em incômodo, é impopular, mas “devemos escolher o direito porque é direito e deixar Deus com as conseqüências. GC. 460

Lição de Quarta-feira: Vestes de esplendor

As vestes de esplendor são muitas vezes vistas como algo reservado para o futuro. Mas Isaías apresenta a promessa de Deus para o presente. Não é necessário esperar, é possível vesti-las agora. Como podemos entender esta promessa?

1. As “roupas de esplendor” são as vestes de justiça, a cobertura concedida a todos os que se rederam ao Senhor e que vivem pela fé e obediência aos Seus mandamentos.

2. Tudo que Deus pede de Seu povo é que viva pela fé, em obediência a Ele.

Lição de Quinta-feira: Vestes de salvação

O evangelho é muito mais que um discurso. Ele é vivo, ele salva. A salvação veste o ser humano por inteiro, trazendo cura, libertação, consolo, poder, alegria e salvação. O que fazer para tornar isso real em nossa vida hoje?

1. Jesus causou um tremendo impacto no mundo, porque a salvação era visível a todos a cada cura, a cada ato de bondade, a cada gesto de amor.

2. O mundo precisa ver a salvação em nós, não como uma teoria, mas como uma vestimenta completa, para que “glorifique ao Pai que está nos céus” Mt. 5:16.

3. Somos sacerdotes, intercessores, veículo da salvação ao mundo.

Conclusão

a. Por mais degrada que seja a situação moral do mundo hoje, Deus ainda escolhe pessoas para serem suas testemunhas.

b. Os escolhidos de Deus não são perfeitos em si mesmo, mas, têm noção de sua condição pecaminosa e aceitam ser purificados pela graça de Deus.

c. A graça salvadora veste o ser humano por completo e o habilita a levar a salvação a um mundo preso nas garras do pecado.

d. A vestimenta de esplendor provida por Deus em sua graça durará por toda a eternidade.

“Os remanescentes são não somente perdoados e aceitos, mas honrados. “Uma mitra limpa” (Zac 3:5) lhes é colocada na cabeça. Devem ser reis e sacerdotes para Deus.” (Filhos e Filhas de Deus [MM 1956], p. 369).

Pr. Elieser Ramos
Jardim Rio Verde - ACP

terça-feira, 17 de maio de 2011

12 hábitos ajudam a manter a família unida

Crescem os estudos que comprovam como os familiares interferem na nossa saúde física e mental, independente da idade. Uma pesquisa publicada no Jornal da Associação Americana do Coração, por exemplo, comprovou que pacientes da terceira idade se recuperam muito mais rápido de derrame quando acompanhados dos parentes. Já um outro estudo recente da Universidade de Oregon, nos EUA, indicou que pais com dificuldades de relacionamento têm mais chances de ter bebês com distúrbios durante o sono.

Manter o vínculo afetivo é uma vantagem e tanto, mas nem sempre é fácil. "Há famílias que se veem muito, porém as pessoas não são tão próximas, porque tem o componente da afinidade.

Construímos vínculos com as pessoas que nem sempre podem existir nas famílias", explica a psicóloga Eliana Alves, do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro. Confira a seguir alguns ingredientes diários que podem incrementar os laços afetivos e aumentar - de fato - a união familiar.

1. Respeite os limites de cada um
Esse é um dos hábitos mais difíceis, pois implica aceitar algumas diferenças. "Cada indivíduo da família tem seu ritmo, seu jeito de vivenciar as coisas da vida. Tanto os filhos como os pais desenvolvem essa percepção do 'jeito de cada um'", conta o psiquiatra Paulo Zampieri, Terapeuta de Casais e Famílias, de São Paulo. Procurar respeitar essas peculiaridades - desde que não sejam preocupantes - pode ajudar a resolver conflitos familiares de uma forma muito mais fácil.

2. Priorize o bom humor
Procure encarar os conflitos familiares com mais disposição. Muitos deles surgem por motivos pequenos e são alimentados pelo cansaço e estresse do dia a dia. "Encarar conflitos já é melhor do que evitá-los e há de ser com bom humor, senão fica sempre parecendo cobrança ou bronca", aconselha o psiquiatra Paulo Zampieri.

3. Cozinhe em conjunto
A psicóloga Eliana Alves fala que é importante criar espaços que propiciem um vínculo afetivo. "Vivemos no imperativo da falta do tempo, mas é necessário se preocupar em criar momentos para conviver com nossos familiares", diz a especialista.

Para driblar essa falta de tempo, os programas conjuntos podem ser tarefas diárias como as atividades domésticas, que permitem uma troca de experiências. "Atividades lúdicas e domésticas ajudam todos os membros da família a se apropriarem dos pertences do lar, aprendendo juntos as tarefas que um dia os filhos também farão", afirma o psiquiatra Paulo Zampieri.

4. Incentive o diálogo
Essa é uma das práticas mais fundamentais. De nada adianta viver unidos sob o mesmo teto se não há conversa, se as pessoas não compartilham seus sentimentos e experiências de vida. O diálogo permite saber o que o outro está pensando e sentindo e é a melhor forma de resolver desentendimentos.

"Os familiares são os maiores parceiros que filhos, pais e avós têm naturalmente na vida", lembra o psiquiatra Paulo Zampieri, que dá uma boa dica para fortalecer os vínculos por meio do diálogo. "Peça aos avós que contem como foi a vida deles, como se uniram, o que pensavam da vida. É um jeito interessante de co-construir a história da família por meio dos protagonistas mais velhos e permite conhecer como os costumes mudaram", completa

5. Crie momentos de lazer com todos
Os familiares servem de apoio nas horas difíceis, mas também podem ser ótimas companhias para momentos de distração e divertimento. O psiquiatra Paulo Zampieri conta que, quando os filhos são pequenos, fica mais fácil: "É só convidar que todos vão", comenta.

No entanto, quando os filhos crescem e se tornam mais independentes, essas ocasiões ficam cada vez mais incomuns. "Quando a família cultiva esses hábitos desde cedo, gera a possibilidade de conservar atividades de lazer em conjunto em etapas mais adultas", completa o especialista.

6. Procure estar disponível
Não precisa ser super-herói: é impossível estar disponível o tempo todo e a família precisa entender isso, principalmente as crianças. Entretanto, mostrar disponibilidade para conversar e dar atenção, sempre que possível, é fundamental. De acordo com o psiquiatra Paulo Zampieri, os pais devem fazer isso de forma declarada. "Conte comigo", "sou seu parceiro" ou "se precisar, estou aqui" são frases que ajudam os filhos a encontrarem um momento de poder falar.

7. Evite que a rotina agitada e estressante interfira no contato familiar
É nada agradável encontrar uma pessoa em casa com a cara fechada, sem vontade de conversar. Experimente imaginar que, no momento em que você for passar pela porta de entrada, as preocupações do trabalho ficarão do lado de fora. A família poderá ser uma excelente forma de distração!

Em alguns momentos, procure também deixar o trabalho e demais compromissos em segundo plano. "Tal postura pode indicar valorização do contato, como se a pessoa estivesse dizendo à família: 'vocês são importantes para mim'", afirma a psicóloga clínica Michelle da Silveira, de São Paulo.

8. Invista no afeto
Há várias formas de manifestá-lo, vale a sua criatividade de adaptá-las ao tempo e à rotina que você possui. Não se esqueça também do carinho físico. Um simples abraço proporciona conforto e uma ligação muito forte. "O afeto pode ser uma forma de aproximação das pessoas. A partir dele, outros sentimentos fundamentais para as relações serem estabelecidas são formados, como: respeito, compreensão, tolerância, entre outros", explica a psicóloga Michelle da Silveira.

9. Não espere os finais de semana
Procure se lembrar de estreitar os vínculos sempre. Um telefonema, um email ou mesmo uma mensagem por celular podem ser demonstrações de afeto que fazem a diferença. "Com maior tempo de interação, as pessoas poderão se conhecer melhor, agregar pontos positivos da outra pessoa, descobrir afinidades e, a partir daí, estreitar os laços que podem levar à construção de vínculos mais estáveis", esclarece a psicóloga Michelle da Silveira.

10. Reconheça os próprios erros
Ninguém na família é perfeito, inclusive os pais. Segundo a psicóloga Michelle da Silveira, assumir falhas pode implicar em mudança, uma vez que a pessoa refletiu sobre a sua ação e, em uma próxima situação parecida, tentará agir de forma diferente. "Esse comportamento de flexibilidade gera confiança na pessoa com a qual se relaciona, pois ela fica com a idéia de que o erro poderá não se repetir", completa.

11. Crie momentos a sós com cada um
Estimular ocasiões exclusivas entre marido e mulher ou mãe e um dos filhos, entre outras possibilidades, facilita a comunicação. A psicóloga Michelle da Silveira explica que isso favorece o conhecimento entre as pessoas e facilita a criação de sentimentos, como intimidade e confiança.

12. Seja um exemplo
Suas pequenas atitudes no âmbito familiar podem gerar admiração pelos parentes. Quando há essa admiração, a possibilidade de existir vínculos é maior. A psicóloga Michelle da Silveira explica: "Existe nas relações a intenção comum entre as partes de agregar valores, e só é possível obter esses valores, em geral, de alguém sobre o qual se nutre admiração". (Por Letícia Gonçalves em Wild World)

Nota: Eu quero acrescentar um décimo terceiro hábito: Cultivar o bom costume de orar juntos. "A religião é necessária no lar. Só ela pode prevenir os ofensivos erros que tantas vezes amarguram a vida conjugal. Unicamente onde Cristo reina, pode haver amor profundo, verdadeiro, altruísta." Ellen White, Testemunhos Seletos, Vol. II, 120 "Significa que deveis orar com vossos filhos, ensinando-lhes como se aproximar de Jesus e contar-Lhe todas suas necessidades." White, Lar Adventista, 317.

E o texto bíblico de Salmo 78:3 a 6 diz: "O que ouvimos e aprendemos, o que nos contaram nossos pais, não o encobriremos aos filhos; contaremos à vindoura geração os louvores do SENHOR, e o seu poder, e as maravilhas que fez. Ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos, a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes."

Pr. Evandro Fávero

Vaticano pressiona bispos a rezarem missas em latim

O Vaticano decidiu resgatar do passado a orientação para que seus bispos voltem a rezar missas em latim. O documento, divulgado na manhã desta sexta (13), segue o decreto papal de 2007 - que autorizou a adoção da língua nas missas, na qual o padre fica de costas para o público durante a reza.

Contudo, a decisão não foi bem aceita por todos, pois muitas autoridades religiosas não foram treinadas em latim. Só que para os bispos não há escapatória, todos eles devem seguir as ordens do Vaticano, documentadas pela Congregação pela Doutrina da Fé.

A instrução define: "É tarefa do bispo da diocese tomar todas as medidas necessárias para garantir o respeito pela 'forma extraordinária'". E afirma que as paróquias locais devem adicionar uma missa em latim dentro das suas agendas litúrgicas.

Mas a maioria dos católicos vê a missa em latim como uma postura rígida e nostálgica do Vaticano que, para muitos, acaba por retroceder na modernidade alcançada pela Igreja. (Última Advertência ao Mundo).

Nota: Enquanto se instrui os Bispos a rezarem a missa em latim, o Salvador traduziu o amor de Deus. Ele assumiu a forma humana para falar na língua do povo sobre os valores do Reino de Deus. "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai." João 1:14. Não deveria os seus representantes fazer o mesmo? A Bíblia diz: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:32. Conhecer significa entender, compreender a Palavra de Deus. Como o povo poderá compreender algo que não entende? Pra pensar!

Pr. Evandro Fávero

Clique aqui para conhecer mais a Bíblia.

sábado, 14 de maio de 2011

O poder da comunhão

“Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual” Col. 1:9

No tempo que vivemos, onde o enfoque é nas coisas materiais, onde o ceticismo impera, onde a religiosidade é algo para alienados, podemos agradecer a Deus pela sua palavra que é vida, é lenitivo, produz paz, transforma e nos da uma nova perspectiva de vida. Nós cristãos temos o privilégio de ter a Bíblia como uma ferramenta de crescimento, e é indispensável para mantermos a vida cristã fortalecida e espiritual. A recomendação apostólica é de estar “sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós”
I Pedro 3:15.

Embora isso seja essencial na vida de um cristão, o maior perigo é não viver a palavra, não ter comunhão com a palavra. Isso, nos torna crentes sem inspiração, sem alegria, sem vida, sem poder e sem espiritualidade. Ser um bom conhecedor de Bíblia, é importante como servo vigilante. Mas fomos chamados para sermos homens de Deus. Homens cheios do poder do Espírito Santo, homens consagrados, separados para o serviço, onde a presença influencia, transforma, e traz esperança. O apóstolo Paulo em suas orações roga para estarmos transbordantes do conhecimento de Deus isto é bastante cheios do entendimento e sabedoria espiritual.

Precisamos aprender a gastar tempo com Jesus. Precisamos estar focados na comunhão com as Santas Escrituras. Como diz I Pedro 2:2 “Desejai ardentemente, como crianças recém nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, seja dado o crescimento para a salvação”. Buscar na Bíblia a pessoa de Jesus deveria ser a prioridade de todo cristão. Talvez a maior necessidade hoje é de ter conhecimento e, consagração para o serviço do Senhor.

Que Deus nos ilumine no estudo e conhecimento da Bíblia. Contudo, esse conhecimento possa produzir vida espiritual. Qual cristão em algum momento de sua experiência não já refletiu sobre sua necessidade de comunhão com Deus! “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo , a quem enviaste. João 17:3

Pr. Reginaldo Braga de Carvalho
Missão Sul do Maranhão - UNB

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Resumo da lição 7 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM AO LADO PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título: “À Sombra de Suas Asas”


Texto-chave:

“Porque Tu me tens sido auxílio, à sombra das Tuas asas, eu canto jubiloso”. Salmo 63:7

Objetivos:


1. Demonstrar como Deus protege e perdoa seus filhos.

2. Mostrar nossa pecaminosidade e vulnerabilidade, e a necessidade que temos de Deus.

3. Obter na história bíblica informação para não brincarmos com o pecado.

Verdade Central

Somos pecadores, mas Deus provê o perdão e a purificação. Sob Suas asas estamos protegidos.

Lição de domingo: A verdade descoberta

Qual foi pecado de Davi? (II Samuel 11) Como chegou a este ponto?

1. As vestes (caráter de Davi) foram manchadas pelo pecado.

2. O que Golias não conseguiu o pecado conseguiu.

3. Quem está em pé cuide para que não caia.

Lição de segunda-feira: Natã desmascara tudo

Natã desmascarou o pecado de Davi. Qual foi a tática que usou?

1. Temos tantas coisas a aprender com a tática de Natã.

2. Ele não acusou Davi, mas fez o rei ver seu próprio pecado com tato e sabedoria.

3. Natã trabalhou com o que restava em Davi: seu senso de justiça.

4. Ele mostrou o pecado e também a solução – I João 1:9.

Lição de terça-feira: Feliz é aquele cujo pecado é coberto...

Qual a relação entre a culpa e a saúde física e mental? (Salmos 32:3 a 5)

1. Há uma relação entre pecado e culpa, e saúde física e mental.

2. Davi ficou doente enquanto não confessou seu pecado.

3. Hoje muitas doenças são psicossomáticas, ou seja, se originam na mente.

4. Não necessariamente todas as doenças são originárias de pecado não confessado. Mas muitas sim.

Lição de quarta-feira: Mais alvo que a neve

O que significa estar mais alvo do que a neve e ter um coração puro? (Salmo 51:1)

1. Ter um coração puro não significa que você nunca pecou.

2. Significa que embora você seja pecador aceitou o perdão de Deus que lhe declara puro.

3. Significa que você recebe o perdão e o poder para andar com Deus.

4. Vá e não peques mais.

Lição de quinta-feira: No abrigo de Suas asas

O fato de Deus perdoar indica que não teremos conseqüências do pecado?

1. Deus perdoa, mas as conseqüências ficam. Davi provou isto.

2. Mas, em sua misericórdia Deus nos ajuda a superar isto também.

3. Foi isto que Davi encontrou no abrigo das asas de Deus - Salmo 61:4.

Conclusão

1. Aprendemos que o pecado pode derrubar até os mais fortes. Não brinquemos com ele.

2. Por outro lado encontramos perdão e purificação em Jesus.

3. Nas sombras das asas de Deus encontramos abrigo e proteção que amenizam as conseqüências do nosso pecado.

4. Louvemos ao Senhor por isto!

Pr. Moisés Mattos
Presidente da ACSR

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Na pior loja, a maior benção

O irmão Dilvo Von Dentz mora em Concórdia e aceitou a Cristo em 2008, mas nunca foi fiel constantemente no dízimo. "Um mês eu devolvia e o outro eu priorizada pagamentos em assuntos seculares", comenta. Em Maio de 2010 começou a trabalhar na América Móveis, uma rede de lojas com 38 filiais no sul do Brasil. Ele trabalhava na administração central e sempre deixou claro sua crença na guarda do sábado. Há três meses recebeu uma proposta desafiadora, gerenciar a filial menos rentável da rede, na cidade de Ipumirim, município vizinho com sete mil habitantes. A loja abria aos sábados, mas ele deixou claro que não trabalharia no sétimo dia da semana.

Dilvo tomou uma decisão: "Queria ser fiel a Ele também nos dízimos. Fiz então um pacto com Deus. Se a loja alcançasse a meta das vendas, daria 5% dos meus proventos para Deus, além do dízimo. E se passasse da meta, entregaria 10% do meu salário". Para sua felicidade no primeiro mês, Março, as vendas atingiram 175% da meta projetada. No segundo mês os administradores da rede aumentaram a meta em 90%, mesmo assim a filial que Dilvo gerenciava ultrapassou a meta. Ele foi fiel no seu pacto e viu que a fidelidade a Deus pode resultar em grandes bênçãos.

Os seus supervisores ficaram impressionados. A filial vendia mais do que lojas da rede em município de 80 mil habitantes. Jamais tinham visto crescimento tão grande. Por isso convidaram Dilvo para palestrar em um encontro que reuniu todos os funcionários da rede. "Tive a oportunidade e tentei aproveitar ao máximo. Falei sobre o sábado, sobre o dízimo e sobre o pacto. Eles ficaram ainda mais admirados. Meu objetivo agora é fechar a filial no sábado. E acho que em breve isso será possível, já que a idéia não sofreu grande rejeição", relembra Dilvo.

"Indiferente do que acontecer no resto da minha vida, serei sempre fiel no dízimo e no pacto. Deus mostrou que se a gente crê e é fiel, Ele concede muitas bênçãos", ressalta o gerente Dilvo Von Dentz.

Daniel Goncalves
Assessor de Imprensa da AC

terça-feira, 10 de maio de 2011

Sou um prego

“Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os que vão a cavalo?” Jeremias 12:5

Segundo meu entendimento, a função específica do prego é sujeitar, sustentar e unir. Nunca devemos subestimar sua utilidade, visto que deixar de utilizá-lo ou colocá-lo em um lugar inadequado pode significar uma rápida deterioração da estrutura que está sendo fabricada. Existe uma tremenda variedade de tipos de pregos; há os pequenos e os grandes, os grossos e os finos.

Tudo depende do uso que se queira dar e, caso você não encontre o que estiver buscando, em nossa sociedade atual, localizará o fabricante para que o fabrique na medida de sua necessidade.

Há algo importante em tudo isso: o PREGO nunca é mais importante que a estrutura e, se não cumprir a função desejada, não será substituído por outro, mas o prego mais forte de todos nunca será mais transcendente que aquele que o sustém.

E o que dizer dos pregos usados ou já utilizados. Muitas vezes eles são jogados fora, mas outros voltam a ser empregados porque ainda prestam um serviço significativo. Nesse último caso, em certas ocasiões é necessário martelá-los várias vezes com o martelo para endireitá-los.

O Carpinteiro da Galiléia foi perfeito mas fez uso das ferramentas. Trabalhou sem dúvida com pregos, mas sua verdadeira especialidade foi o trato com as pessoas, visto que elas seriam os instrumentos para construir Seu reino. Uma pessoa colocada no lugar certo e no momento certo pelo artífice Mestre é como um prego... sustenta o reino de Deus nesta terra. Sustentar o reino de Deus é a tarefa de todo filho Seu. Eu sou o prego e Jesus o Carpinteiro. Quero SUSTENTAR, SUJEITAR E UNIR nesta grande obra.

O Carpinteiro Redentor sempre coloca seus pregos no lugar certo... nunca erra e o que é mais importante, jamais descarta a ninguém que esteja disposto a ser utilizado. O Pr. Baraka Muganda disse: “Quero ser um prego que sustente a figura de Jesus... o prego não pode ser visto, sempre fica atrás... o importante é o Salvador, nunca o prego”. “Eu sou um prego”, e estou feliz de sê-lo.

Pr. Roberto Gigliotti
Asociación Argentina del Sur - UA

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Neurônios privados de descanso tiram “cochilos”

Cientistas podem ter encontrado uma explicação para todos os deslizes que cometemos quando não conseguimos dormir o suficiente. Um novo estudo mostra que, mesmo que nos sentamos bem acordados, algumas regiões do nosso cérebro podem optar por permanecer inativas, em uma espécie de apagão semelhante ao que a companhia elétrica faz quando a demanda é maior que a capacidade da estrutura.

Embora a pesquisa tenha sido feita em ratos, os seus resultados são aplicáveis ​também em seres humanos, garante Chiara Cirelli, co-autora do estudo e professora do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Wisconsin, Estados Unidos. “Quando se trata da mecânica de dormir e acordar do cérebro, não há grandes diferença entre os seres humanos e os ratos”, assegura Cirelli.

Para saber o que acontece no cérebro privado de sono, Cirelli e seus colegas implantaram eletrodos no tecido cerebral dos animais. Assim, os pesquisadores foram capazes de monitorar as células nervosas de cada rato. Alguns dos eletrodos foram posicionados profundamente no cérebro, o que significa que a experiência vai ser difícil de ser aplicada da mesma forma em seres humanos.

Os pesquisadores mantiveram os roedores acordados por muito tempo depois da sua “hora de dormir”, entretendo-os com brinquedos deixados nas suas gaiolas. Embora eles estivessem cansados, os ratos continuaram a brincar durante horas com os brinquedos novos.

Enquanto os roedores se divertiam, os cientistas observaram surpresos que as células nervosas uma hora estava completamente ativas e, após alguns instantes, passavam para uma espécie de fase de cochilo. Isso não refletia na aparência dos ratos, todos eles continuavam desempenhando suas atividades normalmente.

Porém, sutis diferenças apareceram quando os pesquisadores designaram aos animais uma pequena tarefa. Os ratos já haviam aprendido a pegar pelotas de açúcar através de um buraco em suas gaiolas com apenas uma pata – atividade que “exige muita concentração e destreza”, conta Cirelli.

Normalmente, os ratos seriam capazes de fazer isso repetidas vezes, só raramente deixando uma pelota cair. No entanto, os ratos privados de sono tiveram muitas dificuldades na tarefa à qual estavam acostumados. Quando os pesquisadores observaram o que acontecia nos cérebros dos ratos, perceberam que os erros coincidiam com o “apagão” das células nervosas que controlam o movimento.

Ou seja, basta um momento em que a célula falha e ele cometem o erro. “É aí que reside o perigo de dormir muito pouco”, alerta Cirelli. “Pense em motoristas e caminhoneiros, ou mesmo controladores de tráfego aéreo”, diz. “Você pode estar indo muito bem, mas precisa tomar uma decisão em frações de segundo, exatamente na hora em que seus circuitos cerebrais entram no estado de ‘soneca’. O resultado pode ser catastrófico”. (Hype Science)

Nota: "A sensação de fadiga pode assumir múltiplas formas de manifestações que vão desde a acentuada diminuição do rendimento do trabalho, da eficiência e produtividade, até as crises nervosas, o choro imotivado, a inércia, a apatia. Existem ainda sensações típicas como a de fraqueza corporal, preguiça, esgotamento, sensação de flutuar, de sumir, de diminuir de tamanho, vertigens, zoadas nos ouvidos, turvação dos campos visuais, além de irritação, falta de apetite (anorexia), cintilações nos olhos, cefaleias, esquecimentos frequentes, pontadas, dores musculares." (Citação da Apostila "Crescer para Terminar" de Sidionil Bizzi)

Vale a pena ouvir os conselhos de Ellen White:

" Em resultado de tomar jantas tardias, o processo digestivo é continuado através do período de repouso. Mas, embora o estômago trabalhe constantemente, sua função não é bem feita. O sono é mais vezes perturbado por sonhos desagradáveis, e pela manhã a pessoa acorda sem se haver descansado, e com pouco apetite para a refeição matinal. Quando nos deitamos para repousar, o estômago já devia ter concluído a sua obra, a fim de, como os demais órgãos do corpo, fruir repouso." Ciência do Bom Viver, 304, 305.

"Ao regular as horas do sono, não se deve proceder com descuido. Os estudantes não devem adquirir o hábito de permanecer em pé até à meia-noite, e tomar as horas do dia para o sono. Se se acostumaram a fazer isso em casa, devem corrigir o hábito, deitando-se à hora devida. Assim levantar-se-ão pela manhã descansados para os deveres do dia." Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, 297

Pr. Evandro Fávero

sábado, 7 de maio de 2011

Precisa-se de um cristão

Quem, Senhor, habitará no Teu tabernáculo? Quem há de morar no Teu santo monte? O que vive com integridade, e pratica a justiça e, de coração, fala a verdade.
Salmos 15:1-2.

Há algum tempo, o governo australiano abriu uma vaga de emprego. Até aí tudo bem, mas não era qualquer emprego. Para muitos era o melhor emprego do mundo.

O trabalho era para ser zelador da ilha Hamilton, que contém o maior recife de corais do planeta. O governo da Austrália estava oferecendo um salário equivalente a R$ 40 mil reais, com direito a uma casa de frente para o mar, na ilha. O candidato não precisava ter experiência, nem formação acadêmica, bastava saber nadar, mergulhar e ter espírito aventureiro.

O zelador da ilha paradisíaca teria que coletar correspondências, passear pelas areias brancas, alimentar os peixes e as tartarugas marinhas e observar o maravilhoso mergulho das baleias.

Quem não gostaria de ter um emprego como esse? Surgiram 35 mil candidatos de 200 países diferentes para disputar a única vaga do tão cobiçado emprego.

Ao ver anúncios como esses, descobrimos que a cada dia que passa o nosso mundo se torna mais competitivo. Por ser competitivo se torna mais exigente. Alguém disse uma vez: Os passos para o sucesso são apenas três. Primeiro: decida o que você quer. Segundo: verifique o preço. Terceiro: pague o preço.

Agora pense na seguinte questão: Se fosse colocada uma placa no portão da igreja com o anúncio: “Precisa-se de um Cristão?”

O candidato escolhido irá habitar nas mansões do Reino de Deus, cujos compartimentos não foram preparados por mãos humanas, num lugar paradisíaco, onde não haverá morte, nem luto, nem pranto, nem dor. Quais deveriam ser suas qualificações?

O texto de hoje sugere algumas características necessárias àqueles que almejam habitar no santo monte de Deus: Viver com integridade, praticar a justiça e, de coração, dizer a verdade.

Peça hoje a Deus que lhe dê a oportunidade de ser íntegro, justo e verdadeiro em todos os seus compromissos e tenha um dia cheio de bênçãos.

Pr. Elias Tamari Ferreira da Silva
Missão Sul do Maranhão - UNB

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Resumo da lição 6 da Escola Sabatina

(Para baixar a lição em Power Point clique na imagem ao lado. Você será direcionado para o site Manda Mais - siga as instruções e faça o download)

Título: “O Manto de Elias e Eliseu”

Texto-chave
“Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte”. (2 Co 7:10)

Objetivos

1. Conhecer o significado dos símbolos bíblicos de rasgar as vestes e no lugar, vestir pano e saco.

2. Aceitar o chamado de Deus através do Espírito Santo, simbolizado pelo manto, e de maneira responsável ser usado como servo em Sua obra.

3. Perceber a utilidade que podemos ter se nos entregarmos à direção divina.

Verdade Central

O nome hebraico de Elias significa “Deus é o Senhor”. Nome mais do que apropriado para uma época em que o povo estava em dúvidas quanto a quem era o Senhor, Deus ou Baal. A disputa no Carmelo evidenciou a quem se deveria seguir: Deus. Após essa questão resolvida, Elias restaurou o altar do Senhor que estava derribado, e matou todos os profetas de Baal. Esse feito marcou Elias como um dos grandes profetas de Israel, e sua obra como uma obra de restauração. A alta estima que os judeus têm tido para com Elias, nos séculos posteriores se evidencia pela expectativa popular, baseada na predição de Ml 4: 5 e 6, de que o profeta retornaria a terra para anunciar a iminente vinda do Messias.

Lição de domingo – “Uma voz tranquila e suave”

1. A vida dos servos de Deus também é constituída de altos (vitória no Carmelo) e baixos (medo da ameaça de Jezabel). Não é por sermos cristãos que não virão problemas e até desânimos, mas também não devemos desistir quando estamos por baixo.

2. Os problemas são reais e os perigos nos assustam, mas precisamos de momentos tranquilos com Deus, pois é na quietude que Deus se manifesta e nos mostra o que fazer, e não no poder dos impressionantes ruídos humanos.

3. O manto de peles de camelo era o manto característico do profeta. Quem o usava tinha o respeito do povo, e simbolizava o poder de Deus, assim como a vara nas mãos de Moisés. Diante da presença de Deus, Elias cobriu instintivamente o rosto e se acalmou. Veja Isaías 30:15 e Zacarias 4:6.

Lição de segunda – “A troca de vestimentas”

Como cristãos podemos ter perdas, desânimos, baixos, reveses, etc., mas, diante da presença de Deus somos confortados, animados e motivados para seguir no trabalho. Elias foi comissionado a ungir dois reis e Eliseu. Observe que não há tempo para ficarmos lamentando, Deus nos entende, a seguir nos conforta, e então temos que prosseguir na tarefa de pregar o evangelho. Uma mudança precisa acontecer, vai embora o lamento e entra em cena a ação para inutilizar o lamento.

1. Elias, antes choroso, chama e unge a Eliseu para tornar-se um profeta, e o levou para a escola dos profetas e o discipulou. O símbolo de suas novas responsabilidades era o manto que lhe foi colocado sobre seus ombros.

2. O manto de peles representa o que Cristo quer fazer em nós. O manto é usado muitas vezes como símbolo de vergonha, especialmente quando representa ações humanas em busca de justificação ou méritos próprios. Lembre-se que Adão e Eva quiseram cobrir sua vergonha com folhas de figueira, justificação por suas obras. Deus fez para eles roupas de peles, e os cobriu. A justificação de Eliseu, e sua habilitação para o serviço somente poderia vir do manto de justiça que só Deus, em Cristo, pode prover.

Lição de terça – “O uso de pano de saco”

Elias continua a agir na causa de Deus, e sem medo vai até Acabe para anunciar o juízo de Deus sobre ele, sobre sua esposa Jezabel e sobre seu reino. O antes ameaçado e temeroso Elias, agora anuncia juízo.

1. A mensagem de juízo pode ser amedrontadora, mas pode ser a última chance de arrependimento.

2. O rei idólatra se volta para Deus em busca de misericórdia. Rasga suas vestes, ou seja, pelo menos nesse momento reconhece seus erros, muda de ideia, isso é arrependimento. Veste-se de pano e saco, símbolo de luto, de horror e tristeza. Faz jejum. E o Deus de misericórdia mostra sua compaixão novamente, adiando parte do juízo para os dias de seu filho.

Lição de quarta – “O arrebatamento de Elias”

Havia muita coisa em jogo no arrebatamento de Elias. A reforma espiritual precisava continuar; a escola dos profetas, um projeto iniciado por Samuel e refeito por Elias, precisava prosseguir. Diante disso, o discípulo mais promissor e achegado ao mestre, estava preocupado, com o mestre e com o prosseguimento das reformas.

1. Eliseu não se separou de Elias por causa da herança profética. Como uma espécie de primogenitura, Eliseu era o primogênito.

2. Eliseu rasgou suas vestes, seu senso de dependência de Deus foi demonstrado, não as folhas de figueira, autoconfiança, mas o manto que simbolizava a direção divina, as peles ofertadas por Deus. Antes o manto do chamado, agora o manto da confirmação. E grato a Deus por tal escolha, rasga suas vestes em gratidão e aceitação da missão.

3. Somos gratos a Deus pelo privilégio de trabalhar em sua obra de salvar?

Lição de quinta – “O manto de Eliseu”

O manto de Eliseu ou de Elias, ou vara de Moisés, ou a arca da aliança à frente dos exércitos do Senhor, eram símbolos do poder e da direção divina. A travessia do mar vermelho, ou do Jordão, com Josué, ou Elias ou Eliseu, e a travessia da igreja para a Canaã celestial foi e será possível para os que estão cobertos com o manto da justiça de Cristo Jesus.

1. Nessa travessia não há espaço para os que não têm fé, porque não é necessário ver o milagre, mas crer.

2. Confie que Deus pode usar você como fez com Eliseu, dando-lhe porção dobrada do Espírito.

3. Deixemos de lado nossas vestes de presunção e confiança própria e usemos com alegria e gratidão as vestes ofertadas por Deus, pois nas bodas só estarão os que usarem a roupa que os céus providenciaram.

Conclusão

1. Elias foi levado ao céu sem ver a morte. Apesar das lutas e angústias terrenas, está nos céus representando a todos os que se salvarão sem passar pela morte. Saiu de cena de forma gloriosa.

2. Eliseu entrou para os anais da história sagrada como o maior profeta realizador de milagres de todos os tempos, depois de Jesus Cristo. Fez o milagre da alimentação de pães, curou leprosos, aconselhou reis, ressuscitou mortos, etc. Deus lhe usou duplicadamente em sua obra.

3. Essas histórias mostram a fidelidade de Deus para aqueles que o escolhem e se vestem de sua vontade. Beneficiam-se pessoalmente e conduzem o povo de Deus a vitória. Lembro-me das palavras do velho hino: “Compensa servir a Jesus”.

Pr. Ademir Heinz
Pastor Distrital do Partenon, em Porto Alegre/RS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More