Clique aqui para conhecer mais

Artigos e Notícias sobre Pequenos Grupos.

União Sul Brasileira

Site com as notícias da Igreja Adventista.

Estudos Bíblicos

São 8 estudos bíblicos com assuntos diversos para computadores e smartphones.

Ministério Pessoal da DSA

História, Notícias, Materiais e outros.

SITE TEMPLOS DE ESPERANÇA

Conheça o projeto para implantar novas Igrejas no Sul do Brasil.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

A noiva estava linda

Esperança para os desapontados com a igreja

Há um ar de desapontamento com a igreja em nossos dias. São muitas as vozes esmorecidas e muitos os olhares que não brilham mais. É o desencanto com a Noiva de Cristo. A desilusão vem pela tristeza ao ver cenários onde o louvor e a pregação se transformam em apresentações teatrais. O mais importante em certos cenários são os instrumentos, o som, o foguetório, os aplausos e o antropocentrismo. O desencanto também é provocado pela proliferação de grupos dissidentes. Tais grupos atacam a Noiva sem piedade, e em muitos casos os fiéis adventistas ficam chocados e desanimados. Perguntam eles: “Está a igreja perdida em matéria de fé e doutrina”? “Estão os pastores despreparados para enfrentarem os dissidentes”? “Por que tanta crítica e acusações contra a igreja adventista”?

Em momentos assim o desencanto faz o povo olhar para o passado e relembrar os velhos tempos. Comenta-se sobre os pastores à antiga e dias quando a igreja ainda via na Bíblia e no Espírito de Profecia razão suficiente para a instrução do povo de Deus. Tempos quando o povo de Deus era conhecido como o “Povo da Bíblia”. Épocas quando o constrangimento por ser adventista era resultado da discriminação, porém jamais identificação com o mundo. No entanto é preciso lembrar que o Senhor jamais perdeu o absoluto controle sobre a história da igreja. Jamais foi surpreendido por coisa alguma em todos esses anos. Jamais deixou de ser Senhor. E ao falar da Sua igreja, declarou: “as portas do inferno não prevalecerão contra a ela” (Mt: 16:18). É animador saber que o Senhor da igreja está no comando. Ellen White, por sua vez, mostra que Deus está ao leme, através de uma experiência vivida em momentos de perigo.

“Quando eu me achava em viagem de Portland, no Maine, para Boston, muitos anos atrás, sobreveio-nos uma tempestade, e as grandes ondas nos arremessavam de um lado para outro. Caíram os candelabros, e as malas rolavam para cá e para lá, como se fossem bolas. Os passageiros estavam atemorizados, e muitos gritavam, na expectativa da morte. Depois de algum tempo, o piloto veio a bordo. O capitão pôs-se junto ao piloto enquanto ele tomava o leme, e exprimiu temor quanto à direção em que o navio estava sendo conduzido. “Quer tomar o leme?”perguntou o piloto. O capitão não se prontificou a fazer isso, pois sabia que lhe faltava experiência. Então alguns dos passageiros ficaram desassossegados, e disseram que temiam que o piloto os lançasse de encontro às rochas. “Quereis tomar o leme?”perguntou o piloto. Eles, porém, sabiam que não o podiam manejar”.

Após esse relato ela aconselha: “Quando pensais que a obra se encontra em perigo, orai: “Senhor, fica ao leme. Conduze-nos através desta perplexidade. Leva-nos a salvo ao porto.” Então ela pergunta: “Não temos nós razão para crer que o Senhor nos conduzirá através, triunfantes?”(Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 390-391).

Apesar das fortes cores de desalento a Noiva está sendo conduzida ao altar e o dia de brilho há de chegar. Em Apocalipse 21:9 a igreja (a Nova Jerusalém) é a Noiva de Cristo. Cabe, portanto, fazer uma comparação entre a igreja, a Noiva, e nossas noivas, nossas esposas. Isso leva-me a pensar no dia do casamento da minha filha. Foi na cidade de Curitiba no dia 01 de janeiro de 2005. Após o período de namoro, ela e o noivo, apaixonados, chegaram ao grande dia. Apesar do amor e alegria pelo dia chegado tudo parecia fadado ao fracasso. As principais testemunhas estavam atrasadas, a pianista não apareceu, o vestido apresentou defeitos de última hora e houve correaria, agitação e ansiedade. A noiva chorou pelos desencontros do dia. Os familiares estavam apressados e apresentavam faces carregadas de ansiedade. A balbúrdia que cerca a noiva antecedendo seu momento de brilho é emblemática. Aos olhos do passante que vê a agitação sem fim, nada parece ter esperança.

Fui para a cerimônia esperando o pior. Jamais seria possível contornar todos os imprevistos, e o impensado poderia acontecer: a noiva não estaria pronta!

Enquanto pensava nisto, ali no altar, eis que na hora marcada ela chega. Estava linda, uma verdadeira princesa. O rosto sorridente, o caminhar lento e seguro, o vestido alvo como a neve, simplesmente perfeita. A música (uma pianista caiu do céu), a ornamentação, as testemunhas (os atrasadinhos haviam chegado) e as palavras, tudo se encaixava. Que milagre poderia transformar um dia de caos em um momento de brilho tão belo? As horas de lutas, as lágrimas derramadas, os desencontros e desalento foram rapidamente esquecidos e um só pensamento pairava naquele lugar: a noiva estava linda.

Talvez vivamos hoje dias melancólicos ao visualizarmos a igreja quando manchas e mazelas tentam levar nossa esperança para o cativeiro da desilusão crônica. A casa está desarrumada, o vestido da Noiva não nos parece branco, há graves rumores de que ela não ficará pronta. Mas não precisamos temer. Deus através de Sua mensageira nos deu palavras de conforto e esperança.

“Não há nenhuma necessidade de duvidar, de estar temeroso de que a obra não seja bem-sucedida. Deus está à testa da obra, e porá tudo em ordem. Caso haja coisas necessitando serem ajustadas na direção da obra, Deus atentará a isso, e trabalhará para endireitar todo erro. Tenhamos fé que Deus vai conduzir a nobre nau que transporta o Seu povo, em segurança, para o porto” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 390).

“Embora existam males na igreja, e tenham de existir até ao fim do mundo, a igreja destes últimos dias há de ser a luz do mundo poluído e desmoralizado pelo pecado. A igreja, débil e defeituosa, precisando ser repreendida, advertida e aconselhada, é o único objeto na Terra ao qual Cristo confere Sua suprema consideração”. (Testemunhos para Ministros, p. 49).

“A vinda do Senhor está mais próxima do que quando primeiro cremos. Que admirável pensamento é esse de que o grande conflito se aproxima do fim! Na conclusão da obra enfrentaremos perigos com os quais não sabemos lidar; não esqueçamos, porém, que os três grandes poderes do Céu estão operando, que uma mão divina se encontra ao leme, e que Deus levará a cabo os Seus desígnios. Ele reunirá um povo que O há de servir em justiça.

Terríveis perigos se acham diante dos que têm responsabilidades na obra do Senhor – perigos cuja idéia me faz tremer. Mas vem a palavra: “Tenho a mão ao leme, e em Minha providência levarei a cabo o plano divino” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 391).

Chegará o dia, e não tarda, que veremos o rosto do Salvador. Neste dia há de se dizer: Eis o Noivo, é o Senhor que conduz a igreja. Jamais a deixou só. Como é fiel! E creio que todos nós também pensaremos, extremamente admirados: Eis a Noiva, como está linda!

“Regozijemo-nos, e exultemos, e demos-lhe a glória; porque são chegadas as bodas do Cordeiro, e já a sua noiva se preparou” Apocalipse 19:7.

Dr. Érico Tadeu Xavier
Pastor distrital em Londrina

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Vídeo apresenta relatório das atividades da Igreja

Vídeo apresentado no relatório das atividades realizadas pela Igreja Adventista do Sétimo Dia na Região Sul do Brasil (USB) é também uma homenagem pelos 25 anos de atividades da União Sul Brasileira.

Começa 5ª Assembléia Quinquenal da USB

Cerca de 100 pessoas se reúnem em Santa Catarina para eleger os líderes da Igreja para a região Sul do Brasil.

O primeiro dia da 5ª Assembleia Quinquenal da USB - que comemora 25 anos em 2010 - foi de apresentação de relatórios e momentos especiais de oração e consagração. A programação contou com louvores e a passagem de cada líder de departamento mostrando as realizações dos últimos cinco anos. Realizações, aliás, que foram aprovadas em voto pelo plenário. A condução das votações será feita pelo pastor Erton Köhler, presidente da Divisão Sul-Americana (DSA), a partir de amanhã. Além dele, os pastores Marlon Lopes (tesoureiro), Magdiel Perez (secretário), Stanley Arco (assessor da presidência) e o advogado Luigi Braga representam a DSA.

Logo no início da programação o pastor Marlinton Lopes, atual presidente da USB, cumprimentou o pastor Rodolfo Gorski, primeiro presidente da União Sul, convidado especial junto com o pastor João Wolf, ex-presidente da Divisão. "As decisões que serão tomadas aqui são muito importantes para a Igreja e eu oro para que sejam da vontade Deus e que o Espírito Santo guie cada consideração", ponderou Lopes.

Natural do Rio Grande do Sul, o pastor Erton agradeceu a oportunidade de voltar à região. "Eu nasci aqui, estudei e cresci no Sul, além de ter trabalhado aqui em duas ocasiões diferentes, por isto é bom voltar e me encontrar com pessoas que, como eu, anseiam pela volta de Jesus". Para o pastor Erton, o processo de eleição dos líderes da Igreja para a região Sul, que começa amanhã, é muito importante e tem papel fundamental na pregação do evangelho. "As decisões serão para o futuro espiritual do Sul do País e quando tratamos dos negócios da igreja lidamos com a menina dos olhos de Deus. O que acontecer aqui será para apressar ou retardar a volta de Deus. Será para a benção ou maldição, por isto mesmo é que Deus precisa fazer parte das comissões para que isto tudo seja uma benção", conclamou o presidente sul-americano.

Depois de um testemunho sobre um garoto com deficiência que pregou para sua psicóloga, o pastor Marlinton surpreendeu o auditório trazendo as pessoas à frente e acabou a programação com um momento especial de oração em grupo ao ar livre. Amanhã começam os trabalhos de escolha das comissões. (Fonte: Site da USB)

Fabiana Bertotti
Assessora de Imprensa

domingo, 28 de novembro de 2010

Deus segura nossa mão

“Porque eu, o Senhor, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: Não temas, que eu te ajudo.” (ARA 2a ed)

“Te tomo pela tua mão direita”, entre vários, pode significar: acordo entre duas partes; satisfação mútua com um compromisso; amor como quando um jovem segura a mão de sua amada; significa também um compromisso de amizade entre duas pessoas.

Mas, quando um pai segura com firmeza a mão de seu filho ou filha ao andarem juntos, “tomar pela tua mão direita”, assume novos significados. Nesse aperto de mãos acha-se envolvido: o reconhecimento da pequenez e fraqueza do filho em contraste com a força do pai; representa a inexperiência do filho à maturidade do pai; de passos vacilantes que são firmados por passos confiantes; da incapacidade e imaturidade ligada à aptidão de manejar e solucionar qualquer situação; do temor que se apóia na coragem; da inocência ligada à prudência e à sabedoria.

“Eu... te tomo pela tua mão direita”, é a promessa que temos de Deus. Aceitando sermos tomados pela mão a nossa confiança não está em nossa capacidade para segurar a mão de Deus, mas na de Deus em tomar a nossa.

Conta-se que, algum tempo atrás, uma garotinha e seu pai passavam pelos trilhos de trem. Chegando a um barrando, o rio passava muitos metros abaixo. A menina não tinha noção do perigo, mas seu pai sabia, e segurou mais apertada a mão da filhinha. A certa distância, quase ao meio da travessia, a criança escorregou e começou a cair entre os dormentes para o rio lá embaixo. Mas foi salva porque seu pai estava segurando com firmeza sua mãozinha, e conseguiu puxá-la novamente para a segurança.

Esta deve ser a espécie de relação que o cristão mantém com o Pai. Confia na força de Deus, não na sua. Como diz o pensamento a seguir: “Coisa alguma é aparentemente mais desamparada e na realidade mais invencível, do que a alma que sente o seu nada, e confia inteiramente nos méritos do Salvador. Pela oração, pelo estudo de Sua Palavra, pela fé em Sua constante presença, a mais fraca das criaturas humanas pode viver em contato com o Cristo vivo, e Ele a segurará com mão que nunca a soltará.” A Ciência do Bom Viver, 156.

E quando deixamos que Deus nos segure, certamente, poderemos ouvi-Lo dizer: “Não temas, que eu te ajudo”.

Que maravilhoso Pai nós temos! Quando deixarmos que nos segure pela mão direita, poderemos caminhar com Seu poder, amor e sabedoria, pois confiando seremos erguidos e estaremos a salvo nas inevitáveis quedas da vida. Feliz semana!

Pr. Thomas Kloppe
Pastor distrital em Laguna – SC

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A raiz da infidelidade

“Resolveu Daniel, firmemente, não contaminar-se com as finas iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; então, pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não contaminar-se” Daniel 1:8.

Não são poucos os ministros que estão sofrendo com as consequências de um adultério real ou virtual. Graças a internet, a espiritualidade de diversos obreiros tem sido dilacerada por imagens e filmes que, como um vírus em um computador, a destrói aos poucos.

O que foi descrito acima são os frutos do pecado na vida de alguém que jurou perante Deus, seus familiares e amigos, uma vida de retidão, como esboçada na Bíblia. Como chegamos a este ponto? Seria apenas o espírito de uma era ou poderia ser a mais pura realidade de um caráter não trabalhado pela família?

Recentemente eu estava ouvindo um sermão do renomado filósofo e apologeta cristão Ravi Zacharias. O texto bíblico analisado é Daniel capítulo 1. Em determinado momento, Zacharias disse: “Se eu pudesse recomeçar meu ministério como professor de teologia, eu investiria mais tempo ajudando meus alunos a moldarem o caráter, do que com informações impressas em livros com mais de um século.” Acredito que como obreiros, podemos estar certos que se trabalharmos por este caminho, alcançaremos mais êxito particular e coletivamente.

No livro de Daniel 1, creio que podemos encontrar a solução para o problema do caráter. Apesar de ter sido tentado nos aspectos mental (v. 4), físico (v. 5), e espiritual (v. 6), Daniel permaneceu íntegro diante de tais provações. Como? Para ele, qualquer fracasso espiritual era automaticamente uma contaminação (v. 8)! Enquanto lidarmos com o pecado como um animal de estimação, seremos cada dia mais domesticados pelo príncipe das trevas.

Ellen White escreveu: “Alguns homens não tem firmeza de caráter. Assemelham-se a uma bola de cera e podem ser moldados em qualquer aspecto concebível. Não possuem forma e consistência definitivas e são inúteis no mundo. Essa fraqueza, indecisão e ineficiência precisam ser vencidas. Existe no verdadeiro caráter cristão alguma coisa de indomável que não pode ser moldada nem subjugada pelas circunstâncias adversas. Os homens precisam ter, moralmente falando, espinha dorsal, uma integridade que não é vencida pela lisonja, pelo suborno ou o terror” (TI5, p. 297).

Que o seu e o meu ministério sejam marcados pela integridade no caráter, assim como a vida do profeta Daniel.

Pr. Luiz Gustavo S. Assis
Associação Central Sul-Rio-Grandense

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Resumo da lição 9 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título
: “Rispa: A Influência da Fidelidade”

Texto-chave
“Ele o cobrirá com Suas penas e sobre as Suas asas você encontrará refúgio; a fidelidade dEle será o teu escudo protetor”. Salmo 91:4, NVI.

Objetivos
1. Reconhecer a fidelidade de Rispa,concubina de um rei fracassado, que influenciou eventos significativos na nação de Israel .
2. Aprender sobre a determinação de Rispa em fazer o pouco que pudesse em favor de sua família, apesar de viver uma tragédia.
3. Empregar nossas energias para sermos fiéis em qualquer função, lugar e circunstâncias que estivermos.

Verdade Central
Fazer o que é certo não é uma questão de circunstâncias, mas de princípios e de caráter.

Lição de Domingo: A Concubina do Rei

Quem era uma concubina? E quem era Rispa?

1. Nunca foi propósito de Deus que houvesse concubinas, era um costume cultural daquela época. O propósito de Deus sempre foi o casamento monogâmico. Quando a Bíblia cita este fato não significa que Deus aprovava, é um relato histórico.
2. Uma concubina tinha o propósito de produzir herdeiros, seu status social era semelhante à esposa legítima.
3. Rispa significa “brasa viva”(Is 6:6) era concubina de Saul,. O fato do Pai dela (Aiá) ser mencinado, significa que era filha de alguém importante, e não era uma simples escrava.
4. Rispa Vivia circunstâncias terríveis, pois Saul estava morto e ela não tinha segurança, seu destino era incerto assim como Israel.

Lição de segunda-feira: A Menção de Seu Nome

Nesta época havia uma instabilidade na nação de Israel. Embora Davi já tinha sido ungido rei por Samuel por mandado de Deus,e feito rei de Judá, Isbosete “homem de vergonha” filho de Saul, tentava ser o rei sobre israel, havia guerra entre eles. Isbosete temia perder o trono.

1. Isbosete acusa Abner de ter dormido com Rispa, concubina de Saul. É aqui que seu nome aparece pela primeira vez.
2. O fato de alguém dormir com a concubina de um rei significava uma tentativa de usurpar o trono desse rei.
3. Não sabemos se isso de fato aconteceu, parece mais um boato. Mas Rispa era como um objeto. A realidade é que essa acusação envolvendo Rispa, fez a guerra terminar, pois o general Abner se aliou a Davi.

Lição de terça-feira: Olho Por Olho ou uma Solução Conveniente?

Houve uma terrível fome sobre Israel. Por três anos não choveu, Deus disse que retiraria suas benção se o povo fosse desobediente. Por isso Davi clama a Deus a razão daquilo. O Senhor responde que Saul e sua casa eram culpados pela chacina aos gibeonitas, que haviam no passado feito aliança com Israel, sobre juramento.

Por que os descendentes de Saul deveriam sofrer pela culpa do seu antepassado? Não contradiz Dt 24:16 “os pais não serão mortos em lugar dos filhos nem os filhos em lugar dos pais, cada qual será morto por seu pecado.” e Ez 18:1-4 “...a alma que pecar essa morrerá..”?

Este é um dos assuntos difíceis e que provoca discussões até mesmo entre estudiosos. Mas para compreendermos melhor o assunto em questão devemos levar em consideração alguns princípios de interpretação:

1. A Bíblia não se contradiz.
2. Não podemos analisar um episódio bíblico (ocorrido no Antigo Oriente) com uma mentalidade ocidental moderna.
3. Saul era o Rei de Israel, e como rei agia em nome do povo e com o povo, logo Israel e Saul eram culpados de tão grande pecado, por isso todos estavam sofrendo com a seca. (SDBAC, Vol 2, 694)
4. Embora a salvação seja individual, dependendo de nossas escolhas, nossas ações e escolhas afetam muitos ao nosso redor.
5. As ações erradas de um líder trazem conseqüências drásticas e embaraços para muita gente e até para gerações subseqüentes.
6. A avaliação divina desse ato destaca a elevada consideração de Deus para a fidelidade, espera que honremos nossas promessas.
7. Davi estava tentando, dentro de seu ambiente histórico, reparar a falha de Saul. Apesar de não ter se dirigido a Deus sobre o que faria para resolver a situação, mas aos gibeonitas.

Lição de quarta-feira: Fidelidade é um Estilo de Vida

A ação de fidelidade da concubina de Saul, Rispa, é contrastada com a conseqüência da infidelidade de Saul. O que impressiona é que nossa personagem sofre pela infidelidade de Saul, mas mesmo assim permanece fiel.

1. Há assuntos que não entendemos completamente o por que, mas mesmo assim temos que confiar no Senhor.
2. Embora Saul tivesse quebrado um voto, Davi contrasta, com um ato de fidelidade, ele honra seu voto a Jonatas. Davi e Rispa demonstram fidelidade.
3. Rispa demonstrou nobreza e fidelidade protegendo os cadáveres da profanação, mesmo perdendo tudo. Além de ser mulher, concubina, era agora uma mãe sem filhos.

Lição de quinta-feira: Construindo uma Nação

Mas o que esse ato de Rispa tem haver com fidelidade e qual a importância para o povo de Deus?

1. Esse ato chamou a atenção de Davi, que juntou os ossos de Saul e Jonatas com mais os sete enforcados, e fez um enterro devido, digno de um rei e de príncipes de Israel.
2. Isso foi um ato decisivo que ajudou a unificar o reino de Israel que estava se desmantelando. As Tribos foram unidas sobre o comando do rei Davi ungido de Deus e as feridas da guerra começaram a sarar.
3. Uma nova era surgiu para a nação de Israel, graças a fidelidade de uma concubina e de um Rei. Isso mostra que a fidelidade mesmo em algo simples trará bênçãos inimagináveis.

Conclusão

a. As circunstâncias, não fazem nem destroem um filho de Deus, elas revelam o caráter. Devemos ser fiéis em qualquer lugar e circunstâncias.
b. Nossas ações influenciam vidas para o bem ou para o mal, e aquilo que fazemos fala tão alto, que o que dizemos torna-se secundário.
c. Deus considera em alto valor nossa fidelidade! Ele derrama suas bênçãos sobre os que lhe são fiéis.
d. A infidelidade trará maldições em uma escala muito maior do que nossa própria vida.
e. Devemos fazer o certo porque é certo, não porque convém!

“O caráter é um poder. O testemunho silencioso de uma vida sincera, desinteressada e pia, exerce influência quase que irresistível.” PJ 340

Pr. Evandro P. Vargas
Dir. Associado de Publicações ASR

Nota: Abaixo destaco mais algumas questões que você poderá utilizar para que os alunos em sua classe discutam o tema da lição da semana:

1. Jesus nos disse que, se um homem cobiçar uma mulher, em seu coração, já terá cometido adultério com ela (Mt 5:28). Porém, no Antigo Testamento, muitos homens de Deus tiveram concubinas. Como reconciliar esse fato com o que Jesus disse?

2. Por que os descendentes de Saul deveriam sofrer pela culpa do seu antepassado? Não contradiz Dt 24:16 “os pais não serão mortos em lugar dos filhos nem os filhos em lugar dos pais, cada qual será morto por seu pecado.” e Ez 18:1-4 “...a alma que pecar essa morrerá..”? Explique

3. Davi teve que entregar sete homens para morrer, entre eles, dois filhos de Rispa. Ele deve ter sofrido e até mal interpretado. O que isto nos fala sobre o preço da liderança?

4. Algumas pessoas fazem as coisas certas apenas por medo das conseqüências. Esta atitude é certa? Sim ou não? Justifique sua resposta!

5. A ação de fidelidade da concubina de Saul, Rispa, é contrastada com a conseqüência da infidelidade de Saul. O que impressiona é que nossa personagem sofre pela infidelidade de Saul, mas mesmo assim permanece fiel. Mas o que esse ato de Rispa tem haver com fidelidade? De que forma a fidelidade nas pequenas coisas influencia a fidelidade nas grandes? É possível ter uma sem a outra?

6. Todos nós temos alguma influência sobre alguém.Queiramos ou não somos exemplo para o bem ou para o mal. Existe diferença entre o nosso exemplo em casa, em público ou na igreja? Onde é mais difícil ser exemplo? Por quê?

Reflita nestas questões, torne dinâmica sua classe e decida ser fiel acima de tudo.

Pr. Evandro Fávero

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Idéia de Nudez

Folheando a revista Alfa Homem da Editora abril de outubro, deparei-me com uma matéria interessante cuja presunção seria explicar por que, cada vez mais mulheres estão investindo em "books sensuais". A matéria ainda mostra fotos de mulheres comuns produzidas, fotografadas e photoshopadas, como as que encontramos em qualquer revista masculina. Elas economizam, fazem dieta, malham e se preparam para isso. Depois presenteiam seus maridos e namorados, ou até guardam para si. Outras ainda exibem o material em sites de relacionamentos.

O curioso é a explicação de especialistas, na revista:

Para alguns especialistas, essa onda exibicionista é um novo rito de passagem na fascinante mitologia feminina. Segundo eles, a vontade de tirar a roupa é um novo tipo de emancipação.
“A mulher desenvolve muito cedo o olhar para si mesma, pois é educada para atender os outros e ser agradável”, diz o psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir. “Esses ensaios são uma forma nova de exercitar essa cultura de exibicionismo.”

Cada vez mais a sociedade tem imposto às mulheres padrões elevadíssimos de beleza, padrões tão difíceis de alcançar que as beldades que os exibem precisam de muita dieta, malhação, tratamento estético de última geração e cirurgias plásticas. E tudo claro, retocado ou transformado pelo photoshop antes de ir para as páginas das revistas. Ninguém consegue perceber que isso é supérfluo demais? Os homens não conseguem compreender que o que está na revista e os excita tanto é uma farsa? Toda mulher tem celulite, toda mulher tem TPM, e toda mulher tem uma beleza impossível de ser retratada.

Sabe o que as mulheres estão querendo dizer aos maridos quando os presenteiam com uma revista de sí próprias? "Se você quer uma mulher produzida, maquiada, numa bela langerie e corrigida no photoshop, aqui está a sua mulher como você gosta de ver." E em seu íntimo está gritando: "Pelo amor de Deus, olhe pra mim".

Em que momento da história dos relacionamentos o homem passou a acreditar que sua mulher não se importa se ele compra, assina, coleciona revista de mulheres nuas. Que as fica admirando e se excitando por elas?

Que homem gostaria que sua mulher fizesse isso? Que homem ficaria satisfeito se sua mulher comprasse, assinasse, colecionasse revistas de homens nus para os mesmos fins?

Aí a mulher pensa: Já que ele gosta de revista, vou dar uma minha pra ele não precisar comprar de outras mulheres. Mas e a variedade? Logo o presente deixará de ser novidade. E essa mulher não poderá presenteá-lo eternamente assim, porque seu corpo não ficará eternamente belo. E as revistas sempre terão novas mulheres, sempre jovens e atraentes. Em resumo, essas mulheres estão correndo atrás do vento.

O ser humano, homem e mulher são importantes demais pra isso, são belos demais pra isso, e não falo de uma beleza estética. Somos dotados de inteligência e sentimentos nobres. Essa beleza sim deve ser valorizada.

Por isso Deus recomendou que o homem escolhesse sua mulher na juventude e casasse com ela formando uma só carne. Desfrutasse de sua beleza e juventude enquanto seus sentimentos fossem se solidificando e com o passar do tempo se amassem cada vez mais, não pelo que vissem, mas pelo que conhecessem delas.

A sociedade está cada vez mais distante do plano divino para nossas vidas, por isso os homens e mulheres têm perdido o melhor e mais nobre da vida, buscando dinheiro, poder, e beleza. Seguindo o padrão inatingível que o mundo impõe, para ao fim ficarem deprimidos, frustrados e doentes por estarem vazios como sepulcros caiados.

Sobre as mulheres das revistas:

"A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás; é a nudez de teu irmão." Levítico 18:16

Sobre a mulher da sua casa:

"Como cerva amorosa, e gazela graciosa, os seus seios te saciem todo o tempo; e pelo seu amor sejas atraído perpetuamente." Provérbios 5:19

(Acervo de Idéias)

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Fidelidade no uso do tempo

“Portanto, vede diligentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, usando bem cada oportunidade, porquanto os dias são maus” Efésios 5:15,16.

Trinta minutos é muito tempo ou pouco? Depende...Para um noivo à beira do altar, esperar 30 minutos é muito tempo. Agora, para o mesmo noivo, após o casamento, se na lua de mel lhe fosse concedido apenas 30 minutos na companhia da noiva seria pouco ou muito? Claro que pouco!

Na vida podemos gastar o tempo ou investir o tempo! No início da humanidade pós-pecado as pessoas viviam muito tempo. Matusalém viveu 969 anos. O pai de Noé, Lameque, viveu 777 anos. O nosso pai, Adão, viveu 930 anos. Hoje vivemos em média 80 anos!

A pergunta é: O que você faria caso vivesse 1.000 anos? Como ocuparia seu tempo? Quais seriam seus planos? Como ainda não somos eternos devemos ocupar o nosso tempo de maneira sábia: Minhas atitudes, pensamentos e decisões são realizados dentro de um espaço de tempo.

John Wesley, teólogo inglês, fundador do metodismo, movimento religioso que iniciou no século 18, escreveu 371 obras. Viajava a cavalo 8.000 km por ano. Pregava anualmente 750 sermões, cerca de dois por dia. Além disso, mantinha fielmente, correspondência com muita gente. Como foi possível fazer tudo isso?

Instruindo os seus auxiliares ele escreveu: “Sede diligentes. Nunca vos ocupeis em coisas triviais. Não percais tempo. Não gasteis em nenhum lugar mais tempo do que o absolutamente necessário. Sede pontuais. Fazei tudo exatamente no seu tempo próprio”. Assim disse Wesley, mas Deus já havia assim falado, através de Paulo e outros escritores bíblicos.

Grandes servos do Senhor no passado utilizaram com sabedoria seu tempo. Ocuparam-se com coisas prioritárias. Hoje devemos deixar de lado aquilo que, por vezes, não é mau, porém, também não é útil. Distração e tentação são artimanhas do inimigo.

Vivemos no tempo do fim e por isso é necessário exercermos criteriosa fidelidade no uso de nosso tempo. Tanta coisa reclama nossa atenção que às vezes nossa agenda não tem linhas suficientes para as demandas. Peçamos ajuda ao Deus do infinito. Ele também administra as minúcias.

Pr. Leandro Pletsch Rodrigues
Associação Catarinense - USB


Leia também: Cinco segredos para o sucesso pessoal e profissional

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dieta rica em vegetais diminui risco de fratura óssea

Segundo uma nova pesquisa, as mulheres idosas que comem muitas frutas, legumes e grãos integrais têm uma menor probabilidade de sofrer uma fraturas ósseas do que as que não comem. As descobertas não provam que os alimentos em si diminuem diretamente o risco de fratura, mas destacam outra razão potencial para as pessoas terem uma alimentação mais saudável.

No estudo, os pesquisadores observaram a relação entre a “densidade de nutrientes” na dieta e o risco de fratura óssea em 3.539 mulheres pós-menopáusicas e 1.649 homens com 50 anos ou mais.

Estudos anteriores já haviam descoberto que pessoas com maior consumo de nutrientes específicos, como cálcio e vitamina D, podiam manter uma maior massa óssea e tinham um risco diminuído de fraturas mais tarde na vida. Porém, as pessoas consomem alimentos, não nutrientes isolados, e pouco se sabia sobre como os padrões de dieta em geral estavam relacionados com o risco de fratura.

Na nova pesquisa, os participantes responderam a questionários detalhados sobre suas dietas. Os pesquisadores usaram as respostas para calcular a densidade de nutrientes, que se referem à concentração de vitaminas, minerais e outros nutrientes de um alimento – caloria por caloria. Uma dieta rica em densidade de nutrientes inclui muitas frutas, legumes, fibras, cereais integrais, feijão e peixes.

Durante os próximos sete anos, 70 homens e 372 mulheres do estudo sofreram fraturas não relacionadas a acidentes graves que seriam susceptíveis de causar uma fratura, independentemente da saúde óssea.

Em geral, os pesquisadores descobriram que para cada aumento de 40% em calorias provenientes de frutas, verduras e outros alimentos ricos em nutrientes, as chances de sofrer uma fratura em um período de 10 anos caiu 14% entre as mulheres, mesmo levando em conta outros fatores, como peso, densidade óssea, tabagismo e ingestão de cálcio e vitamina D.

Houve uma tendência similar entre os homens, embora pudesse ser devida ao acaso. Não houve relação, porém, entre o risco de fraturas e as dietas ricas em alimentos altamente calóricos, incluindo sobremesas, batatas fritas e carnes processadas.

Segundo os pesquisadores, os resultados apóiam os potenciais benefícios de uma dieta rica em alimentos de origem vegetal. Especialmente para a saúde óssea, pode ser particularmente importante impulsionar o consumo de proteínas vegetais, a partir de grãos, sementes e verduras, sem comer muita proteína de origem animal.

Isso porque alguns estudos têm associado dietas com alta proporção de proteína animal a maior perda óssea ao longo do tempo. Uma teoria é que as dietas ricas em proteína animal criam uma “carga ácida” maior que pode levar o corpo a excretar mais cálcio. No entanto, a teoria não está confirmada.

Os resultados atuais não comprovam que uma dieta rica em nutrientes previne fraturas. Pessoas com tais hábitos alimentares também tendem a ser mais preocupados com a saúde e terem um comportamento mais consciente. Também não está claro exatamente quanta diferença pode fazer as mudanças na dieta no risco de qualquer pessoa sofrer uma fratura na vida adulta.

A conclusão dos pesquisadores é que sempre bom que uma pesquisa demonstre que, através de escolhas alimentares mais cuidadosas, as pessoas podem ter um controle significativo sobre o destino de sua saúde. Mesmo que a ligação entre saúde óssea e menor risco de fratura não for direta, uma dieta ligada aos benefícios de saúde, incluindo menores riscos de doenças cardíacas e diabetes, também pode ser boa para a saúde óssea. (Hype Science)

Nota: Vale lembrar que quando Daniel e seus amigos foram levados para o cativeiro babilônico eles recusaram comer a alimentação do Rei e fizeram uma proposta: "Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias; e que se nos dêem legumes a comer e água a beber." Daniel 1:12.

Como resultado desta experiência a Bíblia afirma que "em toda matéria de sabedoria e de inteligência sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos e encantadores que havia em todo o seu reino." Daniel 1:20

Quando criou o ser humano Deus deixou um cardápio ideal para todos. "E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a terra e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento." Genesis 1:29

"Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso Criador. Esses alimentos, preparados da maneira mais simples e natural possível, são os mais saudáveis e nutritivos. Proporcionam uma força, uma resistência e vigor intelectual que não são promovidos por uma alimentação mais complexa e estimulante." Cicência do Bom Viver, 296.

Pr. Evandro Fávero

domingo, 21 de novembro de 2010

A comunhão produz missão e muito mais

E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Atos 2:42

É maravilhoso que nossa igreja enfatize tanto que seus membros procurem viver a comunhão, como o faziam os cristãos apostólicos. Não é outra coisa que reafirmar o convite bíblico: Deus nos chamou “à comunhão de seu Filho Jesus Cristo” 1 Coríntios 1:9.

A profunda comunhão na igreja produz a motivação necessária para que os irmãos saiam naturalmente para pregar. Isso não é novidade. Mas também sabemos que quando existe comunhão, tudo melhora.

Como pastores promovemos, lutamos, trabalhamos e oramos para que as igrejas vivam em comunhão. Por outro lado, várias vezes durante a semana ouvimos a respeito de problemas e de pecados que os irmãos nos contam. Recebemos várias informações negativas durante nosso ministério. Mas são os momentos positivos os que Deus usa para nos dar novas forças em nosso ministério.

Em um pequeno povoado que tenho de visitar e apoiar, os irmãos estão iniciando a construção do futuro templo. Fiquei muito impressionado ao ver os jovens, as irmãs adultas, as crianças e as idosas cavando os buracos para fazer os fundamentos. Nesse grupo formado por 40 irmãos, quase não há homens adultos que possam ajudar na construção. Mas a comunhão é tão forte, tão magnética e contagiante, que todos, a cada domingo se reúnem para colaborar “suar a camisa por um bom tempo”. No final, colocam-se ao redor de uma mesa com alimentos gostosos e participam juntos da refeição, como na antiga igreja apostólica.

É verdade que a Comunhão produz Missão, mas favorece muitas outras coisas! Até mesmo o pastor que passou toda uma semana ouvindo a respeito de problemas, enfermidades, etc. acaba com o “coração transbordante de alegria” ao contemplar os irmãos vivendo em comunhão, isso o motiva.

É verdade que a comunicação produz motivação no pastor que, por sua vez, deverá motivar as igrejas. Graças à comunhão dos irmãos pode-se ingressar em um circuito de bênçãos, cujos efeitos maravilhosos potencializam nossos dons e os resultados são notórios.

Ellen G. White disse: “Quão pouco conhecemos de fato da doce comunhão com Deus!” Manuscrito 24, 1892.

À medida que conhecemos aos irmãos e vivemos esses doces momentos, todos ficamos motivados e os problemas se tornam pequenos diante das grandes bênçãos do Senhor.

Que maravilhoso é que a comunhão com Deus, em primeiro lugar, e a comunhão entre os irmãos deem ao ministro essa vitalidade e entusiasmo que repercute por toda a eternidade!

Pr Nicolas F. Luzardo
Misión Argentina del Noroeste - UA

Julgando com amor

“Não julguem os outros, para que Deus não julgue vocês.” Mt 7:1. (BLH)

É tão fácil apontar o dedo de crítica. Ao fazê-lo, muitas vezes nos esquecemos de que temos pelo menos três dedos apontados contra nós mesmos. Há um poema na língua inglesa de autor desconhecido, que diz o seguinte: “Ore para não encontrar falta no homem que manca ou tropeça ao longo do caminho. A menos que tenha calçado o sapato que ele usa, ou lutado sob o seu fardo.

Pode haver tachinhas em seu sapato que machucam, apesar de escondidas da vista. Ou o fardo que ele leva em suas costas pode causar-lhe um tropeço também. Não rechace o homem que hoje está caído, a menos que tenha sentido o golpe que causou sua queda ou sentido a vergonha que somente os que caem conhecem.

Você pode ser forte, mas mesmo os golpes que foram dele, se tratados contigo da mesma maneira, na mesma ocasião, podem levá-lo a vacilar também. Não seja tão duro com o homem que peca ou atire-lhe uma palavra ou uma pedra, a menos que esteja seguro, duplamente seguro, de que você não tem nenhum pecado próprio; porque talvez você saiba que se a voz do tentador cochichar-lhe suavemente, como o fez a ele quando apostatou, poderia ter causado sua falha também.”

Jesus nos deu um exemplo que permanece para a eternidade: Aqueles que procuravam por palavras e ações violentas, tendenciosas e degradantes destruir a vida de uma mulher flagrada em adultério, receberam as próprias pedras e acusações de volta.

O Mestre escreveu uma obra monumental na areia, que acabou esvaziando o auditório. “Vai e não peques mais”. Foi a melhor mensagem que aquela mulher ouviu. Jesus disse o que ela realmente necessitava ouvir.

As pedras que estavam para serem jogadas podiam agora fazer parte de um altar. Sim, um altar, onde a corrupção, o egoísmo, a maldade, a crítica poderiam e deveriam ser sacrificados. Os acusadores não tiveram seus pecados perdoados, mas a acusada sim, estava em paz com Jesus.

Hoje, você acusa, ou oferece perdão? O quê você precisa ouvir ou falar para alguém? O verdadeiro espírito de perdão e amor só pode vir de Jesus, o Homem do perdão.

Feliz perdão! Feliz semana!

Pr. Thomas Kloppe.
Pastor distrital em Laguna – SC

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Apelo urgente por reavivamento, reforma, discipulado e evangelismo

Deus chamou, de forma singular, a Igreja Adventista do Sétimo Dia para viver e proclamar Sua mensagem de amor e verdade para os últimos dias do mundo (Apocalipse 14:6-12). O desafio de alcançar os mais de seis bilhões de pessoas no planeta Terra com Sua mensagem para o tempo do fim parece impossível. A tarefa é esmagadora. De uma perspectiva humana, o rápido cumprimento da Grande Comissão de Cristo, em algum momento próximo, parece improvável (Mateus 28:19, 20).

A taxa de crescimento da Igreja simplesmente não está acompanhando o crescimento da população mundial. Uma avaliação honesta de nosso impacto evangelístico atual no mundo leva à conclusão de que, a não ser que haja uma mudança dramática, não concluiremos a comissão celestial nesta geração. A despeito de nossos melhores esforços, todos os nossos planos, estratégias e recursos são incapazes de concluir a missão dada por Deus para Sua glória na Terra.

(Clique aqui e continue a ler)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Resumo da lição 8 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM AO LADO PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título: “Joabe: O fraco valente de Davi”

Texto-chave
“Todo caminho do homem é reto aos seus próprios olhos, mas o Senhor sonda os corações” Provérbios 21:2.

Objetivos
1. Entender que Deus espera de nós comportamento coerente com o conhecimento que temos da Palavra de Deus.
2. Desenvolver os valores do Evangelho por meio de uma vida de obediência à vontade de Deus.
3. Viver na dependência completa da orientação do Espírito Santo, que nos leva a conformar-nos com o projeto de Deus para nossa vida.

Verdade Central
O conhecimento teórico da vontade de Deus não garante vitória sobre o mal. É preciso disposição para viver de acordo com a vontade divina. Joabe falhou ao não permitir ser dirigido pela Palavra de Deus.

Lição de Domingo: Questões familiares

O ser humano tem a tendência de “maquiar” seus verdadeiros motivos. O que havia por trás do assassinato frio de Abner cometido por Joabe? Circunstâncias à parte, como muitas vezes podemos agir segundo os mesmos motivos?

1. Joabe fora importante general de Davi, ajudando a firmar a monarquia, conquistar inimigos e expandir o reino. Como soldado, conhecia muito bem as leis da guerra, mas permitiu que o desejo de vingança prevalecesse sobre a honra e a justiça.
2. A nova lealdade de Abner para com Davi confrontava Joabe com um rival em potencial a favor do rei.
3. A desculpa de que Abner seria um “espião” servia apenas para amortecer no coração de Joabe a seriedade de seu comportamento criminoso.

Lição de Segunda-feira: O custo do pecado

“A miséria anda sempre em busca de companhia”. Como Joabe, preso pelo seu pecado, passou a agir em relação aos pecados de Davi? O que isso demonstra sobre seu caráter?

1. O pecado forma uma estranha “cumplicidade”. Joabe compreendeu e levou imediatamente a efeito o plano de Davi para eliminar Urias, apesar de saber que este era um bom homem e um grande soldado.
2. Joabe estava disposto a qualquer coisa para “limpar a barra” com o rei. “Vendeu” sua integridade e sufocou a consciência, anulando o meio pelo qual Deus age em nossa vida.
3. No episódio da morte de Absalão, Joabe demonstra todo o seu oportunismo e crueldade para garantir a autopreservação, usando a desculpa de estar defendendo a integridade do rei. Era um sujeito extremamente calculista.

Lição de Terça-feira: Joabe, o político

A estratégia de Joabe para aproximar Davi e Absalão partia do pressuposto de que o perdão devia ser concedido. Por que, no caso de Joabe, isso parecia não funcionar?

1. Nem sempre o conhecimento da vontade de Deus vem acompanhado da respectiva prática. Joabe demonstrou conhecer a vontade de Deus e a aplicou na reaproximação de Davi e Absalão, mas não a aplicava em sua própria vida. A rejeição consciente da orientação de Deus leva o indivíduo a se tornar cada vez mais duro e resistente à voz do Espírito Santo.
2. Com a morte de Amnon, Absalão se tornara o próximo na linha de sucessão real. Aproximar-se de Absalão era, portanto, conveniente para Joabe que tinha a preocupação de garantir seu futuro, desconsiderando a vontade de Deus.
3. Manipulação, interesse próprio, orgulho e desejo de supremacia marcaram as ações de Joabe. Parece que sempre avaliava as situações a partir do favorecimento pessoal, deixando os princípios de lado. Mas esse também é um quadro real de todo ser humano carnal. Todo ser humano tem seu lado “político”. A solução está na prática da Palavra de Deus (Tg. 1:22).

Lição de Quarta-feira: Vivendo pela espada

Que comportamento terrível foi repetido por Joabe na execução do seu projeto de poder?

1. No seu projeto pessoal não havia espaço para o segundo lugar. Após ser substituído por Amasa, Joabe mais uma vez usa da traição para eliminar um possível concorrente. O mais triste era que se tratava de um primo seu que fora atraído para a morte por um comportamento fingido de Joabe.
2. Joabe não se conformava com a vontade de Deus. Em última instância tinha uma luta pessoal, mesmo que inconsciente, contra Deus. A tentativa de fazer prevalecer seus planos e de que as coisas se resolvessem segundo a sua maneira, desprezando a orientação divina, foi a base de sua ruína.

Lição de Quinta-feira: A última parada de Joabe

Quais foram as últimas atitudes de Joabe que marcaram seu triste fim?

1. O apoio de Joabe à tentativa de golpe de Adonias demonstra uma indisposição férrea em resistir à Palavra de Deus. A velhice e debilidade de Davi não impediram que este pudesse, antes da morte, cumprir a orientação de Deus empossando Salomão no trono e lançando por terra os planos de Adonias, Abiatar e Joabe.
2. A última gota encheu a taça de Joabe ao apoiar a tentativa de Adonias de obter Abisague como mulher. Sua rebelião contra a vontade de Deus chegou ao fim. A lei da retribuição deveria se cumprir em sua vida (Gl. 6:7).
3. Interessante que Joabe resolveu buscar socorro justamente no santuário do Deus a quem sempre afrontara. Sua atitude de agarrar-se aos chifres do altar não fora levada em consideração por Salomão, uma vez que o santuário provia socorro apenas para a alma verdadeiramente arrependida por homicídios cometidos involuntariamente. Joabe colocara-se além da misericórdia divina.

Conclusão

1. A vontade de Deus é soberana. Ele respeita nossa escolhas, mas trabalha para que Sua vontade prevaleça para o bem do Seu povo.
2. A prática da Palavra de Deus ajuda a desenvolver valores como humildade, integridade e verdade.
3. Os esquemas e maquinações humanos nos afastam de Deus e aumentam o peso do juízo sobre nós.
4. A lei da retribuição é certa; se não agora, certamente no juízo.
5. Mais importante que conhecer é praticar a Palavra de Deus.

Pr. Paulo Rogério da Silva
Distrital de Bom Retiro/Joinville, SC

Evento promove reencontro de líderes de pequenos grupos

Encontro serviu para fortalecer o foco evangelístico dos participantes.

Depois de mais de cinco meses do evento que reuniu mil líderes investidos de pequenos grupos em Faxinal do Céu, a Associação Central Paranaense (ACP) promoveu um reencontro dos seus líderes no último sábado, 13. O Colégio Adventista Boqueirão, em Curitiba, recebeu os mais de cem líderes que participaram do reencontro, coordenado pelo departamento de mobilização missionária da Igreja, que é dirigido pelo pastor Evandro Fávero nesta região do Paraná.

O encontro serviu para fortalecer o foco evangelístico dos participantes e para troca de experiências. Durante o programa, o projeto Templos de Esperança, lançado pela União Sul Brasileira, também foi enfatizado entre os líderes. "Eles foram os primeiros a receberem o livro oficial do projeto em toda a União", diz Fávero.

Outro programa apresentado em primeira mão para os líderes investidos é o projeto Agente Evangelista. Segundo explica o pastor Evandro, o projeto é destinado às pessoas que já são instrutores bíblicos e o propósito é que se motivem a estudar a Bíblia com outras pessoas e incentivem outros membros da igreja a trabalharem para Deus.

O encontro ainda reservou espaço para histórias de sucesso que foram compartilhadas pelos participantes. Doralice Bispo é líder de um pequeno grupo que há menos de um mês se tornou uma congregação adventista. Tendo quatro pessoas batizadas e um grupo solidificado com seis famílias, o pequeno grupo orava por uma igreja adventista num endereço mais próximo. Agora, agradecem a Deus pelo novo local de reuniões no Jardim Planalto, em Araucária, onde todos os cultos já são realizados normalmente em um local provisório mas muito bem estruturado.

Outra história motivadora é de Valdair dos Santos (foto ao lado). Mesmo a cadeira de rodas não o impede dedirigir quatro pequenos grupos durante a semana e ainda participar de um programa de evangelismo. Valdair foi investido como líder de pequenos grupos no encontro de sábado e cinco pessoas de seus pequenos grupos se preparam para serem batizadas.

Os líderes que estiveram no reencontro se comprometeram a orar em especial por cinco pessoas que querem ver se decidirem pelo batismo no ano que vem. 92 participantes ainda aceitaram o desafio de trabalhar pela fundação de novas igrejas em 2011. O trabalho será acompanhado pelo diretor do departamento de mobilização missionária na Associação Central Paranaense, pastor Evandro Fávero, e também pelos pastores das igrejas locais.

Elio Moura
Assessor de Impressa

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Remédios contra insônia e ansiedade aumentam risco de morte, diz estudo

Pessoas que tomam remédios para dormir e reduzir a ansiedade parecem ter maior risco de morrer precocemente, segundo recente estudo da Universidade de Laval, no Canadá. Avaliando dados de um acompanhamento de 12 anos a mais de 14 mil adultos canadenses, os especialistas descobriram que aqueles que usavam esse tipo de medicamento tinham mortalidade 36% maior do que os participantes que não tomavam remédios para tratar insônia e ansiedade.

Publicados na última edição do Canadian Journal of Psychiatry, os resultados indicaram que aqueles que relataram o uso desse tipo de medicação pelo menos uma vez por mês tinham uma taxa de mortalidade de 15,7%, enquanto os participantes que não tomavam esses remédios apresentaram uma taxa de mortalidade de 10,5%. Considerando fatores como consumo de álcool, tabagismo, níveis de atividades físicas e presença de depressão, os pesquisadores calcularam que aqueles que usam remédios para dormir ou antiansiolíticos teriam 36% maior risco de morrer.

Os resultados não indicam as razões dessa relação, mas os especialistas levantam diversas hipóteses para explicá-la. Uma delas seria o fato de esses medicamentos afetarem o tempo de reação, a coordenação motora e o estado de alerta, podendo aumentar as chances da ocorrência de acidentes. Eles também podem afetar o sistema respiratório - agravando problemas respiratórios durante o sono - e o sistema nervoso central, afetando a capacidade de julgamento - o que poderia aumentar os riscos de suicídio. (Blog Saúde)

Nota: Deus deseja que seus filhos tenham saúde."Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma." III João 2. Qual o melhor remédio para dormir? Confessar os problemas a Jesus (Mateus 11:28) e buscar dEle um sono tranquilo. "Não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?... Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas." Mateus 6:25,33.

Pr. Evandro Fávero

terça-feira, 16 de novembro de 2010

A revista simples que ultrapassou 100 anos

A Revista Adventista, que neste mês comemora cem anos de existência, é fruto de uma modesta publicação que recebeu, em 1906, o curioso nome de Revista Trimensal. O contraste é gritante entre ambas. Mas nem por isso aquela edição centenária, com apenas doze páginas e sem nenhuma ilustração, deve ser olhada com pouco interesse. Muito pelo contrário, deve ser analisada com respeito e curiosidade, pois representa o sonho de pioneiros que não mediram sacrifícios para implantar e fortalecer a obra de Deus neste imenso país.

Dos 11 pequenos artigos da Revista Trimensal [o certo seria Trimestral], cinco foram assinados por Abel L. Gregory. Os demais foram escritos por Ernesto Schwantes, H. F. Graf, Henrique C. Mecking e Emilio Hölzle. Nas sete páginas finais, constam as lições da Escola Sabatina do primeiro trimestre de 1906.

“Saudações” – título da primeira matéria da página de abertura – corresponde ao que chamamos, hoje, de editorial ou palavras do editor. Começa assim: “Nossos irmãos, que podem ler portuguez, regozijam-se comnosco que uma Revista Trimensal vae saindo com a mensagem da salvação para o nosso tempo.” Naquela época, muitos adventistas estavam mais afeitos à língua alemã. Contudo, era tempo de atender aos de língua portuguesa.

O editor, no primeiro parágrafo, revela forte senso de missão: “O journal, talvez, não será de luxo, nem sem erros na redacção, mas desejamos que será de alimento espiritual a muitos.”

Em seguida, Gregory fala sobre as lições da Escola Sabatina. “Temos aqui treze lições ou para três mezes. Ao cabo deste tempo, a segunda sahida [edição] da Revista terá outras lições; ao fim de nossas egrejas estudarem as mesmas verdades”, ele enfatiza. Por sinal, antes do pacote de lições, Gregory sugere como estudá-las com proveito: “As lições que nós offerecemos aos nossos queridos irmãos nesta revista não são para estudar só no sabbado na escola sabbatina, mas nós devemos estudal-as diariamente. Como, porém, é impossivel comer em um dia bastante para sete, assim é também impossivel engulir um pão de uma só vez” (sic!).

Nos parágrafos finais de suas “Saudações”, o editor revela uma preocupação que já existia naquela época: assinantes. “Por isso convidamos as nossas egrejas procurar mandar logo assignantes de cada familia. ... O preço não está além de ninguem, 1.200 reis por anno. Quem não póde gastar 100 reis mensalmente para um ‘bom ensinador’?”

Uma nota publicada no alto da página dois, informa que, em 1906, havia no Brasil 30 escolas sabatinas, “com 547 discípulos”. No segundo trimestre de 1905, as ofertas haviam alcançado 263.170 reis.

Por fim, vale destacar o espírito missionário dos pioneiros. Ernesto Schwantes descreve as dificuldades por que passou ao visitar irmãos e interessados em Campo Bom, Santo Antônio da Patrulha e Taquara, no Rio Grande do Sul, e em Criciúma, Santa Catarina, onde sua perna esquerda “tinha ficado cheio de postemas” (sic!). H. F. Graf fala da liberalidade dos irmãos de Não-Me-Toque, que deram expressiva oferta “para comprar uma nova imprensa para a typographia”. Henrique Mecking, por sua vez, escreve dizendo que foi muito bem recebido pelos irmãos de Santa Catarina, onde conseguiu fazer 70 assinaturas da revista O Arauto da Verdade. O bloco de notícias termina com Emilio Hölzle falando do êxito das conferências realizadas em Castro, e das portas abertas “para estudos bíblicos com diversas famílias”, em Ponta Grossa, Paraná. Como se pode observar, existe um abismo entre a modesta semente lançada ao solo, um século atrás, e a moderna Revista Adventista, mas o espírito dos editores daquele tempo continua inspirando os de hoje.

Leia e comprove tudo isso na edição comemorativa e no site da Revista Adventista.

Pr. Rubens Lessa
Editor Chefe da Revista Adventista

Lágrimas no céu

“E lhes enxugará dos olhos toda lágrima.” Apoc. 21:4

Este é um dos textos mais confortadores e tocantes da Bíblia. Imagine Deus mesmo tomando Seus filhos nos braços a fim de confortá-los e com Suas mãos, como um pai que muito ama seu filho, enxugando-lhe as lágrimas e dizendo: "Não haverá mais morte, pranto ou dor [Meu filho] tudo já passou... eis que faço novas todas às coisas" (Apoc.21:4,5) não chore mais.

Quando medito no contexto dessa promessa vejo o que ocorrera após João ter visto novo céu e nova terra. Minha mente transporta-se para a cena ali descrita. Estaremos no céu, usufruindo das maravilhas dos primeiros momentos da eternidade. Vamos abraçar nossos companheiros de jornada com tanta alegria que as palavras são insuficientes para descrever. Encontrando um, outro e outro, beijos e abraços, sorrisos de alegria, prazer, felicidade. Chegamos! Chegamos! Vencemos! Vencemos! Anjos comemorando conosco, mas... de repente... a lembrança: Onde está fulano? E aquele irmão que eu batizei? Aquele colega que se formou conosco? Aquela irmã diretora de...? Acredito então, que, ao sentirmos falta de pessoas que conhecemos e com quem convivemos por anos, (ao mesmo tempo em que desfrutamos as alegrias do céu), inevitavelmente as lágrimas nos virão aos olhos. Também, por estarmos conscientes que não poderão ali estar e que talvez fizemos tão pouco por elas. Não tivemos tanto amor quanto poderíamos, enquanto tivemos oportunidade. Aqueles momentos de êxtase e alegria transformam-se em lágrimas...

Lembro dos momentos que chorei de tristeza pela perda de pessoas queridas, mas que não amei tanto quanto poderia ter amado. O vazio da inexistência delas dói. Há uma música secular que diz: “... é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã...” Como se amanhã elas não fossem mais existir.

Ame as pessoas. Amar é tratar bem, ter boas palavras, consideração, compadecer-se, fazer qualquer coisa boa por elas, perdoar, ser amigo, sorrir, ser dócil, agradável etc. E.G.White diz: “amanhã, talvez, algumas dessas pessoas estarão onde nunca mais as poderemos alcançar.” MM 2009, 249 .

Ame! Se você não conseguir salvá-las, Deus vai compreender sua dor. Talvez você olhará para o Pai e dirá: Senhor, eu poderia ter feito algo mais para salvá-las. Então Deus lhe enxugará dos olhos toda lágrima.

Portanto meu querido, saia hoje disposto a amar um pouco mais as pessoas, isso poderá fazer diferença pela eternidade.

Pr. Neilton Ribeiro de Souza
Associação Bahia Sul - UNeB

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Pai de 88 filhos pretende ter 100 até 2015

Daad Murad Abdul Rahman, de 64 anos, vive nos Emirados Árabes e é um cara normal – ou quase. Ele tem, atualmente, 88 filhos e não pretende parar de procriar até chegar a 100.
Ele é pai de 50 meninos e de 38 meninas – seu filho mais velho, Tariq, tem 39 anos e seu filho mais novo tem apenas alguns meses de idade. Desde que começou a colecionar crianças, Daad foi casado 15 vezes e teve filhos com cada uma de suas mulheres. 12 das esposas pediram o divórcio (provavelmente porque estavam cansadas de, a cada nove meses, darem à luz), mas três ainda são fiéis.

Para alcançar seu objetivo de ter 100 filhos, Daad pretende casar-se mais uma vez, com uma jovem e corajosa indiana de 18 anos. O “Meher” (o dote que o noivo paga ao pai da noiva) já foi pago e a cerimônia irá acontecer em Jaipur, na Índia.

Acredite ou não Daad não foi repreendido por não seguir o bom senso no controle de natalidade, mas é considerado um herói nacional dos Emirados Árabes. Ele até ganha pensão e outros benefícios do estado, tudo por ter, atualmente, 78 bocas para alimentar.

Como ele conseguiu “produzir” 10 bebês nos três últimos anos, alcançar seu objetivo até 2015 não parece muito difícil. (Hype Science)

Nota: É bem verdade que os filhos são herança do Senhor (Salmo 127:3). Mas devemos ter responsabilidades com eles (Deuteronômio 6:4-9). Não precisamos cumprir a ordem de Gênesis 1:28 sozinhos. Por outo lado Jesus ordenou que seus seguidores fizessem "filhos" espirituais, ou seja, discípulos dEle (Mateus 28:19-20). Esses filhos devem ser multiplicados e certamente 100 não será o limite.

Pr. Evandro Fávero

Leia também:
Pais devem ser guia e companheiro das crianças
Mundo Muçulmano
Do islamismo para o adventismo

domingo, 14 de novembro de 2010

O pecado que nos agarra firmemente

E quanto a nós, temos esta grande multidão de testemunhas ao nosso redor. Deixemos de lado a tudo o que nos atrapalha, e o pecado que se agarra firmemente em nós, e corramos com coragem a carreira que está à nossa frente.” (BLH)

Muitos cristãos dizem: “Não bebo. Não fumo. Não roubo. Não minto. Não desejo mal ao próximo.” Ótimo! Mas, se esses pecados nunca foram uma real tentação para você, você não tem razão de confiar em sua própria justiça. Ou seja: se uma pessoa nunca foi tentada a colocar fogo em uma casa, ou a assassinar alguém, ela pode se orgulhar de não ser uma incendiária ou uma assassina? O apóstolo Paulo nos diz que o pecado que precisa nos deixar preocupados não é aquele que derruba os outros, mas o “pecado que se agarra em nós”.

Esse pecado que se agarra vai ser diferente a cada uma de nós. Para um é o orgulho, para outro o adorno exterior, ou os prazeres do mundo, ou o preconceito racial, social, religioso, o amor ao dinheiro, a literatura baixa, a condescendência própria, o egoísmo, a linguagem impura, a transgressão do sábado, a desonestidade, a falta de domínio próprio, a maledicências, o desprezo pelas ordens de Deus, etc. Se algum desses ou qualquer outro pecado nos “agarra firmemente”, precisamos aceitar o apelo de Paulo para abandoná-lo.

Jesus Cristo em Sua vida terrestre e Seu ministério resistiu. Jejuou quarenta dias no deserto para vencer o poder do apetite que causa tanto dano a humanidade. No jardim do Getsêmani, Cristo lutou e orou até que “Seu suor era como gotas de sangue caindo no chão” Lc 22:44.

Tudo o que Jesus fez, certamente é muito mais para nós do que para Ele. Porque como nosso Salvador, tomava providências para poder dar-nos a vitória até sobre “o pecado que se agarra firmemente em nós’.

Paulo ainda nos adverte: “Porque na luta contra o pecado vocês não tiveram que combater até a morte.” Hb12:4. Hoje queremos realmente vencer? Temos vontade de resistir até o sangue, assim como Jesus? Se este é nosso maior objetivo, certamente teremos a vitória!

Porque quando olhamos para Jesus, “o autor e consumador da fé”, receberemos a graça maior que nossa tentação. A graça que nos dará força para “corrermos com coragem a carreira que está à nossa frente”!

Felizes vitórias em Cristo e por Cristo!

Feliz semana!

Pr. Thomas Kloppe
Distrital em Laguna – SC

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Crescimento com êxito

Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.”
2 Timóteo 2: 7,8

O que faz um homem de Deus se sentir realizado em seu crescimento e afirmar “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé.?” Paulo, embora preso, sabia que tinha crescido no limite de Deus, e em uma cela sabendo que a sentença da sua morte estava já decretada, nos ensina cinco princípios para podermos também crescer.

Apesar da morte que iria sofrer, o leito de Paulo não era de tristeza. Ele tinha fundado igrejas, orientado líderes e escrito cartas. Paulo via a vida como uma corrida em que se podia vencer pela Graça de Deus; uma batalha para ser lutada e uma verdade para ser guardada. Sua coroa, o seu galardão o estava aguardando.

A pergunta é: o que leva um homem a ter um crescimento tão grande, que sua vida, sua história, sua conversão, é contada em todo o mundo e em todas as línguas?

Cinco princípios podemos destacar na vida deste homem de Deus:

1- Ter em mente a visão de sua missão (Atos 26: 15- 18).
Sim. Paulo sabia e sentia dentro de si um compromisso, não com a igreja apostólica, mas, com o Senhor Jesus Cristo. Ele sempre tinha bem vívido em sua mente a visão para qual fora chamado por Cristo: anunciar o evangelho e nada mais.

2- Ter uma íntima comunhão com Cristo (2Co 12: 8,9).
Paulo falava com Cristo e Cristo falava com Paulo. Havia um relacionamento pessoal, isto aconteceu desde o seu chamado (Atos 9:3-6) e se prolongou até o fim de sua vida.

3- Ser disciplinado (1Co 9:26).
Paulo só poderia ser um vencedor ao lado de Cristo, organizando seus projetos, disciplinando-se a si mesmo, para poder cumprir a carreira para qual fora chamado. Sim, temos quer ter uma meta, um alvo para termos o crescimento com êxito.

4- Estava sempre disposto a aprender (2Co 4:13).
Apesar de toda a sua experiência, Paulo ainda sentia que precisava aprender, ler, estudar. Entender um pouco mais tanto da Palavra de Deus, como outros legados. Sentiu a necessidade de ler para o seu crescimento pessoal, embora estando preso.

5- Tinha uma rede de bons relacionamentos (2Tm 4:9,11).
A vida de vitórias de Paulo, não estava em seu crescimento individual, mas em ter também ao seu lado amigos que podiam confortá-lo, ajudá-lo em seus momentos difíceis e também na pregação do evangelho.

Se procuramos a excelência no crescimento, que tal aplicarmos estes cinco princípios em nossa vida? Assim, com certeza, com a bênção de Deus iremos ter um crescimento com êxito.

Pr. Adalberto de Souza e Silva
Missão Pernambucana Central - UNeB

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Consumo de nozes e castanhas pode ajudar a reduzir o colesterol, diz estudo

Comer nozes e castanhas diariamente pode melhorar os níveis de colesterol e reduzir os riscos de doença cardíaca coronariana, segundo estudo publicado nesta semana no periódico Archives of Internal Medicine.

Avaliando dados de 25 estudos sobre o consumo de castanhas e os níveis de colesterol em sete países, os pesquisadores da Universidade Loma Linda, nos EUA, descobriram que o consumo diário de cerca de 67 gramas de castanhas - incluindo amêndoas, avelãs, nozes, amendoim e pistaches - resultava em uma redução média de 5,1% no colesterol total, de 7,4% no colesterol ruim (LDL) e de 8,3% na taxa de LDL em relação ao HDL. Além disso, essa prática foi associada a uma redução de 10% nos triglicérides de pessoas que, inicialmente, apresentavam altas taxas dessa “gordura” no sangue.

Segundo os autores, os diferentes tipos de castanha têm efeitos similares sobre o colesterol, mas esses efeitos seriam modificados dependendo dos níveis de LDL, índice de massa corporal e tipo de alimentação. Eles destacam, ainda, que os resultados apoiam a inclusão de castanhas em intervenções terapêuticas na dieta para melhorar os níveis de colesterol. “Aumentar o consumo de nozes como parte de uma dieta prudente pode ser esperado por afetar positivamente os níveis de lipídio no sangue (pelo menos em curto prazo), e tem o potencial de reduzir o risco de doença cardíaca coronariana”, explicaram os autores, acrescentando que a moderação é a chave. (Boa Saúde Blog)

Nota: Não é a toa que o regime dietético de Deus ao criar o ser humano foi o vegetariano (Gênesis 1:29). "Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso Criador. Esses alimentos, preparados da maneira mais simples e natural possível, são os mais saudáveis e nutritivos. Proporcionam uma força, uma resistência e vigor intelectual que não são promovidos por uma alimentação mais complexa e estimulante." Ciência do Bom Viver, 296 Pr. Evandro Fávero

Resumo da lição 7 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM AO LADO PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título: “O Sacerdote Abiatar”

Texto-chave
“Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz”. (1 Pedro 2:9)

Objetivos
1. Mostrar como as escolhas do sacerdote Abiatar afetaram a sua qualificação para o sacerdócio.

2. Enfatizar a importância da lealdade aos propósitos de Deus.

3. Conduzir cada membro à decisão de permanecer ao lado de Deus como um povo escolhido.

Verdade Central
Depois de uma longa vida de serviço como sacerdote, Abiatar se desqualificou para o ministério, traindo o seu rei e apoiando um usurpador ao trono.

Lição de Domingo: Mentira e tragédia

Providencialmente, Abiatar foi salvo do massacre dos sacerdotes promovido por Saul. Que relação há entre este episódio e a situação de cada um de nós em relação a Deus?

- Estávamos condenados à morte, sentenciados à destruição e Deus nos arrancou da boca de um poderoso adversário, Satanás. Ele estava determinado a nos destruir.
- Todos os que foram salvos de determinado perigo devem algo àquele que os salvou.
- Somos criação da maravilhosa graça de Deus e como tais devemos a Ele uma resposta positiva ao seu chamado para o serviço.

Lição de Segunda-feira: O sacerdote Abiatar

Quais eram algumas das funções de Abiatar como sacerdote?

- Mediar entre o homem e Deus em busca de resposta e orientação, interceder em favor do povo, oferecer ofertas e sacrifícios.
- O Novo Testamento diz que temos a responsabilidade de sacerdotes em nossa comunidade.
- Este chamado nos desafia a interceder pela nossa família, comunidade, igreja e todos os que nos rodeiam.

Lição de Terça-feira: A revolta de Absalão

Qual o papel de Abiatar neste episódio?

- Abiatar ofereceu sacrifícios enquanto Davi deixava a cidade. Ele se tornou intercessor em favor de Davi e seu povo.
- Os desdobramentos deste episódio mostram que nem sempre as coisas são o que parecem. Muito coração dolorido se esconde atrás de um sorriso.
- Somos as mãos de Deus para alcançar os que nos rodeiam.

Lição de Quarta-feira: A escolha de Abiatar

O que pode ter levado Abiatar a fazer esta opção?

- Abiatar optou pela tradição, pois legalmente Adonias era o próximo na linha de sucessão, mas não estava limitado à tradição.
- A tradição pode ser muito confortável, pois nos livra de tomar a responsabilidade de pensar nas coisas à luz da vontade revelada de Deus.
- Deus já havia revelado que Salomão seria o sucessor. Abiatar deveria ter enfrentado o escândalo público que isto poderia causar e recusar a segurança de simplesmente dizer: nós sempre fizemos assim.

Lição de Quinta-feira: O destino de Abiatar

Como Salomão lidou com Abiatar?

- Embora merecesse a morte, Salomão deu uma chance de vida, mas o excluiu do sacerdócio.
- Abiatar se desqualificou para o sacerdócio por se recusar a aceitar as escolhas de Deus.

Conclusão

1. Deus dá oportunidades.
2. Sucesso depende do uso que fazemos destas oportunidades.
3. Se nós recusarmos a aceitar as escolhas de Deus, também nos desqualificaremos para o serviço em sua causa.

Pr. Silvano Barbosa
Departamental da Escola Sabatina no Norte do Paraná (ANP)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Nelson - Enviado para libertar os cativos

Sempre tive o evangelismo no coração. Minha maior preocupação é comunicar a outros a verdade. Um dia, sentado no meu escritório fui abordado por uma mulher que me perguntou se eu era o pastor local. Disse que não, mas que era o auxiliar do pastor (ancião), e perguntei se podia ajudar de alguma forma. A mulher de meia idade trazia uma mensagem: “Por favor, preciso urgente falar com o pastor da igreja de Guaraniaçu.” Ela me disse que vinha apenas trazer o recado. O jovem estava preso na penitenciária da cidade.

O que é mais surpreendente é que eu há algum tempo vinha pensando em realizar um trabalho consistente nesta penitenciária. Eu achava difícil ir ao presídio, mas queria ir, pois acreditava em Mateus 25. Ao mesmo tempo, pensava que a pregação ali seria inútil. Depois da visita daquela mulher pensei: Agora eu tenho que ir, é o sinal de Deus. Depois de uma semana consegui a documentação para entrar junto com as pessoas na hora da visita.

A mulher não tinha falado o nome da pessoa que queria falar comigo a princípio, pois ela não lembrava mais. Então o que eu fiz? Entrei no presídio segurando a Bíblia junto ao meu peito, me dirigi ao pátio e fiquei em pé no meio da multidão sem saber quem queria falar comigo.

Percebi então um rapaz que me olhava. Fui andando em sua direção e ele veio em minha direção, me abraçou e chorou sem falar nada por quase meia hora. Vivi o momento do pai do filho pródigo. Ele chorava sem parar. Quando conseguiu se controlar me perguntou: “Você é o pastor da Igreja Adventista?” “Sou apenas o auxiliar”, eu respondi.

Sentamos no chão e ele começou a contar sua história. Seu nome era Mitsunori e ele era um ex-adventista. Tinha se afastado de Deus. Estava numa situação financeira precária e recebeu uma proposta de R$ 40.000,00 para buscar 300 quilos de maconha em Foz do Iguaçu. No desespero ele aceitou a proposta, mas quando estava voltando com a droga a polícia o prendeu.

Quando a polícia parou o carro o guarda foi logo dizendo. “Se você me disser onde está à droga você passará menos anos de prisão. Se eu tiver que achar vai passar mais tempo na cadeia.”

Era uma armadilha. E ele o cobaia. Agora estava preso e ninguém de sua família sabia que ele estava na prisão. Por isso o seu desespero. Uma semana depois deste encontro eu já estava estudando a Bíblia com 12 pessoas no presídio.

Desde então, são 5 anos estudando a Bíblia no presídio. Hoje, porém, trabalho no Presídio de Cascavel. Tudo começou porque Mitsunori foi transferido para lá. Porém, não foi fácil começar o trabalho ali. No Presídio de Cascavel não pode entrar qualquer um. Demorou 6 meses para eu conseguir a documentação.

Além disso, você só pode começar uma igreja lá dentro se já tiver previamente, antes de entrar, 20 membros de sua igreja. Nestas condições eu não conseguiria entrar, mas Mitsunori foi falando com os demais presos e pediu para 20 deles assinarem uma declaração dizendo que eram membros da igreja. E assim começou o trabalho.

Outra pessoa que estava lá era o Jorge. Um salteador que foi transformado pela graça de Jesus. Depois que saiu da prisão o Jorge sentou no sofá da minha casa e disse:

“Chega o momento que você não tem medo de nada. Matei cinco pessoas e ninguém descobriu. Tornei-me um homem tão ruim que um dia almoçando na casa da minha mãe eu bebi demais e minha cunhada brigou comigo. Só não bati nela porque o meu irmão estava lá. Fiquei com tanto ódio dela que comprei um galão de gasolina e derramei em sua casa, e enquanto ela estava na casa da mãe eu queimei toda a casa. Fui preso e um amigo de cela todo o sábado me convidava para ir à igreja (do presídio). Eu não queria ir, dizia que meu negócio era matar gente, não ir à igreja. Em um sábado chuvoso meu amigo saiu e não me chamou. Quando voltou então lhe perguntei: ‘Por que você não me chamou? ’ Ele respondeu: ‘Porque eu sempre convido e você nunca vai! ’ Naquele dia eu disse: ‘Então só porque você não me convidou hoje eu vou, porque eu sou do contra.’”

“Quando cheguei à “igreja” (uma sala no presídio) algo aconteceu comigo. Quando vi a apresentação em PowerPoint eu me arrepiei, queria sair dali, mas ao mesmo tempo eu não podia. Tudo o que foi falado era para mim. Depois daquele sábado nunca mais eu faltei. Às vezes, durante a semana eu fazia planos para não ir, mas no sábado eu não ficava em paz se eu não fosse.”

Antes de Jorge ser liberto a Assistente Social o chamou e lhe disse: “Jorge você foi um dos piores prisioneiros que já passou por aqui. Mas você mudou! De repente, bruscamente! Você se tornou um homem correto e honesto. Jorge, o que aconteceu? Por que você mudou?” Jorge respondeu: “É que eu conheci a Jesus na Igreja Adventista do Sétimo Dia”.

Nestes cinco anos de trabalho mais 32 pessoas já foram batizadas, destas, 10 ainda estão no Presídio. Trabalhar ali é uma realização única. Porque ali eu posso sentar ao lado de homens que mataram dez, quinze pessoas, forma traficantes, estupradores e vejo o poder de Deus sobre o ser humano. É um grande privilégio, uma alegria incontável.

Hoje, faço parte da comissão da ressocialização. Tenho dentro da minha empresa um funcionário que é ex-presidiário. Mitsunori, aquele que me ajudou a começar este trabalho, está livre e serve ao Senhor na Igreja Adventista em Teófilo Otoni – MG.

Ainda este ano, Deus nos deu uma grande bênção. No final de semana do Evangelismo Tempo de Esperança, marcamos um batismo. Seis homens haviam tomado a decisão e eu já havia feito a ficha batismal. O Pr. Célio veio para a cerimônia, no momento em que estava assinando as fichas, um dos presos, questionou sobre o que se tratava e, se apenas os que tivessem a ficha poderiam ser batizados. O pastor respondeu que aqueles que estivessem preparados seriam batizados. Aquele homem já vinha estudando há muito tempo e pediu o batismo, ficamos muito contentes.

No final da cerimônia batismal, o pastor fez o apelo, primeiro Emílio Galvão se levantou e em seguida mais dois vieram. Ali, antes da oração final, o pastor disse que o batismo deles seria em dezembro. Mas, Emílio disse: “Não pastor! Eu quero ser batizado agora, este é o momento, não vou mais adiar a minha decisão!”. Meu coração explodiu de emoção. As bênçãos de Deus são verdadeiramente sem medida! Para nossa alegria oito vidas, ao invés de seis, foram batizadas e agora fazem parte da Igreja Adventistas do Sétimo Dia. E outros serão batizados ainda este ano.

O trabalho ali não é fácil, mas é imensamente gratificante, leva tempo para alguém se converter, porém, prosseguimos, pois Jesus nos disse que deveríamos ir a todos os lugares, a fim de libertar as almas que estão acorrentadas pelo pecado. E Sua promessa: “Eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos” é fiel.

Programa do culto no presídio: (Duração de uma hora)
• Louvor
• Dividem-se em 2 grupos
• Oração
• Pedidos de oração
• Estudo bíblico
• Mensagem Musical
• Pequeno Sermão
• Oração final

Nelson Ferreira de Almeida,
Empresário em Guaraniaçu - PR.

Ouvirás atrás de ti uma palavra

“... os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele.” Isaías 30:21

As palavras deste verso podem muito bem resumir o que aconteceu na Semana de Evangelismo Tempo de Esperança. Milagres aconteceram na vida de muitos, especialmente nas 30 pessoas que foram batizadas no distrito de Laranjeiras do Sul, onde pude atuar ao lado do Pr. Célio Longo (distrital do local - foto acima). Tivemos momentos marcantes, vidas foram transformadas, muitos tomaram a decisão de estar ao lado de Deus. Dentre as diversas experiências que Deus nos concedeu destaco algumas:

A Conversão de Nelson e sua Família


Durante 15 anos o Sr. Nelson e a família vinham estudando a Bíblia com a Igreja Adventista. Eles pertenciam a Igreja Assembleia de Deus. Participaram assiduamente durante 30 dias do evangelismo realizado em sua cidade, e tomaram finalmente a decisão para o batismo que aconteceria em junho. Fizeram a ficha para o batismo, mas infelizmente no dia desistiram. Logo depois, algumas tragédias aconteceram em sua família (uma filha foi assassinada e o filho capotou o carro matando uma menina) e isto os fez refletir.

No primeiro dia do Evangelismo Tempo de Esperança, o Pr. Célio organizou um Congresso de Evangelismo e a família foi convida, aceitaram o convite e participaram. Em um intervalo das atividades o Sr. Nelson me procurou. Ele não me conhecia, mas ouviu uma voz dizendo: “Este é o caminho” e começou a contar seus problemas. “Não está fácil a minha vida”, suspirou ele.

Marcamos uma visita, conversamos por horas, e eles aceitaram ser batizados com uma condição: queriam que a cerimônia fosse em um lago. Enquanto eu preenchia as fichas de batismo das 4 pessoas da família, o Pr. Célio ligava para os membros da igreja local. O que mais me emocionou foi saber que duas irmãs vinham orando durante aquela semana em favor deles e que especialmente naquela noite oraram pela conversão da família. Verdadeiramente Deus atende as orações de Seus queridos filhos. Chegamos para a visita às 15h, e às 17h30 estávamos em um lindo lago próximo dali, juntamente com alguns membros da igreja, para batizá-los. Foi comovente ver aquela família entregando-se finalmente ao Senhor.

A história de Maria da Luz

Outra visita que fizemos foi a uma família adventista. O objetivo era pegar o endereço de um interessado. A visita seria rápida. Porém, quando lá chegamos encontramos a sua empregada doméstica, Maria da Luz. Ela era membro da Igreja Deus é Amor, porém, estudava a Bíblia há três anos com a sua patroa. Quando descobrimos isto perguntamos se ela gostaria de fazer um estudo especial sobre o batismo. Ela aceitou e estudamos sobre o batismo bíblico e também as cinco razões para ela ser batizada.

Enquanto estudávamos a sua patroa dirigiu-se para um cômodo para orar pela decisão de Maria. O resultado? Maria ouviu a voz do Espírito Santo, decidiu e foi batizada na noite daquele dia. Ela entendeu que aquele era o momento, ouviu a voz do Santo Espírito e não olvidou.

O batismo de Ione Bodot

Ione Bodot foi catequista durante 55 anos. Mas após algumas decepções resolveu aceitar o convite de sua neta, uma juvenil de 11 anos, para estudar a Bíblia. Beatriz a convidou para assistir o Evangelismo Via Satélite com o Pr. Mark Finley. Ela foi e naquela semana sentiu-se tocada. Na noite em que o pastor fez o convite para o batismo, Ione atendeu, preencheu o cartão da decisão e continuou a estudar a Bíblia. Resultado? Ela ouviu a voz do Espírito Santo, e depois de um ano, foi batizada no Evangelismo Tempo de Esperança. Sua neta a conduziu para dentro do tanque batismal. Podíamos sentir sua alegria em entregar em fim sua vida a Deus.

Ouvindo a Voz

Entretanto, nem tudo são flores em uma semana de evangelismo. Na quarta-feira Pr. Célio e eu saímos para visitar os interessados. Batemos em muitas portas. Todos rejeitaram o convite para o batismo. Eram pessoas que conheciam a Bíblia e mesmo assim não quiseram entregar a vida a Jesus e nascer de novo. Isso nos deixou tristes. Voltamos para a cidade de Laranjeiras do Sul após participarmos do culto em Candoi. Estávamos a 89 Km de casa. Voltávamos tristes porque aquele dia ninguém havia se decidido ao batismo. Quando de repente! O Pr. Célio ouviu detrás dele uma palavra dizendo: “Vá à casa do Júlio.”

Imediatamente o pastor interrompeu a conversa e disse: “Entre à direita! Entre à direita!” Exatamente naquele momento passávamos em frente à casa da tesoureira do grupo de Cantagalo, Lourdes Moreira, que mora ao lado da Rodovia 277 – no interior. Lourdes é uma mulher fervorosa que incansavelmente tem lutado pela salvação de seu esposo, Júlio. Ele há muito tempo já vinha estudando a Bíblia, mas nunca tinha tomado sua decisão.

Chegamos ali por volta das 23h. Eles já estavam descansando. O Pr. Célio dirigido pelo Espírito Santo lhe disse: “Viemos em nome de Deus para lhe fazer um convite: Aceite a Jesus e seja batizado!”

Júlio, não ficou surpreendido, respondeu que já estava pensando no assunto. “Venho pensando nisso há três dias, algo dentro em mim me diz que este é o momento”, confessou emocionado. Deus já vinha trabalhando no seu coração e no tempo exato, conferiu a missão a nós, Seus servos. Atendemos a Sua voz e cumprimos o dever. Estávamos tristes com os nãos daquele dia, mas o Senhor novamente provou que quando o mundo fecha uma porta, Ele abre outra, para que Seus filhos possam continuar trabalhando em favor de vidas. Júlio foi batizado no outro dia e está imensamente feliz com a sua decisão.

Estas e outras histórias marcaram nosso evangelismo em Laranjeiras do Sul. É bom trabalhar em parceria com o Espírito Santo, pois Ele conduz, converte, orienta e concede a vitória sobre o pecado.

Por isso, ore para que você possa ouvir todos os dias “atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele.”

Pr. Evandro Fávero

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More